Cabra com mais de 400 anos encontrada mumificada numa montanha de gelo

Esercito Italiano / Comando Truppe Alpine

Caixão que transporta a múmia do local para o laboratório

Uma cabra morta há mais de 400 anos foi descoberta por um esquiador, em Val Aurina, em Itália. Hermann Oberlechner, alpinista e campeão de esqui, estava a caminhar quando encontrou algo invulgar e inesperado no meio do gelo.

“Apenas metade do corpo do animal estava coberto pela neve”, disse Oberlechner num comunicado. “A pele parecia couro, encontrava-se sem pelos. Nunca tinha visto nada assim. Imediatamente tirei uma foto e mandei para o guarda-florestal, que de seguida informou o Departamento de Património Cultural”, revelou o esquiador italiano.

Esta caso faz lembrar outras histórias de outras múmias de gelo encontradas, incluindo o famoso “Homem de Gelo” Ötzi, cujo corpo mumificado foi encontrado nos Alpes italianos em 1991. Os cientistas ficaram entusiasmados com a descoberta, e agora querem usar a múmia encontrada para perceber melhor como se deve preservar o ADN antigo, esperando assim estar melhor preparados da próxima vez que aparecer uma múmia humana de gelo.

Albert Zink, diretor do Instituto de Estudos de Múmias da Eurac Research em Itália, diz que o objetivo do estudo da múmia “é usar dados científicos para desenvolver um protocolo de conservação válido globalmente para múmias de gelo”, acrescentando ainda que “esta é a primeira vez que uma múmia de um animal é usada dessa forma”.

Para conseguirem estudar a múmia ao pormenor, a equipa da Eurac teve que a retirar das montanhas. O sítio onde a cabra estava, localizava-se a 3200 metros de altitude, numa grande montanha de gelo, revela o Life Science.

Marco Samadelli, investigador da Eurac, construiu uma caixa especial para transportar a múmia do local até ao laboratório, e que foi colocada debaixo de um helicóptero comandado por pilotos treinados para operar em grandes altitudes. A múmia foi levada para o laboratório de conservação da Eurac, onde está a ser armazenada a -5 graus.

Enquanto as múmias de gelo estiverem sepultadas em glaciares, o seu ADN está garantidamente preservado. Contudo, assim que a temperatura das múmias começa a subir, a sua informação genética nas células pode começar a deteriorar-se.

Samadelli e a sua equipa querem perceber melhor essas alterações e por isso “com análises aprofundadas repetidas, vamos verificar quais as alterações que o ADN sofre quando as condições externas mudam”, escreveu o investigador em comunicado.

Os cientistas esperam que essas informações sejam úteis, e contam que devido ao fenómeno do degelo, provavelmente irão aparecer mais corpos antigos, sendo que cada um deles deverá dar a descobrir mais sobre chaves genéticas do passado.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

"DeepNude". Inteligência Artificial "tirou a roupa" a mulheres nas redes sociais

A empresa de informação Sensity alertou que mais de 100 mil imagens foram carregadas para um canal de Telegram onde um bot "tirou a roupa" de mulheres. A empresa de segurança Sensity revelou recentemente que existe …

Poluição atmosférica "custa" a cada citadino europeu 1.276 euros por ano

A poluição atmosférica "custa" 1.276 euros por ano a cada cidadão europeu residente em cidades, de acordo com um estudo da Aliança Europeia de Saúde Pública (EPHA) divulgado esta quarta-feira. O estudo chegou ao valor médio …

"Emergência arqueológica". O degelo dos Alpes está a "libertar" artefactos escondidos há milhares de anos

As alterações climáticas podem estar a ajudar os arqueólogos a encontrar artefactos escondidos nos glaciares do Alpes há milhares de anos. O derretimento dos glaciares dos Alpes está a "liberta" objetos que permaneceram congelados no tempo …

Thermite RS3 é o primeiro robô de combate a incêndios dos EUA (e está pronto a entrar ao serviço)

O Corpo de Bombeiros de Los Angeles, nos Estados Unidos, deu as boas-vindas ao mais recente membro da equipa: um bombeiro robótico. O Thermite RS3 é um rover de controlo remoto capaz de bombear milhares de …

Inventor dinamarquês que matou jornalista no seu submarino escapou da prisão (mas já foi apanhado)

O inventor dinamarquês Peter Madsen, condenado a prisão perpétua por torturar e assassinar a jornalista sueca Kim Wall, fugiu da prisão esta terça-feira.  As autoridades dinamarquesas capturaram-no minutos depois. Peter Madsen, o dinamarquês condenado a prisão …

Molécula descoberta por menina de 14 anos pode levar a uma cura para a covid-19

A jovem norte-americana de 14 anos, Anika Chebrolu, descobriu uma molécula que pode levar a uma potencial cura para a covid-19. Enquanto cientistas dos quatro cantos do mundo trabalham no desenvolvimento de uma vacina para a …

Cerca de 1.300 reclusos fogem de prisão no Congo após ataque do Estado Islâmico

Cerca de 1.300 reclusos escaparam de uma prisão na República Democrática do Congo na manhã de terça-feira, após um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico, informou a Organização das Nações Unidas (ONU). Embora as autoridades locais tenham …

Amesterdão vai usar flores para impedir que os ciclistas estacionem bicicletas nas pontes

A cidade conhecida pelo uso de bicicletas, vai agora tomar uma medida em relação ao estacionamento destas nas pontes. Tudo para proteger as vistas para os seus famosos canais. Amesterdão orgulha-se de ser uma das cidades …

Morreu voluntário envolvido no ensaio da vacina de Oxford. Tinha 28 anos e era médico recém-formado

As autoridades de saúde brasileiras divulgaram esta quarta-feira a morte de um voluntário dos testes da vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), …

Milo, o "comunicador de ação" que permite conversar em grupo durante atividades ao ar livre

Chegou o Milo, o novo aparelho que vai revolucionar as aventuras em grupo. Este pequeno dispositivo permite-lhe conversar com o seu grupo à distancia sem precisar de levar o smartphone para o meio da montanha, …