Tal como os cães, lobos bebés também brincam ao “busca” (e surpreendem os cientistas)

Brincar ao “busca” com o seu cão não é tão fácil como parece. É uma habilidade tão avançada que muitos cientistas acreditam que só terá aparecido após milhares de anos de domesticação.

No entanto, isto pode não ser verdade. Um novo estudo revela que alguns lobos-cinzentos, os antecessores dos cães, também conseguem brincar ao “busca”.

Segundo os cientistas, para jogar, os cães devem ter a perceção de que o dono quer a bola de volta e ser suficientemente sociais para querer brincar. Este novo estudo sugere que as raízes de muitas das características e comportamentos que vemos em animais dométicos, desde gatos a galinhas, podem estar presentes nos seus parentes selvagens.

Christina Hansen Wheat, ecologista comportamental, e Hans Temrim, etólogo, não se propuseram a ver se os lobos brincariam ao “busca”. Em vez disso, a dupla, sediada na Universidade de Estocolmo, queria aprender mais sobre a forma como os animais se socializam. Durante três anos, levaram três ninhadas de lobos cinzentos – 13 crias – de parques de animais na Europa para uma estação de campo arborizada a cerca de 100 quilómetros a sudoeste da universidade.

As crias tinham apenas dez dias de idade quando chegaram e os investigadores fizeram turnos para que tivessem 24 horas de contacto humano todos os dias. Os cientistas dormiam com as crias em sacos-cama e acordavam a cada três horas para alimentá-los com um biberão.

À medida que os lobos cresciam, os cientistas notaram que alguns iam buscar uma bola de ténis, se atirada numa sala. Intrigados, testaram todos os lobos. Quando as crias tinham oito semanas, Hansen Wheat levou cada um deles para uma sala grande com alguém que os animais não conheciam, que lhes atirou uma bola de ténis.

A maioria dos lobos ignorou a bola. Porém, duas crias – Lemmy e Elvis – devolveram a bola duas vezes, de acordo com o estudo publicado na semana passada na revista científica iScience. Um lobo chamado Sting devolveu a bola três vezes, ou seja, todas as vezes em que foi arremessada.

Apesar de admitir que o estudo é pequeno, Hansen Wheat disse que as descobertas suportam a ideia de que muitas das caraterísticas que associamos aos cães não surgiram durante o período de domesticação, estando presentes nos seus antecessores selvagens. Ao longo de milhares de gerações, os humanos intensificaram estas características.

Por outro lado, a brincadeira e outras caraterísticas podem ter atraído os humanos para os lobos. “Nós conectamo-nos com os nossos cães a brincar com eles”, disse. “Se os humanos antigos formaram uma conexão semelhante com alguns lobos, isso pode ter iniciado o caminho da domesticação.”

“É um estudo realmente inteligente – é uma loucura que ninguém tenha feito isto antes”, disse Evan MacLean, diretor do Centro de Cognição Canina do Arizona da Universidade do Arizona, citada pela Science.

Ainda assim, não é claro que os lobos estejam a brincar como os cães, o que pode atenuar o impacto das descobertas. “O que se vê aqui são dois comportamentos separados“, disse. “Um, que não é de surpreender, é que um predador persegue um objeto atirado na sala. E, se a cria apanhar a bola, volta – e é preciso muita persuasão do estranho”.

Ainda assim, MacLean concorda que este tipo de busca primitiva pode ter sido transformado pela domesticação no comportamento de pleno direito que vemos hoje em cães.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. O cérebro dos mamíferos (embora eu só conheça com nível científico o crescimento do cérebro humano) continuam a proliferar o número de neurónios depois do nascimento de modo a criar uma rede de neurónios e respectivas sinapses que execute condutas que lhe são solicitadas – permitam-me a metáfora – vão criando um hardware adequado ao programa de software que lhe é pedido… Assim, em contacto com os humanos, desenvolvem capacidade para executarem as atividades lúdicas para que os humanos os convidam… Masmo antes do desenvolvimento das neurociências nos permitirem compreender o mecanismo, já Desmond Morris nas suas obras de etologia/antropologia (mesmo logo n’«o macaco nú») descreve este fenómeno aprendixagem de condutas «humanas».

    • A avaliar pelo teu comentário, Ramiro… já há muito tempo que não convives com mamíferos o que implicou uma notável atrofia nessas ligações entre neurónios. Então Ramiro… achas mesmo que se escreve “aprendixagem”?! E a frase inicial “O cérebro dos mamíferos (embora eu só conheça com nível científico o crescimento do cérebro humano) continuam a proliferar…”… mas o que é isto Ramiro?!

Paços 3-2 Porto | “Castor” épico tomba “dragão” com pés de pau

Surpresa na Capital do Móvel. O campeão nacional FC Porto foi a Paços de Ferreira averbar a segunda derrota nesta Liga NOS, saindo com um resultado desfavorável de 3-2. Num terreno tradicionalmente difícil – os “dragões” …

Teoria da Relatividade de Einstein observada em estrelas distantes

O que é que Albert Einstein, o GPS e um par de estrelas a 29.000 anos-luz da Terra têm em comum? A resposta é um efeito da Teoria Geral da Relatividade de Einstein chamado "desvio gravitacional …

Encontrada possível localização do gigante Snow Cruiser. Está perdido na Antártida há 60 anos

O Snow Cruiser era um veículo de exploração enorme enviado ao Pólo Sul em 1939 que ficou preso após desembarcar na Antártida e foi abandonado alguns anos depois. Redescoberto sob vários metros de neve e gelo …

Mbappé tem uma "mancha" na Liga dos Campeões

Números invulgares do avançado do PSG, que em 2020 ainda não marcou qualquer golo no torneio europeu. Pires e Rami falaram sobre o seu futuro. Kylian Mbappé. Visto por muita gente como o melhor avançado do …

Administração de Nixon recebeu um Nobel por um cessar-fogo que não existiu

O prémio Nobel da Paz foi atribuído em 1973 ao secretário de Estado da Administração de Richard Nixon, e seu assessor de segurança nacional, Henry Kissinger, e ao político vietnamita Le Duc Tho. As duas personalidades foram …

Cidade usa satélite para medir poluição luminosa (e os candeeiros de rua não são o maior problema)

As cidades do mundo desperdiçam uma grande quantidade de eletricidade - e dinheiro - ao deixar ligadas luzes brilhantes durante a noite toda. Porém, os candeeiros de rua não são os maiores culpados. Uma experiência de …

Prevenir uma futura pandemia pode estar dependente de apenas três medidas (e podem ser aplicadas já)

Até 70% das doenças infecciosas que surgiram nos humanos nos últimos 30 anos tiveram origem em animais e foram causadas por patogénicos originados em animais domésticos ou selvagens. Agora, um relatório lança aos princípios básicos …

"Não se torne um fantasma real". Coreia do Sul teme aumento de casos devido ao Halloween

A Coreia do Sul teme que as festividades do Halloween levem a um aumento de casos de covid-19 no país. Assim, para evitar que tal aconteça, investiram numa campanha de informação pública para apelar aos …

Trump Jr. diz que as mortes por covid-19 se reduziram a "quase nada". Têm morrido 1.000 pessoas por dia

Donald Trump Jr., o filho mais velho do Presidente norte-americano, afirmou esta quinta-feira que a taxa de mortalidade por covid-19 caiu para "quase nada nos Estados Unidos", num dia em que o país registou quase …

Agentes russos terão oferecido a ajuda de 10 mil soldados aos separatistas catalães

Alegados agentes russos terão oferecido à Catalunha a ajuda de 10 mil soldados durante a sua tentativa de independência da Espanha, em 2017, relataram na quarta-feira meios de comunicação espanhóis e europeus. As denúncias baseiam-se em …