China acusa o Japão de estar a preparar-se para a guerra

(dr) Hideyoshi / Deviant Art

"Blood Bath", por Hideyoshi

“Blood Bath”, por Hideyoshi

No âmbito do seu programa de defesa, o Japão pretende desenvolver novos mísseis para proteger as regiões mais distantes do país – incluindo as ilhas disputadas com a China.

Segundo a imprensa japonesa, o Japão pretende desenvolver novos mísseis terra-mar com alcance de cerca de 300 quilómetros – o suficiente para defender as ilhas Senkaku, disputadas com a China.

O programa prevê financiamento para esse fim já em 2017, e tais mísseis poderão ser instalados na ilha de Miyakojima e em outras ilhas do arquipélago Sakishima em 2023.

A notícia causou de imediato uma onda de críticas na imprensa chinesa, que interpreta os planos do Japão como preparativos para uma possível guerra ofensiva.

Alguns analistas chineses consideram que os novos mísseis japoneses podem na realidade vir a ser apontados contra as regiões costeiras da China.

Se o alcance dos mísseis japoneses for confirmado, isso pode significar que o Japão está pronto para um confronto sério.

Outros analistas salientam que estes mísseis ultrapassam mesmo os russos S-300 em termos de alcance.

Será que as ilhas disputadas no oceano Pacífico se tornarão locais de conflito armado entre o Japão e a China?

Vladislav Shurygin, um especialista em política militar ouvido pela agência russa Sputnik News,  considera que na verdade o Japão não tem interesse em travar uma guerra contra a China.

“Em primeiro lugar, os dois países estão economicamente interligados. Um conflito iria ter consequências muito graves para a economia japonesa, que tem enfrentado dificuldades ao longo dos últimos dez anos, e para a qual para já não se vê saída”, diz Shurygin.

“Se analisarmos o sector de energia, o Japão ainda não se recuperou das consequências do tsunami e do acidente de Fukushima, e precisa de anos de tranquilidade para se recuperar”, acrescenta o especialista.

“Em segundo lugar, as forças de autodefesa japonesas não têm um potencial ofensivo que permita ao Japão ser adversário da China”, acrescenta o especialista.

“A Marinha japonesa, apesar de ser moderna e numerosa, não possui nem tropas para-quedistas, nem força de ataque que lhe permita defender estas ilhas”, salienta.

“A China, por outro lado, já há muito tempo que traçou como prioridade tornar-se líder do Círculo Pacífico e de concorrer com o seu antigo adversário político na região – Japão”, diz Vladislav Shurygin.

Mas a China compreende perfeitamente que atrás do Japão, estão os EUA com seu exército poderoso e interesse no Círculo Pacífico. Em termos militares, é um rival muito mais sério do que o Japão”, conclui.

No início de agosto, os EUA enviaram um esquadrão de bombardeiros estratégicos B-1B Lancer para a sua base de Guam, alegadamente ddevido aos testes nucleares realizados pela Coreia do Norte.

Mas será que isso pode ser uma alerta para a China?

ZAP / SN

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Estar se preparando para um confronto não significa estar se preparando para uma guerra. Qual é a fonte da China que dá essa informação específica?

RESPONDER

Turista danifica escultura do século XIX enquanto posa para fotografia (e é apanhado pelas câmaras de vigilância)

A polícia italiana identificou um austríaco de 50 anos que danificou uma estátua do século XIX num museu em Itália, enquanto posava para uma fotografia. O incidente ocorreu no passado dia 31 de junho, segundo …

Covid-19: Brasil supera as 100.000 mortes

O Brasil ultrapassou hoje a barreira das 100.000 mortes associadas à covid-19, quase cinco meses depois da confirmação do primeiro óbito no país, indicam dados oficiais divulgados pelas secretarias regionais de Saúde. Segundo os mais recentes …

As vacas leiteiras têm relações complexas (que se alteram quando mudam de grupo)

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Chile e dos Estados Unidos concluiu que as vacas leiteiras vivem em redes sociais complexas que se alteram quando estes animais são movidos para outros grupos.  Para …

Virgin Galactic quer desenvolver avião comercial supersónico (que promete superar a velocidade do som)

A Virgin Galactic vai aliar-se à Rolls-Royce para criar um avião comercial supersónico, ainda mais rápido do que o mítico Concorde. A empresa de turismo espacial Virgin Galactic anunciou uma parceria com a Rolls-Royce para desenvolver …

PayPal resiste à pandemia. Volume de pagamentos cresce 30% no segundo trimestre

O volume de pagamentos através do PayPal cresceu 30% no segundo trimestre. A empresa parece resistir à pandemia de covid-19, que abalou o setor das viagens, cujos pagamentos estão muitas vezes associados a meios eletrónicos. …

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de beberem desinfetante para as mãos

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de ingerirem desinfetante para as mãos à base de álcool, revelou um relatório do Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) do país esta quarta-feira publicado. De …

Jim Hackett deixa a Ford após três anos de liderança

Ao fim de três anos como CEO da Ford, Jim Hackett será substituído por Jim Farley. Um mandato que fica marcado por problemas financeiros, de produção e pela morte dos três volumes e utilitários. O mandato …

Covid-19: Portugal tem mais 186 casos e quatro pessoas morreram desde sexta-feira

Portugal regista hoje mais quatro mortos e 186 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sexta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o relatório da DGS sobre a situação …

Versão americana da Eurovisão chega em 2021

O Festival Eurovisão da Canção — o maior espetáculo de entretenimento televisivo do mundo — vai chegar aos Estados Unidos no final do próximo ano. A novidade foi divulgada, esta sexta-feira (7), em comunicado oficial. A …

Contratações na TVI após apoios financeiros "suscitam preocupação"

O professor universitário e ex-ministro Miguel Poiares Maduro manifestou "preocupação" relativamente às contratações na TVI, da Media Capital, grupo que beneficia do apoio do Estado, através da compra antecipada de publicidade institucional. Em entrevista à Lusa, …