“Acelera a atmosfera de confronto”. China adverte Austrália e Japão sobre novo pacto de defesa

Scott Morrison (ScoMo) / Facebook

Scott Morrison, primeiro-ministro da Austrália

A Austrália e o Japão “pagarão um preço correspondente” caso o seu novo pacto de defesa ameace a segurança da China, alertou a media estatal chinesa, apesar de o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, insistir que o acordo não deve preocupar Pequim.

Citado pelo Guardian, o jornal estatal Global Times declarou que o novo acordo “acelera a atmosfera de confronto na região da Ásia-Pacífico” e foi criado contra a China.

Os ministros australianos apelaram, na quarta-feira, a um diálogo com os seus homólogos chineses para resolver uma disputa diplomática latente, que levou Pequim a tomar uma série de decisões comerciais contra os setores de exportação australianos ao longo do ano.

As declarações chinesas surgem após Morrison e o seu homólogo japonês, Yoshihide Suga, terem anunciado na noite de terça-feira, em Tóquio, que chegaram a um amplo acordo sobre o treinamento de tropas no território um do outro.

Tentando evitar uma possível reação da China, o primeiro-ministro australiano afirmou que o acordo mostra “uma evolução significativa” da relação entre a Austrália e o Japão, “mas não há razão para que isso cause qualquer preocupação noutras partes da região”. “Na verdade, acho que contribui para a estabilidade da região, o que é bom”, acrescentou.

Morrison referiu que ambos os países acreditam “que o sucesso económico da China é bom para a Austrália e para o Japão”, frisando que não encaram aquela nação como um competidor estratégico.

O pacto de defesa, que deve ser finalizado quando Suga visitar a Austrália em 2021, indica que “a Austrália e o Japão, como democracias liberais e com base no mercado, têm interesses estratégicos em comum”.

O Global Times, no entanto, argumentou que o acordo “fornece uma nova alavanca para os [Estados Unidos] EUA dividirem a Ásia” e que o Japão e a Austrália “estão imprudentemente a dar o primeiro passo para criar uma cooperação de defesa profunda que visa um terceiro”.

O jornal estatal indicou que Pequim “dificilmente permanecerá indiferente aos movimentos dos EUA com o objetivo de incitar os países a se unirem contra a China a longo prazo” e que tomaria medidas. “Sugerimos que o Japão e a Austrália tenham contenção no caminho para formar uma aliança quase militar contra a China”, frisou.

“É melhor não criarem confrontos com a China sob influência dos EUA, ou seguir o passo dos EUA para forçar a Índia a conter a China. Certamente pagarão um preço correspondente se os interesses nacionais da China forem infringidos e a segurança ameaçada”, referiu ainda.

VOA / Wkimedia

O primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga

Espera-se que o acordo de acesso recíproco (RAA) abra caminho para uma maior cooperação de defesa e exercícios conjuntos entre o Japão e a Austrália – incluindo, potencialmente, no Mar do Sul da China. Quando finalizado e aprovado pelo parlamento japonês, será a primeira vez em seis décadas que Tóquio chegará a um acordo que permita a entrada de tropas estrangeiras no seu território.

O documento esclarecerá a situação jurídica das forças visitantes e abrangerá questões como a entrada e a saída, as taxas e os impostos alfandegários e a jurisdição criminal. Ainda não ficou claro se as tropas australianas enfrentarão a pena de morte se forem condenadas por crimes graves enquanto estiverem no Japão, país que mantém essa medida para homicídios múltiplos ou único agravado. A Austrália opõe-se à pena de morte.

A Austrália e o Japão concordaram com um mecanismo para resolver caso a caso, informou a ABC. O Guardian Australia adiantou que o mecanismo garante o respeito pelas obrigações legais internacionais de ambos os lados, mas os detalhes só serão divulgados após a finalização do texto.

A presidente do Conselho de Legislação da Austrália, Pauline Wright, disse estar “preocupada com a ideia de que serão tratados caso a caso”. “O que o povo australiano espera é que todas as nossas tropas estejam protegidas – não importa o que aconteça – da pena de morte como potencial punição”, declarou.

“A Austrália há muito que se opõe à pena de morte e, na maioria dos nossos acordos com governos internacionais, garantimos que não pode seja imposta a australianos no estrangeiro, em qualquer condição, e queremos que a mesma medida se aplique às nossas tropas que servem no exterior”, acrescentou.

O tesoureiro, Josh Frydenberg, apelou na quarta-feira para que o governo chinês concorde com um “diálogo respeitoso e mutuamente benéfico”. À Sky News, disse que “a bola está muito nas mãos da China” em termos de resposta ao pedido de negociações.

Na terça-feira, o Ministério das Relações Externas da China rejeitou essa visão, sublinhando que a responsabilidade pelo rompimento nas relações “não está com a China” e que cabia à Austrália tomar medidas para aumentar a confiança mútua.

Zhao Lijian, o porta-voz do Ministério das Relações Externas, reiterou que algumas pessoas na Austrália, com “mentalidade da Guerra Fria e preconceito ideológico”, tomaram “uma série de medidas erradas em relação à China”.

O responsável apontou os comentários do governo australiano sobre Hong Kong, Xinjiang e Taiwan, as primeiras medidas para banir a empresa de telecomunicações chinesa Huawei da rede 5G, as suas acusações contra a China de interferência estrangeira na Austrália e o seu apelo público para uma investigação global sobre a origem da covid-19.

O governo de Morrison disse repetidamente que “permanecerá firme” na proteção dos interesses nacionais da Austrália e na defesa dos seus valores.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

NASA escolheu SpaceX de Elon Musk para a próxima missão tripulada à Lua

Elon Musk fecha contrato de 2,9 mil milhões de dólares para levar o Homem novamente à Lua. O contrato é a mais importante vitória da SpaceX e reforça a posição da empresa como parceira …

Benfica 1-2 Gil Vicente | Galo canta e silencia águia na Luz

STOP. O Gil Vicente visitou na tarde deste sábado o Benfica e saiu do palco da Luz com os três pontos na bagagem e a “cantar de galo”, ao vencer por 2-1, num duelo relativo …

"Longa vida à monarquia." Realeza britânica tende a viver mais três décadas do que a população geral

As diferenças na longevidade de alguns membros da família real em comparação com a população em geral são extremamente grandes, mas não incomuns. O príncipe Filipe, marido da rainha Isabel II e o consorte mais antigo …

Abominável (e falso) Homem das Neves. Líder russo usou Yeti para atrair turistas para a Sibéria

Um dos líderes regionais mais antigos de Vladimir Putin confessou ter encenado avistamentos falsos de Yetis numa tentativa de encorajar o turismo na Sibéria. Aman Tuleev, um dos líderes regionais de longa data do Presidente russo …

Irão já está a enriquecer urânio a 60%

O Irão avisou e já está a cumprir. Menos de uma semana depois de ter acusado Israel de um ataque contra a sua principal central nuclear, o país diz estar a enriquecer urânio com uma …

Salvini vai a julgamento em Itália por bloqueio de migrantes em navio

Matteo Salvini, líder do partido de extrema-direita italiano Liga, vai ser julgado por acusações de sequestro pela sua decisão de impedir o desembarque de 147 migrantes resgatados no Mediterrâneo pela Open Arms, em agosto de …

Maldivas ponderam oferecer vacinas aos turistas

As Maldivas estão a ponderar dar aos turistas a vacina contra covid-19 quando chegarem para férias, de modo a incentivar o turismo. As Maldivas estão prontas para enfrentar a concorrência acessa assim que o turismo reabrir …

SOS Racismo diz que SEF atentava contra direitos dos imigrantes e aplaude extinção

O Governo decidiu extinguir o SEF e substituí-lo pelo novo Serviço de Estrangeiros e Asilo, com diferentes moldes de funcionamento. A associação SOS Racismo congratulou-se este sábado com a extinção do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras …

Vem aí a Transporter, a van elétrica (e totalmente autónoma) para serviços de entregas

A Mobileye, uma subsidiária da Intel, fechou uma parceria com a startup Udelv para lançar um serviço de entregas em grande escala e com veículos totalmente autónomos já em 2023. A Mobileye, uma subsidiária da Intel …

Ensino à distância roubou a muitos universitários a licenciatura de que estavam à espera

A pandemia de covid-19 obrigou o ensino superior a reinventar-se e se alguns cursos conseguiram adotar o modelo online sem prejuízos, noutros casos o ensino a distância impediu aulas práticas, roubando aos estudantes a licenciatura …