A busca por vida extraterrestre acabou de se tornar 1000 vezes maior

South Africa Radio Astronomy Observatory (SARAO)

O Breakthrough Listen, um projeto com financiamento privado que busca evidências de inteligência extraterrestre, iniciou as operações no conjunto de radiotelescópios MeerKAT na África do Sul.

Nos próximos dois anos, a equipa vai analisar mais de um milhão de estrelas próximas, expandindo o número de alvos observados por um fator de 1000.

“Estou muito entusiasmado por poder conduzir uma busca por assinaturas tecnológicas usando um dos telescópios mais sensíveis do mundo”, diz Cherry Ng, cientista do projeto MeerKAT da Breakthrough Listen. “O MeerKAT dar-nos-á a capacidade de detetar um transmissor semelhante aos faróis de rádio mais brilhantes da Terra a uma distância de 250 anos-luz”.

Existem cerca de 260 000 estrelas dentro deste intervalo. Para estrelas mais distantes, a busca torna-se mais difícil, mas ainda há a possibilidade de detetar sinais de fontes distantes.

A Busca por Inteligência Extraterrestre (SETI) tem a posição nada invejável de raramente receber financiamento do governo norte-americano. A NASA evitou amplamente a pesquisa do SETI desde o cancelamento de seu planeado Levantamento de Microondas de Alta Resolução em 1993.

A associação (às vezes injusta) do SETI com teorias da conspiração ocasionalmente ofusca o seu potencial para responder a uma das maiores perguntas que a Humanidade pode fazer: estamos sozinhos no Universo?

Mas o financiamento privado dos bilionários Julia e Yuri Milner deu um impulso ao SETI nos últimos anos. O Breakthrough Listen opera usando o Green Bank Telescope nos EUA e o Parkes Telescope na Austrália, entre outros. MeerKAT é a mais recente adição. O conjunto de 64 pratos do MeerKAT pode ver uma área do céu 50 vezes maior que o telescópio Green Bank, tornando-o uma ferramenta excecional para o levantamento de amplas áreas da nossa vizinhança galáctica.

É importante ressaltar que o software do Breakthrough Listen no MeerKAT permite que eles operem no ‘modo comensal’, o que significa que vão à boleia no telescópio e podem realizar a sua busca por assinaturas tecnológicas sem interferir no tempo de observação de outros astrónomos.

“Um campo de visão tão grande geralmente contém muitas estrelas que são alvos de assinaturas tecnológicas interessantes”, diz o investigador principal da Breakthrough Listen, Dr. Andrew Siemion. “O nosso novo supercomputador permite-nos combinar sinais dos 64 pratos para obter varreduras de alta resolução desses alvos com excelente sensibilidade, tudo sem afetar a pesquisa de outros astrénomos que estão a usar a matriz.”

Um dos primeiros alvos que o Breakthrough Listen observará com o MeerKAT é Proxima Centauri, uma estrela próxima com dois planetas rochosos conhecidos na zona habitável.

Os astrónomos têm opiniões contraditórias sobre se existem civilizações tecnológicas por aí para serem encontradas. Um acampamento sugere que, se eles estivessem lá, já os teríamos visto. Essa é a premissa do Paradoxo de Fermi, que propõe que a vida provavelmente é comum noutras partes do Universo, por isso é estranho que ainda não tenhamos visto nenhuma.

A famosa equação de Drake, formulada em 1961, tenta destilar matematicamente o paradoxo de Fermi em probabilidades concretas de encontrar vida noutro lugar.

Até agora, não há sinais de ETs. A estranheza ocasional, como o “sinal Wow” em 1977, não foi repetida em estudos de acompanhamento. Essas esquisitices são, na melhor das hipóteses, dicas inconclusivas de que algo mais está por aí. Alternativamente, muitas vezes provam ser sinais de outros lugares da Terra, incompreendidos como de origem extraterrestre.

A premissa de Breakthrough Listen é que, se não olharmos, não obteremos uma resposta. Os poderosos recursos do MeerKAT tornarão essa pesquisa mais completa. Só o tempo dirá o que eles encontram ou não encontram.

  ZAP // Universe Today

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.