Centro de Dança do Porto dá bolsas a rapazes para incentivar bailarinos

Centro de Dança do Porto / Facebook

-

O Centro de Dança do Porto (CDP) criou uma bolsa de mensalidade zero para incentivar rapazes a aprender ballet e atualmente acolhe 22 bailarinos, a maior parte dos quais selecionados em escolas básicas do concelho.

Eles apreciam, depois de começar desistem menos do que as meninas, são mais persistentes, falam em seguir carreira, já não são alvo de grandes preconceitos. Mas precisam do estímulo, admite a diretora, Teresa Vieira. Mesmo com um projeto desenvolvido em colaboração com a Câmara do Porto, os 22 rapazes do CDP são uma gota num oceano de quase 350 alunas.

“Aqui liberto as minhas energias, parece que estou livre. Danço, não estou com livros e cadernos e essas preocupações todas. Aqui só tenho preocupações pequeninas: dançar, mais nada“, explica Guilherme Catita, de dez anos.

Aluno do CDP há dois anos e meio, o menino tem já uma postura irrepreensível – as tais “costas direitíssimas, ombros para trás, pescoço comprido”, que a professora Ágata repete vezes sem conta durante a aula e quase serve de ritmo ao esforço dos rapazes. Ser bailarino é uma das possibilidades que Guilherme equaciona: “Sim, se calhar sigo essa carreira. Tenho outras hipóteses: gostava também de ser biólogo ou cineasta”.

Ainda ofegante por causa de uma aula onde lhe foram pedidas muitas “perninhas de rã”, Diogo Lopes, de 7 anos, está mais cheio de certezas: gosta das aulas e quer ser bailarino “mesmo a sério” porque gosta “muito de dançar”.

“Há oito anos que colaboramos com a Câmara no projeto Porto Criança. São oferecidas atividades nas escolas oficiais e uma delas é o ballet. Procuramos incentivar os meninos. Ainda há um estigma muito grande relativamente ao ballet para meninos”, sublinha a diretora da instituição que este ano celebra o 20º aniversário.

Apesar das dificuldades em cativar os rapazes para a dança clássica, as opiniões menos favoráveis à prática masculina parecem estar dissipadas.

“Fala-se por falar. Já não é aquele preconceito de que é só para as meninas. Ele está bem, na escola não sentiu diferença com os colegas, nunca disse que lhe disseram ‘então és bailarino?’. Pelo contrário, está a conversar com os amigos e a mostrar o que faz”, descreve Manuela Cardoso, mãe do Xavier Monteiro, de oito anos.

Desde outubro que o rapaz aprende ballet devido a uma bolsa. “Nunca teria dinheiro para pagar. Foi uma coisa boa”, explica a mãe.

As mensalidades variam entre os 35 euros de uma aula por semana no nível mais básico e os 87,50 euros para os estudantes “avançados do grupo II”, esclarece Teresa Vieira. “A bolsa é a mensalidade no total e não há nenhum rapaz que não tenha. Um ou dois vieram por eles. Os outros foram selecionados no projeto da Câmara”, acrescenta.

A escolha foi feita “nas escolas oficiais”, após nove meses de aulas para analisar “as capacidades físicas” dos rapazes, “a forma como enfrentam os desafios” e os “níveis expressivos e musicais”, descreve. Os bailarinos estão divididos em três turmas só de rapazes: os mais pequenos têm entre seis e sete anos, os “médios”, entre nove e 12, os mais velhos entre 16 e 26, explica a responsável.

No ano letivo de 2012-2013 foram atribuídas 15 novas bolsas pelo Centro de Dança do Porto “e os meninos mantiveram-se” congratula-se a diretora.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cofre de antigo caçador de vampiros vai a leilão no Reino Unido. Está repleto de objetos

O cofre de um caçador de vampiros do século XIX vai ser leiloado em Dervyshire, no Reino Unido, informou a leiloeira Hansons. Em causa está uma caixa antiga, forrada a seda vermelha e decorada com …

Bombeiro morre no combate a um incêndio na Serra da Lousã

Um bombeiro morreu este sábado durante o combate a um incêndio na Serra da Lousã, disse à agência Lusa o presidente da Câmara da Lousã, Luís Antunes. O autarca desconhece as circunstâncias em que ocorreu a …

Cientistas descobrem os defeitos dentários que apodrecem os dentes

Os resultados deste novo estudo contribuem para o desenvolvimento de novos tratamentos para as cáries dentárias. Os investigadores capturaram o esmalte num detalhe sem precedentes. Uma equipa de investigadores está muito perto de descobrir aquilo que …

Balões da Google já "espalham" Internet nas vilas remotas do Quénia

Em 2013, surgiu a ideia de enviar balões para o Espaço próximo para conectar pessoas em locais do mundo sem Internet. A ideia, que parecia uma loucura, já é realidade. Depois de uma longa série de …

Descoberta nova espécie de dinossauro carnívoro em Portugal

Um novo género e espécie de dinossauro carnívoro terópode, cujos fósseis foram escavados em arribas dos concelhos de Torres Vedras e da Lourinhã, foi agora descrito na revista internacional "Journal of Vertebrate Paleontology" por paleontólogos …

The Crown. Afinal, vem aí uma sexta temporada

Peter Morgan, criador, produtor e argumentista de The Crown, anunciou esta quinta-feira (9), através do Twitter da plataforma de streaming Netflix, que a série britânica terá uma sexta temporada. “Quando começamos a discutir as histórias da …

Observatório Gaia revoluciona o rastreamento de asteroides

O observatório espacial Gaia da ESA é uma missão ambiciosa que tem o objetivo de construir um mapa tridimensional da nossa Galáxia, fazendo medições de alta precisão de mais de mil milhões de estrelas. No entanto, …

Tempestades de relâmpagos mataram 147 pessoas na Índia em apenas 10 dias

Tempestades de relâmpagos mataram 147 pessoas no estado de Bihar, no norte da Índia, no espaço de dez dias, noticia a AFP, que escreve que os números podem aumentar nos próximos tempos devido às alterações …

Investigação portuguesa descobriu 14 espécies marinhas com potencial para produção de antibióticos

Uma investigação conjunta da Universidade de Aveiro e da Universidade Católica descobriu 14 novas espécies e um género de fungos marinhos, com potencial para produção de antibióticos, revelou esta segunda-feira fonte académica. "Neste momento, estão a …

Impossíveis de cumprir. Directores preocupados com novas regras para as escolas

As orientações da Direcção Geral de Saúde (DGS) para as escolas com vista ao regresso das aulas presenciais, em Setembro, estão a preocupar os directores dos estabelecimentos de ensino. Isto porque as consideram impossíveis de …