“Acelera a atmosfera de confronto”. China adverte Austrália e Japão sobre novo pacto de defesa

Scott Morrison (ScoMo) / Facebook

Scott Morrison, primeiro-ministro da Austrália

A Austrália e o Japão “pagarão um preço correspondente” caso o seu novo pacto de defesa ameace a segurança da China, alertou a media estatal chinesa, apesar de o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, insistir que o acordo não deve preocupar Pequim.

Citado pelo Guardian, o jornal estatal Global Times declarou que o novo acordo “acelera a atmosfera de confronto na região da Ásia-Pacífico” e foi criado contra a China.

Os ministros australianos apelaram, na quarta-feira, a um diálogo com os seus homólogos chineses para resolver uma disputa diplomática latente, que levou Pequim a tomar uma série de decisões comerciais contra os setores de exportação australianos ao longo do ano.

As declarações chinesas surgem após Morrison e o seu homólogo japonês, Yoshihide Suga, terem anunciado na noite de terça-feira, em Tóquio, que chegaram a um amplo acordo sobre o treinamento de tropas no território um do outro.

Tentando evitar uma possível reação da China, o primeiro-ministro australiano afirmou que o acordo mostra “uma evolução significativa” da relação entre a Austrália e o Japão, “mas não há razão para que isso cause qualquer preocupação noutras partes da região”. “Na verdade, acho que contribui para a estabilidade da região, o que é bom”, acrescentou.

Morrison referiu que ambos os países acreditam “que o sucesso económico da China é bom para a Austrália e para o Japão”, frisando que não encaram aquela nação como um competidor estratégico.

O pacto de defesa, que deve ser finalizado quando Suga visitar a Austrália em 2021, indica que “a Austrália e o Japão, como democracias liberais e com base no mercado, têm interesses estratégicos em comum”.

O Global Times, no entanto, argumentou que o acordo “fornece uma nova alavanca para os [Estados Unidos] EUA dividirem a Ásia” e que o Japão e a Austrália “estão imprudentemente a dar o primeiro passo para criar uma cooperação de defesa profunda que visa um terceiro”.

O jornal estatal indicou que Pequim “dificilmente permanecerá indiferente aos movimentos dos EUA com o objetivo de incitar os países a se unirem contra a China a longo prazo” e que tomaria medidas. “Sugerimos que o Japão e a Austrália tenham contenção no caminho para formar uma aliança quase militar contra a China”, frisou.

“É melhor não criarem confrontos com a China sob influência dos EUA, ou seguir o passo dos EUA para forçar a Índia a conter a China. Certamente pagarão um preço correspondente se os interesses nacionais da China forem infringidos e a segurança ameaçada”, referiu ainda.

VOA / Wkimedia

O primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga

Espera-se que o acordo de acesso recíproco (RAA) abra caminho para uma maior cooperação de defesa e exercícios conjuntos entre o Japão e a Austrália – incluindo, potencialmente, no Mar do Sul da China. Quando finalizado e aprovado pelo parlamento japonês, será a primeira vez em seis décadas que Tóquio chegará a um acordo que permita a entrada de tropas estrangeiras no seu território.

O documento esclarecerá a situação jurídica das forças visitantes e abrangerá questões como a entrada e a saída, as taxas e os impostos alfandegários e a jurisdição criminal. Ainda não ficou claro se as tropas australianas enfrentarão a pena de morte se forem condenadas por crimes graves enquanto estiverem no Japão, país que mantém essa medida para homicídios múltiplos ou único agravado. A Austrália opõe-se à pena de morte.

A Austrália e o Japão concordaram com um mecanismo para resolver caso a caso, informou a ABC. O Guardian Australia adiantou que o mecanismo garante o respeito pelas obrigações legais internacionais de ambos os lados, mas os detalhes só serão divulgados após a finalização do texto.

A presidente do Conselho de Legislação da Austrália, Pauline Wright, disse estar “preocupada com a ideia de que serão tratados caso a caso”. “O que o povo australiano espera é que todas as nossas tropas estejam protegidas – não importa o que aconteça – da pena de morte como potencial punição”, declarou.

“A Austrália há muito que se opõe à pena de morte e, na maioria dos nossos acordos com governos internacionais, garantimos que não pode seja imposta a australianos no estrangeiro, em qualquer condição, e queremos que a mesma medida se aplique às nossas tropas que servem no exterior”, acrescentou.

O tesoureiro, Josh Frydenberg, apelou na quarta-feira para que o governo chinês concorde com um “diálogo respeitoso e mutuamente benéfico”. À Sky News, disse que “a bola está muito nas mãos da China” em termos de resposta ao pedido de negociações.

Na terça-feira, o Ministério das Relações Externas da China rejeitou essa visão, sublinhando que a responsabilidade pelo rompimento nas relações “não está com a China” e que cabia à Austrália tomar medidas para aumentar a confiança mútua.

Zhao Lijian, o porta-voz do Ministério das Relações Externas, reiterou que algumas pessoas na Austrália, com “mentalidade da Guerra Fria e preconceito ideológico”, tomaram “uma série de medidas erradas em relação à China”.

O responsável apontou os comentários do governo australiano sobre Hong Kong, Xinjiang e Taiwan, as primeiras medidas para banir a empresa de telecomunicações chinesa Huawei da rede 5G, as suas acusações contra a China de interferência estrangeira na Austrália e o seu apelo público para uma investigação global sobre a origem da covid-19.

O governo de Morrison disse repetidamente que “permanecerá firme” na proteção dos interesses nacionais da Austrália e na defesa dos seus valores.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas criam material de "auto-reparação" mais resistente do mundo (e é perfeito para ecrãs de telemóveis)

Investigadores do Instituto Indiano de Educação e Investigação Científica (IISER, na sigla em inglês) podem ter encontrado o material perfeito para fazer os ecrãs de smartphones: transparente, resistente e que a capacidade de se "auto-curar" …

"A bitcoin vai criar a paz mundial"

A rainha das moedas digitais, se não construir a paz no planeta, vai ajudar na pacificação entre os seres humanos. É a opinião de Jack Dorsey. É o centro de atenções de muitos investidores, é o …

"Burrolandia". Parque temático de burros no México está a tentar salvar estes animais

Um parque temático de burros no México serve de santuário a estes animais que estão aos poucos a desaparecer no país. "O burro ajudou o homem por muito tempo. É hora de retribuirmos o favor", …

Uma mão robótica que joga Super Mario Bros na Nintendo? Sim, existe

Uma equipa de investigadores da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, imprimiu em 3D peças para criar uma mão robótica capaz de jogar Super Mario Bros na Nintendo.  A mão robótica é totalmente montada com circuitos …

"Narco Drones" apanhados a entregar drogas numa prisão chilena

Reclusos e cúmplices no exterior estão a usar drones para contrabandear droga para a prisão mais antiga do Chile. As autoridades chilenas descobriram que o esquema de contrabando tinha como objetivo transportar drogas para a Ex …

Erupção do vulcão Etna causa problemas económicos na Sicília

Nos últimos meses, o vulcão Etna tem estado em constante erupção e o custo de limpeza das cinzas está a deixar muitas cidades da Sicília à beira da falência. O vulcão Etna – um dos mais …

Argentina cria documento de identidade para pessoas não binárias

O Presidente da Argentina anunciou, esta semana, que o país tem um novo documento de identidade para incluir pessoas não binárias. É o primeiro país da América Latina a fazê-lo. De acordo com o chefe de …

Costa diz que Portugal vai ter "o dobro" de fundos comunitários para investir

O primeiro-ministro afirmou, este sábado, que Portugal vai contar, nos próximos sete anos, com "o dobro" de fundos comunitários para investimento, considerando que esta "é uma oportunidade única" que não pode ser desperdiçada. "Vamos ter a …

Chinesa morre após salvar a filha de deslizamento de terra. Bebé esteve 24 horas nos escombros

Uma mulher morreu após salvar o seu bebé quando um deslizamento de terra e uma forte inundação atingiram a sua casa na China, revelam as equipas de resgate. Como noticia a BBC, a bebé foi resgatada …

Caso Ihor. IGAI pede expulsão do ex-diretor de fronteiras do SEF

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) já entregou ao ministro Eduardo Cabrita o relatório final do processo disciplinar contra o inspetor coordenador do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) António Sérgio Henriques, que propõe a …