Tal como os cães, lobos bebés também brincam ao “busca” (e surpreendem os cientistas)

Brincar ao “busca” com o seu cão não é tão fácil como parece. É uma habilidade tão avançada que muitos cientistas acreditam que só terá aparecido após milhares de anos de domesticação.

No entanto, isto pode não ser verdade. Um novo estudo revela que alguns lobos-cinzentos, os antecessores dos cães, também conseguem brincar ao “busca”.

Segundo os cientistas, para jogar, os cães devem ter a perceção de que o dono quer a bola de volta e ser suficientemente sociais para querer brincar. Este novo estudo sugere que as raízes de muitas das características e comportamentos que vemos em animais dométicos, desde gatos a galinhas, podem estar presentes nos seus parentes selvagens.

Christina Hansen Wheat, ecologista comportamental, e Hans Temrim, etólogo, não se propuseram a ver se os lobos brincariam ao “busca”. Em vez disso, a dupla, sediada na Universidade de Estocolmo, queria aprender mais sobre a forma como os animais se socializam. Durante três anos, levaram três ninhadas de lobos cinzentos – 13 crias – de parques de animais na Europa para uma estação de campo arborizada a cerca de 100 quilómetros a sudoeste da universidade.

As crias tinham apenas dez dias de idade quando chegaram e os investigadores fizeram turnos para que tivessem 24 horas de contacto humano todos os dias. Os cientistas dormiam com as crias em sacos-cama e acordavam a cada três horas para alimentá-los com um biberão.

À medida que os lobos cresciam, os cientistas notaram que alguns iam buscar uma bola de ténis, se atirada numa sala. Intrigados, testaram todos os lobos. Quando as crias tinham oito semanas, Hansen Wheat levou cada um deles para uma sala grande com alguém que os animais não conheciam, que lhes atirou uma bola de ténis.

A maioria dos lobos ignorou a bola. Porém, duas crias – Lemmy e Elvis – devolveram a bola duas vezes, de acordo com o estudo publicado na semana passada na revista científica iScience. Um lobo chamado Sting devolveu a bola três vezes, ou seja, todas as vezes em que foi arremessada.

Apesar de admitir que o estudo é pequeno, Hansen Wheat disse que as descobertas suportam a ideia de que muitas das caraterísticas que associamos aos cães não surgiram durante o período de domesticação, estando presentes nos seus antecessores selvagens. Ao longo de milhares de gerações, os humanos intensificaram estas características.

Por outro lado, a brincadeira e outras caraterísticas podem ter atraído os humanos para os lobos. “Nós conectamo-nos com os nossos cães a brincar com eles”, disse. “Se os humanos antigos formaram uma conexão semelhante com alguns lobos, isso pode ter iniciado o caminho da domesticação.”

“É um estudo realmente inteligente – é uma loucura que ninguém tenha feito isto antes”, disse Evan MacLean, diretor do Centro de Cognição Canina do Arizona da Universidade do Arizona, citada pela Science.

Ainda assim, não é claro que os lobos estejam a brincar como os cães, o que pode atenuar o impacto das descobertas. “O que se vê aqui são dois comportamentos separados“, disse. “Um, que não é de surpreender, é que um predador persegue um objeto atirado na sala. E, se a cria apanhar a bola, volta – e é preciso muita persuasão do estranho”.

Ainda assim, MacLean concorda que este tipo de busca primitiva pode ter sido transformado pela domesticação no comportamento de pleno direito que vemos hoje em cães.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. O cérebro dos mamíferos (embora eu só conheça com nível científico o crescimento do cérebro humano) continuam a proliferar o número de neurónios depois do nascimento de modo a criar uma rede de neurónios e respectivas sinapses que execute condutas que lhe são solicitadas – permitam-me a metáfora – vão criando um hardware adequado ao programa de software que lhe é pedido… Assim, em contacto com os humanos, desenvolvem capacidade para executarem as atividades lúdicas para que os humanos os convidam… Masmo antes do desenvolvimento das neurociências nos permitirem compreender o mecanismo, já Desmond Morris nas suas obras de etologia/antropologia (mesmo logo n’«o macaco nú») descreve este fenómeno aprendixagem de condutas «humanas».

    • A avaliar pelo teu comentário, Ramiro… já há muito tempo que não convives com mamíferos o que implicou uma notável atrofia nessas ligações entre neurónios. Então Ramiro… achas mesmo que se escreve “aprendixagem”?! E a frase inicial “O cérebro dos mamíferos (embora eu só conheça com nível científico o crescimento do cérebro humano) continuam a proliferar…”… mas o que é isto Ramiro?!

Responder a sousa Cancelar resposta

Esta é a cidade com mais Alzheimer do mundo (e a culpa é de uma estranha mutação genética)

Na Colômbia, os habitantes da cidade de Yarumal parecem estar condenados a uma maldição que os faz esquecerem-se da sua vida, morrendo pouco tempo depois do início dos sintomas. Milhares de pessoas, pertencentes a apenas 25 …

Idosa de 93 anos recuperou de Covid-19 (e há 6 crianças em estado grave no Dona Estefânia)

Uma mulher de 93 anos que esteve internada em Lisboa, com Covid-19, recuperou da infecção ao cabo de 11 dias. Enquanto isso, há seis crianças com idades entre 4 meses e 17 anos que estão …

"Grande erro" da Europa é não usar máscaras, considera especialista chinês

George Gao, diretor dos Centros de Controlo e Proteção de Doenças da China (CDC), considera que o "grande erro" da Europa no combate à pandemia de covid-19 é o facto de as pessoas não usarem …

Obama critica Trump. "Cada um de nós deve exigir mais dos nossos líderes"

O ex-Presidente norte-americano, Barack Obama, considerou esta terça-feira que o seu sucessor, Donald Trump, ignorou os avisos sobre os riscos de uma pandemia do novo coronavírus, e recordou o mesmo comportamento quanto às alterações climáticas, …

Covid-19. Hotel cinco estrelas na Austrália vai acolher sem-abrigo

A Austrália vai levar a cabo um projeto piloto que visa retirar das ruas alguns sem-abrigo e transferi-los para hotéis de luxo, protegendo-os assim do novo coronavírus oriundo da China (Covid-19).  O projeto, Hotels With Heart, …

Red Bull equacionou infeção voluntária dos seus pilotos

Um responsável da Red Bull admitiu que propôs aos pilotos da marca austríaca, que participa no Mundial de Fórmula 1, uma estratégia de infeção voluntária de covid-19, visando ficarem imunes no início da temporada. Helmut Marko …

TAP avança com lay-off para 90% dos trabalhadores (e reduz atividade para cinco voos semanais)

Numa mensagem enviada aos seus funcionários, a TAP revelou que vai mesmo avançar com um processo de 'lay-off' para 90% dos trabalhadores e com a redução do período normal de trabalho em 20% para os …

Estado vai devolver 3 mil milhões em reembolsos do IRS

O Estado vai devolver 3 mil milhões de euros aos contribuintes em reembolsos do IRS, cuja entrega arranca esta quarta-feira e se estende até 30 de junho. A informação foi avançada pelo ministro de Estado, …

Há quatro infetados no sistema prisional. Estão todos em isolamento domiciliário

O Ministério da Justiça revelou esta terça-feira que aumentou para quatro o número de infetados com covid-19 no sistema prisional e que estão todos em isolamento domiciliário segundo indicação da saúde pública. Em comunicado, o Ministério …

Sousa Cintra diz que Rafael Leão "não ficou no Sporting porque foi apertado"

Sousa Cintra, ex-líder da SAD do Sporting no tempo da Comissão de Gestão, lamenta a rescisão do jogador Rafael Leão, considerando que "ele não continuou porque foi apertado". O jovem jogador foi, recentemente, condenado a …