Tal como os cães, lobos bebés também brincam ao “busca” (e surpreendem os cientistas)

Brincar ao “busca” com o seu cão não é tão fácil como parece. É uma habilidade tão avançada que muitos cientistas acreditam que só terá aparecido após milhares de anos de domesticação.

No entanto, isto pode não ser verdade. Um novo estudo revela que alguns lobos-cinzentos, os antecessores dos cães, também conseguem brincar ao “busca”.

Segundo os cientistas, para jogar, os cães devem ter a perceção de que o dono quer a bola de volta e ser suficientemente sociais para querer brincar. Este novo estudo sugere que as raízes de muitas das características e comportamentos que vemos em animais dométicos, desde gatos a galinhas, podem estar presentes nos seus parentes selvagens.

Christina Hansen Wheat, ecologista comportamental, e Hans Temrim, etólogo, não se propuseram a ver se os lobos brincariam ao “busca”. Em vez disso, a dupla, sediada na Universidade de Estocolmo, queria aprender mais sobre a forma como os animais se socializam. Durante três anos, levaram três ninhadas de lobos cinzentos – 13 crias – de parques de animais na Europa para uma estação de campo arborizada a cerca de 100 quilómetros a sudoeste da universidade.

As crias tinham apenas dez dias de idade quando chegaram e os investigadores fizeram turnos para que tivessem 24 horas de contacto humano todos os dias. Os cientistas dormiam com as crias em sacos-cama e acordavam a cada três horas para alimentá-los com um biberão.

À medida que os lobos cresciam, os cientistas notaram que alguns iam buscar uma bola de ténis, se atirada numa sala. Intrigados, testaram todos os lobos. Quando as crias tinham oito semanas, Hansen Wheat levou cada um deles para uma sala grande com alguém que os animais não conheciam, que lhes atirou uma bola de ténis.

A maioria dos lobos ignorou a bola. Porém, duas crias – Lemmy e Elvis – devolveram a bola duas vezes, de acordo com o estudo publicado na semana passada na revista científica iScience. Um lobo chamado Sting devolveu a bola três vezes, ou seja, todas as vezes em que foi arremessada.

Apesar de admitir que o estudo é pequeno, Hansen Wheat disse que as descobertas suportam a ideia de que muitas das caraterísticas que associamos aos cães não surgiram durante o período de domesticação, estando presentes nos seus antecessores selvagens. Ao longo de milhares de gerações, os humanos intensificaram estas características.

Por outro lado, a brincadeira e outras caraterísticas podem ter atraído os humanos para os lobos. “Nós conectamo-nos com os nossos cães a brincar com eles”, disse. “Se os humanos antigos formaram uma conexão semelhante com alguns lobos, isso pode ter iniciado o caminho da domesticação.”

“É um estudo realmente inteligente – é uma loucura que ninguém tenha feito isto antes”, disse Evan MacLean, diretor do Centro de Cognição Canina do Arizona da Universidade do Arizona, citada pela Science.

Ainda assim, não é claro que os lobos estejam a brincar como os cães, o que pode atenuar o impacto das descobertas. “O que se vê aqui são dois comportamentos separados“, disse. “Um, que não é de surpreender, é que um predador persegue um objeto atirado na sala. E, se a cria apanhar a bola, volta – e é preciso muita persuasão do estranho”.

Ainda assim, MacLean concorda que este tipo de busca primitiva pode ter sido transformado pela domesticação no comportamento de pleno direito que vemos hoje em cães.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. O cérebro dos mamíferos (embora eu só conheça com nível científico o crescimento do cérebro humano) continuam a proliferar o número de neurónios depois do nascimento de modo a criar uma rede de neurónios e respectivas sinapses que execute condutas que lhe são solicitadas – permitam-me a metáfora – vão criando um hardware adequado ao programa de software que lhe é pedido… Assim, em contacto com os humanos, desenvolvem capacidade para executarem as atividades lúdicas para que os humanos os convidam… Masmo antes do desenvolvimento das neurociências nos permitirem compreender o mecanismo, já Desmond Morris nas suas obras de etologia/antropologia (mesmo logo n’«o macaco nú») descreve este fenómeno aprendixagem de condutas «humanas».

    • A avaliar pelo teu comentário, Ramiro… já há muito tempo que não convives com mamíferos o que implicou uma notável atrofia nessas ligações entre neurónios. Então Ramiro… achas mesmo que se escreve “aprendixagem”?! E a frase inicial “O cérebro dos mamíferos (embora eu só conheça com nível científico o crescimento do cérebro humano) continuam a proliferar…”… mas o que é isto Ramiro?!

Onda de pedras-pomes fez uma viagem pelo Pacífico (e traz nova vida à costa da Austrália)

Uma "onda" de pedras-pomes está a chegar à Austrália após uma longa viagem pelo Pacífico. As rochas vulcânicas produzidas na fase de ejeção dos gases contidos na lava, podem trazer um presente para o seu …

Não foram as estrelas de neutrões. A origem do ouro do Universo voltou a ser um mistério

Quando a humanidade detetou a colisão entre duas estrelas de neutrões em 2017, confirmou a teoria de longa data que as explosões criam elementos mais pesados do que o ferro. Assim, pensou-se ter a resposta …

Descoberta uma cripta secreta sob uma capela polaca. Pode levar ao lendário Santo Graal

O lendário Santo Graal, que terá sido usado por Jesus durante a Última Ceia para transformar o vinho em sangue, cativou a imaginação dos caçadores de tesouros durante séculos. Embora possamos nunca saber se esta relíquia …

Pedaço de cabelo de Lincoln (e um telegrama ensanguentado) leiloados por 81 mil dólares

Um anónimo pagou mais de 81 mil dólares (cerca de 71 mil euros) por uma mecha de cabelo de Abraham Lincoln. O exemplar foi retirado da cabeça de Lincoln um dia após a sua morte, …

Descobertos novos detalhes em Pietà de Miguel Ângelo

Uma equipa de especialistas estava a fazer trabalhos de limpeza na Pietà de Florença, esculpida pelo artista italiano Miguel Ângelo, quando encontrou detalhes desconhecidos da obra. Uma Pietà é um tema da arte cristã em que …

Microsoft afundou um data center em 2018. Dois anos depois, revela o que descobriu

Em 2018, a Microsoft aproveitou a tecnologia de submarinos para afundar um data center que poderia fornecer ligação à Internet durante anos na costa de Orkney. Agora, foi recuperado e os investigadores estão a testá-lo …

"James Bond da Filantropia". Bilionário cumpre sonho e doa toda a sua fortuna

Chuck Feeney cumpriu o seu sonho e está oficialmente falido. O empresário e filantropo queria doar toda a sua fortuna antes de morrer e assim o fez. Chuck Feeney é um empresário norte-americano de ascendência irlandesa …

A pandemia chegou à Lapónia e até o Pai Natal já a sente

O turismo da Lapónia prepara-se para sofrer um duro golpe com a pandemia de covid-19. As restrições de viagens deixam a economia da "residência oficial do Pai Natal" em risco. A Lapónia, na Finlândia, é conhecida …

Fruta do dragão e máscaras grátis. Vietname inova e triunfa na segunda vaga

A inovação do povo vietnamita está a ajudar a fazer do país uma história de sucesso não só na primeira vaga, mas também na segunda. Até ao momento, registaram-se pouco mais mil casos. O Vietname foi …

Alunos separados em "bolhas" dentro da escola, mas "encavalitados" antes de entrar

Mil alunos amontoaram-se esta manhã à frente da Escola Secundária Pedro Nunes. A escola adotou método de "turmas bolha", mas à entrada da escola não houve distanciamento e alguns alunos não usavam máscara. A diretora …