Chegou o momento de salvar o planeta

Barack Obama / Flickr

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama

O Presidente norte-americano, Barack Obama, apelou em Paris a todos os líderes mundiais para “estarem à altura” dos desafios colocados pelas alterações climáticas, reforçando que chegou o momento da comunidade internacional decidir salvar o planeta.

O líder norte-americano discursava na 21ª Conferência Internacional do Clima (COP21), organizada sob a égide das Nações Unidas, que começou esta segunda-feira em Bourget, no norte de Paris.

“Temos o poder de determinar o nosso futuro aqui e agora, mas só se mostrarmos que estamos a altura do desafio”, defendeu o chefe de Estado norte-americano, dirigindo-se aos cerca de 150 governantes reunidos em Bourget.

O líder dos EUA, a primeira economia mundial e o segundo emissor mundial de gases de efeito de estufa (depois da China), reconheceu a influência do seu país no aquecimento global e assumiu “a responsabilidade de fazer algo” para contrariar tal cenário.

Na intervenção, Obama rejeitou fortemente o argumento de que a luta contra as alterações climáticas será uma má notícia para a economia.

“Provámos que não há mais conflito entre um crescimento económico forte e a proteção ambiental”, referiu.

“Acredito nas palavras de Martin Luther King Jr de que não existe tal coisa de ser tarde demais”, disse Obama, advertindo, no entanto, que quando o assunto são as alterações climáticas “esse momento está quase a chegar”.

Para Obama, se os líderes internacionais “agirem aqui e agiram agora” não será tarde demais, frisando que as decisões agora tomadas terão repercussões nas próximas gerações, o que irá representar “uma recompensa gratificante”.

Os Estados Unidos assumiram o compromisso de reduzir entre 26 a 28% as suas emissões de gases de efeito de estufa até 2025, em comparação a 2005.

Putin pede um acordo vinculativo que continue Quioto

O Presidente russo, Vladimir Putin, transmitiu a sua disponibilidade para chegar a um acordo que limite a subida da temperatura média global, que seja a continuação do protocolo de Quioto e que seja “juridicamente vinculativo”.

Durante o seu discurso na abertura da COP21, Vladimir Putin insistiu que devem ser respeitados os princípios acordados nas anteriores cimeiras do clima e defendeu “um acordo juridicamente vinculativo mas que permita o desenvolvimento económico“.

“Graças aos nossos esforços coletivos, acredito que chegaremos a um novo acordo que venha na continuação do protocolo de Quioto”, referiu.

Salientou que a Rússia foi “um dos primeiros países do mundo” a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa através de programas de eficiência energética e de conservação do ambiente.

Segundo números russos, a redução de emissões atingiu 70% entre 1990 e 2013, período em que o Produto Interno Bruto (PIB) da Rússia duplicou.

Devido a estes esforços, a Rússia evitou a emissão de 40 mil toneladas de dióxido de carbono e isso significa atrasar “um ano” o aquecimento global.

“É a prova de que podemos prestar atenção ao nosso crescimento económico e preocuparmo-nos com o ambiente”, realçou Putin.

A COP21, que vai decorrer até 11 de dezembro, tem como objetivo conseguir um acordo internacional sobre a redução de emissões de gases com efeito de estufa, responsáveis pelo aquecimento global e pelas suas consequências catastróficas, nomeadamente o aumento do nível do mar.

Limitar o aquecimento global a 2ºC até ao final do século, por referência ao período anterior à Revolução Industrial, é a grande meta e, para muitos, a única forma de evitar os piores efeitos das mudanças climáticas.

A conferência reúne em Paris representantes de 195 países – até agora, mais de 170 países já apresentaram os seus contributos para a redução de emissões, mas ainda insuficientes para alcançar a meta proposta.

Entre os assuntos pendentes estão a aceitação de um mecanismo de revisão periódica das contribuições nacionais e a existência de um só sistema, sem divisões entre países desenvolvidos e em desenvolvimento, mas com flexibilidade no tratamento, tema que, juntamente com a responsabilização dos países maiores emissores, serão aspetos mais difíceis de resolver.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Vai ser possível ver auroras boreais a partir de um balão de ar quente

A agência Off The Map Travel vai lançar em dezembro de 2020 o primeiro balão de ar quente. O objetivo é levá-lo a ver auroras boreais do céu. As auroras boreais são já um verdadeiro espetáculo …

Nova tecnologia militar aquece as mãos em temperaturas negativas sem luvas

Cientistas do exército norte-americano criaram uma tecnologia capaz de aquecer as mãos dos soldados em baixas temperaturas sem serem necessárias luvas. Se completar uma tarefa do dia-a-dia com luvas pode revelar-se complicado, imagine-se tentar recarregar uma …

Os animais começaram a fazer sons para poderem conversar no escuro

O reino animal está cheio de diferentes vocalizações. A produção sonora apareceu há entre 100 milhões e 200 milhões de anos e a sua origem está fortemente ligada à vida no escuro. Os vertebrados são animais …

O novo líder do CDS reclama uma nova direita (e quer um partido "sexy")

Francisco Rodrigues dos Santos sagrou-se este domingo o 10º presidente do CDS, reclamando no seu discurso de vitória a herança de todos os seus antecessores, desde o fundador, Freitas do Amaral, a Assunção Cristas. O tom …

Paços 0 - 2 Benfica | “Águia” não vacila e passa pressão

O Benfica foi a Paços de Ferreira vencer por 2-0, colocando pressão sobre o FC Porto, segundo classificado, que na próxima terça-feira recebe o Gil Vicente. A formação “encarnada” foi superior na maioria dos principais momentos …

Governo reabre processo para corrigir mapa das freguesias

O Governo reabriu o processo para a correção ao mapa de freguesias, num compromisso com as associações de municípios e de freguesias, anunciou o secretário de Estado da Descentralização e Administração Local, Jorge Botelho. “Iremos retomar …

Google cria modelo de cérebro mais detalhado (e com maior resolução) de sempre

A recriação 3D do cérebro de uma mosca da fruta - que mostra 20 milhões de sinapses e 25 mil neurónios - é a que tem a maior resolução até ao momento. Uma equipa de …

Morreu Kobe Bryant, uma das maiores estrelas de sempre da NBA

Kobe Bryant, um dos maiores basquetebolistas de sempre, morreu na manhã deste domingo em Calabasas, Califórnia, num desastre de helicóptero. De acordo com a TMZ, Bryant viajava com, pelo menos, três outras pessoas num helicóptero privado, …

Há seis queixas de violência policial por semana

Em Portugal, são apresentadas em média seis queixas semanais por violência policial, escreve o semanário Expresso na sua edição deste fim-de-semana, citando os dados mais recentes da Procuradoria-Geral da República. De acordo com os números, relativos …

CRISPR tornou galinhas resistentes a um vírus comum

A técnica de edição genética CRISPR tem sido usada para tornar as galinhas resistentes a um vírus comum, uma abordagem que poderia aumentar a produção de ovos e de carne em todo o mundo. Mesmo quando …