Cancro do colo do útero pode ser extinto até 2100

Todos os anos, o cancro do colo do útero é a causa de morte de mais de 300 mil mulheres em todo o mundo – mas pode ser extinto até 2100.

No ano passado, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) sublinhou que é necessária uma maior atenção para a eliminação da doença. Agora, um estudo publicado na revista científica Lancet Oncology mostra que o problema pode mesmo ser erradicado até ao ano 2100 com o aumento da aplicação de vacinas.

Aliás, de acordo com o jornal The Guardian, a Austrália pode ser o primeiro país a ver este tipo de cancro extinto, já em 2035, com taxas anuais abaixo dos quatro casos por cem mil mulheres, nos próximos anos.

Mas tudo depende da vacinação, alertam os especialistas. “Dependerá da sustentação das taxas de participação nos programas de vacinação contra o HPV e das iniciativas de rastreio do colo do útero, a nível local”, explicou a coordenadora da investigação, Karen Canfell, do Conselho de Prevenção para o Cancro do País de Gales.

A vacina HPV (do vírus do papiloma humano), que protege contra o vírus que está na origem da maioria dos casos de cancro do colo do útero, já conseguiu reduzir algumas estatísticas ao longo dos anos.

Se o programa de vacinação for seguido, a doença pode deixar de existir dentro de 81 anos – mas apenas em alguns países. Os mais desenvolvidos conseguiriam ver eliminada a doença até ao final do século, enquanto aqueles menos desenvolvidos ainda teriam entre quatro e 14 casos por cem mil. Países como Inglaterra, Finlândia, EUA e Canadá, por exemplo, conseguiriam a extinção do problema entre 2055 e 2059.

Apesar das estimativas da investigação, o desafio pode ser mais difícil do que se imagina, recorda o Diário de Notícias. As campanhas dos programas de vacinação contra o HPV têm sido bem recebidas na generalidade dos países da Europa, mas não são bem-vindas em muitas outras zonas do mundo.

Na Dinamarca e na Irlanda as taxas de vacinação sofreram um decréscimo acentuado depois da publicação de documentários que davam a conhecer casos de raparigas que terão adoecido após a vacina, causando fadiga crónica e dores intensas. Mais tarde, uma investigação da Agência Europeia de Medicamentos revelou que as vacinas não eram responsáveis por estes sintomas específicos.

Também no Japão, a decisão de suspender a recomendação da vacinação contra este vírus levou a uma queda drástica na taxa de aceitação, descendo de mais de 75% para menos de 1%, de acordo com os dados do projeto The Vaccine Confidence, da escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres.

A diretora da iniciativa, Heidi Larson, admitiu que há um longo caminho a percorrer na consciencialização para estes programas, uma vez que sempre que os pais procuram mais informação sobre a vacina, deparam-se com histórias negativas. “É um desafio. É preciso muito trabalho e muito envolvimento. No entanto, é uma das melhores vacinas que temos”, disse.

A cientista Karen Canfell assegura que a vacina contra o HPV foi várias vezes confirmada pelo Comité Global sobre Segurança das Vacinas. Em 2017, foram administradas “mais de 270 milhões de doses de vacinas” contra este vírus. Em Portugal, a vacina contra o HPV arrancou em outubro de 2008, incluída no Programa Nacional de Vacinação.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Ninguém quer trabalhar" na Casa Pia. Pais em protesto devido à falta de pessoal

Os pais e encarregados de educação do Centro Educativo e Desenvolvimento D. Maria Pia, em Lisboa, vão entregar na segunda-feira um abaixo-assinado à tutela para pedir a abertura de concursos externos para reforço de pessoal …

Trump elogiou Erdogan, depois de uma reunião que descreveu como "maravilhosa e produtiva"

O Presidente norte-americano, Donald Trump, elogiou na quarta-feira o seu relacionamento com o homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan. Os dois líderes encontraram-se para tentar superar várias diferenças, incluindo a situação na Síria e a compra …

MH17. Novas provas revelam contactos frequentes entre a Rússia e separatistas ucranianos

A equipa internacional que conduziu a investigação sobre a queda do voo MH17 em 2014 no leste da Ucrânia divulgou novas provas que apontam para contactos muito frequentes entre a Rússia e os rebeldes separatistas …

Imunidade diplomática deixa em liberdade suspeito de tentar matar com ácido sulfúrico

O suspeito de homicídio, na forma tentada, ficou em liberdade depois de ter apresentado o passaporte diplomático às autoridades, que impede que seja detido ou constituído arguido. De acordo com a TVI24, um alto responsável da …

Zivkovic quer rescindir contrato com o Benfica

O extremo sérvio quer chegar a acordo com o Benfica para ficar livre a ano e meio do final do seu contrato mas, pelos vistos, a SAD encarnada nem quer ouvir falar dessa hipótese. De acordo …

Cigarros eletrónicos. Primeiro duplo transplante de pulmões feito em jovem de 17 anos em situação de "morte iminente"

Em risco de "morte iminente" por lesões causadas pelo uso de cigarros eletrónicos, um jovem de 17 anos foi submetido a um duplo transplante de pulmões, no estado norte-americano do Michigan. Este caso é considerado …

Parlamento Europeu levanta imunidade do eurodeputado José Manuel Fernandes

O Parlamento Europeu decidiu levantar a imunidade ao eurodeputado do PSD José Manuel Fernandes, após um pedido feito pela justiça e pelo próprio, relativo a uma eventual ação judicial por um alegado crime de prevaricação. Em …

"Agiu de forma premeditada". Mãe que deixou bebé no lixo vai continuar presa

O Supremo Tribunal de Justiça rejeitou esta quinta-feira o pedido de habeas corpus para a libertação da jovem de 22 anos que terá deixado o seu filho recém-nascido num caixote do lixo em Lisboa. A …

Mau tempo nas próximas 48h. Proteção Civil alerta para cheias e quedas de árvores

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil alertou para a possibilidade de lençóis de água e de gelo nas estradas, cheias rápidas e queda de árvores, devido ao mau tempo nas próximas 48 horas …

Bolsonaro terá recusado descendente de D. Pedro para vice por desconfiar que ele era gay

O deputado Luiz Philippe de Orléans e Bragança, conhecido por "príncipe" por ser descendente de D. Pedro, herdeiro da família imperial do Brasil, não é vice-presidente de Jair Bolsonaro por causa da sua sexualidade. Esta é …