Câmara e “O Século” disputam marca “Feira Popular de Lisboa”

A Câmara Municipal de Lisboa considerou este sábado que a designação Feira Popular de Lisboa, dada ao antigo parque de diversões, é propriedade dos cidadãos da cidade, após surgirem dúvidas sobre o seu uso, por estar registado pela Fundação “O Século”.

“A designação Feira Popular de Lisboa é uma designação de uso corrente e se proprietários houver são todos os cidadãos de Lisboa”, afirmou à agência Lusa fonte oficial da autarquia.

A reação surge depois de o Diário de Notícias ter avançado, este sábado, que a Câmara estava impedida de usar o nome Feira Popular de Lisboa por este ser propriedade da Fundação “O Século”, que geria o antigo parque de diversões da cidade.

Segundo o jornal, para que o município o possa fazer, terá de reclamar nos tribunais ou adquirir o registo da marca.

No ‘site’ do Instituto Nacional de Propriedade Industrial, o nome Feira Popular de Lisboa consta como um estabelecimento do jornal “O Século”.

Depois de o jornal ter fechado, foi criada a fundação para prosseguir a sua obra social, que se centra no apoio a crianças em risco, idosos e desfavorecidos.

O primeiro pedido de patente do nome Feira Popular de Lisboa foi feito pela fundação em dezembro de 1965 e foi renovado entretanto, estando válido até outubro de 2017.

A Feira Popular de Lisboa foi criada em 1943 para financiar férias de crianças carenciadas e, mais tarde, passou a financiar toda a ação social da fundação.

Antes de Entrecampos, onde fechou em 2003, a feira funcionou em Palhavã.

No final do ano passado, mais de 12 anos depois do encerramento, a autarquia anunciou que a Feira Popular (designação que tem vindo a ser usada) iria voltar, inserida num parque urbano de 20 hectares em Carnide.

Em declarações à Lusa, o presidente da Fundação “O Século”, Emanuel Martins, explicou que em causa não está só a utilização do nome.

O estabelecimento comercial é que é nossa propriedade. Quando se criar um estabelecimento com o mesmo nome, não pode pertencer a outra entidade que não seja a fundação”, vincou o responsável.

Ainda assim, “é uma matéria que podemos discutir para chegar a um entendimento”, referiu.

Apesar de admitir avançar para tribunal sobre a questão da propriedade, Emanuel Martins disse não ser o que mais o preocupa.

“Teremos de avançar é em relação ao processo de indemnização”, apontou.

Quando a Feira Popular fechou, em 2003, a autarquia acordou pagar à fundação uma indemnização anual de 2,6 milhões de euros, correspondente à média de lucros anuais do espaço, até ser construído um novo parque.

Porém, o pagamento deixou de ser feito em 2011.

Em 2012, a Câmara de Lisboa acordou com a Fundação “O Século” o pagamento de um milhão de euros (para compensação das verbas em atraso – 5,2 milhões de euros) e a cedência de um direito de superfície de um terreno para exploração de uma bomba de gasolina na Praça José Queirós.

O acordo previa também a revogação do protocolo de 2003.

De acordo com Emanuel Martins, a fundação apenas aceitou tais condições, que na sua ótica não compensam as anteriormente fixadas, para “não matar a instituição”.

Fomos coagidos a fazê-lo“, assegurou, falando em “má-fé” por parte da autarquia.

O responsável reivindica agora o pagamento dos 4,2 milhões de euros em indemnizações que ficaram por pagar, bem como a fixação de um novo valor.

Por seu turno, a autarquia entende que, “na sequência do acordo de 2012, nada mais há a pagar à fundação”.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Grupos secretos do Facebook prometem falsas curas para cancro e autismo

Uma investigação do Business Insider expôs casos de contas e grupos secretos no Facebook que passam publicitam "medicamentos" e "tratamentos" alternativos que custam milhares de dólares mas que, na verdade, não passam de fraudes. Segundo noticiou …

Ministério repudia agressões nas escolas e fala em casos "residuais"

O Ministério da Educação garante que as situações de violência grave nas escolas são “residuais” e que existe uma tendência de diminuição de casos, repudiando todas as agressões que considera "inaceitáveis seja quem for o …

Surto de anthrax pode ter matado mais de 100 elefantes no Botswana

Um surto de anthrax pode estar na origem da morte de mais de 100 elefantes no Botswana ao longo dos dois últimos meses. Fontes do Governo do Botswana adiantaram, citadas pela Reuters, que "as investigações preliminares …

Nove migrantes encontrados vivos em novo camião no Reino Unido

A polícia britânica encontrou um segundo camião onde viajavam nove migrantes, todos eles vivos. Ainda hoje foi encontrado um camião com 39 pessoas mortas. Horas depois de ter sido encontrado um camião com 39 pessoas mortas, …

Brexit. Primeiro-ministro da Irlanda apoia adiamento até 31 de janeiro

O primeiro-ministro da Irlanda, Leo Varadkar, defendeu esta quarta-feira uma prorrogação da data do 'Brexit' até 31 de janeiro, num telefonema com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, que já recomendou aos 27 que …

Matosinhos é a primeira cidade 5G em Portugal

A NOS cobriu totalmente Matosinhos com 5G, em parceria com a Huawei, tornando-a na primeira cidade de quinta geração móvel em Portugal, anunciou, esta quarta-feira, a operadora de telecomunicações. De acordo com a operadora, "a rede …

O Super Mundial de Clubes vem aí e o Barcelona pode ficar de fora

O Barcelona poderá ficar fora da próxima grande competição da FIFA: o Super Mundial de Clubes. Para inverter esta situação, os catalães terão de ganhar uma das próximas duas edições da Champions. O Conselho da FIFA …

Falência da Thomas Cook leva ao encerramento de empresas no Algarve

De acordo com a TSF, há empresas que não vão conseguir resistir ao colapso do grupo britânico Thomas Cook, que anunciou falência há cerca de um mês. Um mês depois de ter sido anunciada a falência …

Ex-ministro da Saúde questiona regulador no caso do bebé sem rosto em Setúbal

Adalberto Campos Fernandes diz que o caso do bebé com malformações graves dá motivos para questionar a utilidade da Entidade Reguladora da Saúde. Ordem dos Médicos está a agir "adequadamente". O antigo ministro da Saúde Adalberto …

Nuno Artur Silva vendeu participação nas Produções Fictícias ao sobrinho

Nuno Artur Silva, futuro secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media vendeu a sua participação na produtora de conteúdos Produções Fictícias. Desta forma, o indigitado secretário de Estado já não tem participações em empresas …