“Uma decisão de vida”. Moedas apresentou candidatura à Câmara de Lisboa

Manuel de Almeida / Lusa

O ex-comissário europeu Carlos Moedas, durante a declaração da sua candidatura à presidência da Câmara de Lisboa

O ex-comissário europeu apresentou, esta quinta-feira, a sua candidatura à presidência da Câmara Municipal de Lisboa, no Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa.

Falando no átrio do Pavilhão Central do Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa, para onde foi estudar quando deixou Beja, tendo por trás um fundo azul com o slogan “Novos Tempos”, Carlos Moedas começou a sua declaração dizendo encarar este desafio “com alegria, humildade e grande sentido de responsabilidade”.

O ex-comissário europeu, que tem já o apoio formal do PSD, afirmou que esta foi uma “decisão de vida” que tem “tanto de emocional como de racional”.

“Foi um processo, foi uma decisão de vida. Refletida e pensada, mas também, confesso, querida e desejada. E que por isso mesmo tem tanto de emocional como de racional”, afirmou.

O candidato falou mesmo num “chamamento para um momento em que não podia dizer que não”, recordando que se vivem tempos “difíceis”, de “incerteza” e de “instabilidade”.

“Este momento não era o momento de dizer não. Era o momento de dizer sim à minha cidade”, cita o semanário Expresso. “A cidade precisa desta mudança. E eu achei que poderia incorporar esta mudança.”

O candidato disse ainda que se candidata a presidente da Câmara para mudar a cidade “com os lisboetas”. “Estou aqui para Lisboa. Estou aqui para os lisboetas, para com elas e com eles mudar Lisboa”, declarou Moedas, propondo “novos tempos” para a cidade.

Lançando críticas ao atual autarca, o socialista Fernando Medina, o ex-comissário europeu defendeu que a governação na cidade não se pode limitar à aposta no turismo e nas feiras internacionais.

“Lisboa posicionou-se num circuito das feiras internacionais, do turismo e eu diria muito bem ao turismo, às feiras internacionais, mas não chega. O turismo e as feiras internacionais são condição necessária, mas não são condição suficiente“, disse Moedas, citado pelo jornal online ECO.

O candidato do PSD alertou para a necessidade de “não nos concentrarmos apenas em atrair, mas em construir. Em construir aquilo que é a inovação, construir o talento, ter o futuro à nossa frente na criação desse talento. Não apenas atrai-lo e é isso que Lisboa tem de fazer”, acrescentou.

Segundo o semanário, Moedas apontou como problemas da cidade a que se tem de dar resposta, entre outros, o trânsito, a sujidade, a saúde, a pobreza e os sem-abrigo.

Moedas quer congregar centro-direita

“Espero que a minha candidatura seja uma candidatura com o apoio de um leque alargado de partidos e sobretudo da sociedade civil“, disse, tendo agradecido ao PSD e ao seu líder, Rui Rio, pelo “apoio incondicional”, ao CDS “pelo apoio desde a primeira hora” e também ao Iniciativa Liberal, com quem já “encetou o diálogo”.

O candidato referiu ainda que o PPM, o MPT e o Aliança já lhe transmitiram apoio e salientou que pretende que outras forças se juntem.

Quero que outros se juntem. Sobretudo independentes vindos da sociedade civil, desencantados ou desinteressados da política ou simplesmente cansados desta governação socialista”, disse.

Depois da apresentação da candidatura, ficou claro que o Chega foi colocado de parte desta coligação de direita. Aos olhos do líder do partido, André Ventura, esta “é a confirmação de que o Chega é o único partido anti-sistema e o partido que a falsa direita quer isolar“.

“É o que dá ser o único partido verdadeiramente contra a corrupção, o clientelismo e os interesses instalados do sistema”, disse ao jornal online Observador, acrescentando que vê esta exclusão como uma “medalha de honra”.

“Essa cerca que querem impor será mais facilmente derrubada do que um castelo de cartas, porque no final não serão acordos de secretaria a decidir, mas sim o voto popular”, disse ainda Ventura, atirando que, no final do dia, “virão, como sempre, implorar por acordos”.

Moedas falou com Marcelo, mas não com Passos

Segundo a edição desta sexta-feira do semanário Expresso, Carlos Moedas consultou o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o antigo líder do CDS, Paulo Portas, sobre esta sua candidatura.

O jornal já tinha noticiado que o chefe de Estado não foi entusiasta no seu incentivo, tendo lembrado o ex-comissário que a candidatura significava perder a Gulbenkian e ainda entrar em eventual choque com Pedro Passos Coelho, cujo regresso ganharia força se as autárquicas correrem mal a Rio.

Segundo o Expresso, o Presidente percebeu ainda que o ex-comissário europeu tem a ambição de ser líder do PSD. O próprio Rio disse publicamente que o candidato pode ter um grande futuro pela frente.

Questionado sobre as suas ambições políticas no PSD, esta quinta-feira, Moedas assegurou que o seu “projeto de vida é ser presidente da Câmara de Lisboa”, considerando que existe “uma oportunidade” de construir uma alternativa na capital. “Este é o meu sonho, não tenho outro”, assegurou.

“Estou aqui para ser presidente da Câmara Municipal de Lisboa, deixei a minha vida toda para me concentrar neste projeto, neste objetivo, e os que me conhecem sabem que, em todos os mandatos políticos em que me concentrei foi para levá-los até ao fim”, disse.

Questionado se, em caso de derrota, assumirá o cargo de vereador respondeu afirmativamente, embora não querendo colocar esse cenário. “Estou aqui para ganhar e a convicção que tenho é que vamos conseguir ganhar, porque vamos aglomerar muita gente. (…) Sim, assumirei se esse for o caso, que não será”, disse.

Porém, sabe o semanário, Moedas não informou o ex-líder do PSD, Passos Coelho, só o tendo contactado um dia depois de o seu nome ter sido anunciado como candidato à capital. A relação entre ambos terá esfriado nos últimos anos, acrescenta-se.

Sobre estas conversas, o candidato limitou-se a dizer, esta quinta-feira: “Não falo sobre conversas privadas, que tive ou que não tive”.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Direção do CDS desautoriza Telmo Correia e defende eleições "o mais brevemente possível"

A direção do CDS-PP não gostou de ouvir o líder parlamentar dizer que a melhor altura para realizar eleições legislativas seria no final de janeiro ou fevereiro. Depois de uma reunião com o presidente da Assembleia …

Órban e Le Pen apoiam a Polónia e criticam "imperialismo" da UE

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Órban, e a líder da União Nacional (RN, na sigla em francês), Marine Le Pen, manifestaram esta terça-feira apoio à Polónia no conflito que mantém com a UE, a qual acusam …

Após goleada frente ao Bodø/Glimt, Mourinho põe de lado quatro jogadores

Em duas convocatórias consecutivas, José Mourinho deixou de fora quatro futebolistas que participaram na derrota por 6-1 frente ao Bodø/Glimt. Naquela que foi a maior derrota de sempre da carreira de José Mourinho, o Tottenham perdeu …

O que cai e o que fica: as medidas que o chumbo do OE deita por terra e as que permanecem

O grosso das medidas previstas na proposta de Orçamento do Estado para 2022 não deverá sair do papel. As aprovadas em Conselho de Ministros, por sua vez, manter-se-ão viáveis, já foram discutidas fora da sede …

Truque permite que o Orçamento não seja votado esta quarta-feira

Há um mecanismo que, se for acionado, permite que o Orçamento do Estado para 2022 sobreviva mesmo que não seja votado. O Orçamento do Estado para 2022 pode baixar à comissão sem votação. Este mecanismo, nunca …

Conceição reconhece supremacia do Santa Clara e admite culpa na derrota

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, reconheceu que o Santa Clara foi superior e diz-se culpado pela derrota pesada que deixa o clube fora da Taça da Liga. O FC Porto está fora da Taça …

"Vechtpartij", quadro de Jan Steen.

Antigos jogos de bebida acabavam em vinho derramado e esfaqueamentos

Hoje vistos como jogos de diversão para jovens, na antiguidade, os drinking games (jogos de bebida) eram comuns em toda a sociedade — e, por vezes, terminavam mal. O kottabos era um antigo jogo de bebida …

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, conversa com o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues

Marcelo pediu e Ferro esteve atento. Esquerda prefere um novo OE e Presidente tem um dilema em mãos

Marcelo Rebelo de Sousa pediu ao presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, para ir acompanhando e informando o chefe de Estado sobre a situação no Parlamento, face a um eventual chumbo do OE2022. …

Com novo Orçamento pendurado, Portugal pode ficar meio ano em duodécimos

António Costa diz que não se demite, nem com o chumbo do Orçamento, e admitiu governar o país em duodécimos até junho. Face a um eventual chumbo do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), avizinha-se um …

O óvulo humano é 10 milhões de vezes maior que o espermatozoide. Agora, já sabemos porquê

A evolução levou a que a maioria das espécies deixassem de ser isogâmicas — com gametas semelhantes entre os dois sexos — e passassem a ser heterogâmicas, o que ajuda a explicar a diferença nos …