Bruxelas adverte que Portugal continua com “desequilíbrios excessivos”

Álvaro Millán / Flickr

-

A Comissão Europeia adverte que os altos níveis de endividamento público e privado, o elevado volume de crédito malparado, o desemprego alto e a fraca produtividade são vulnerabilidades de Portugal, que continua a “experienciar desequilíbrios excessivos”.

Na comunicação da Comissão Europeia hoje ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Banco Central Europeu e ao Eurogrupo, divulgada no final da reunião do colégio de comissários, Bruxelas considera que “Portugal está a experienciar desequilíbrios excessivos”.

Os grandes ‘stocks’ de dívida externa líquida, a dívida pública e privada e a alta proporção de créditos em incumprimento constituem vulnerabilidades num contexto de desemprego em queda mas ainda elevado e de baixa produtividade”, lê-se no documento.

Também o crescimento é apontado por Bruxelas como um ponto fraco da economia portuguesa, já que “o potencial de crescimento continua aquém no nível anterior à crise” e está a ser penalizado por “obstáculos persistentes” e pela “rigidez nos mercados de produto e do trabalho, juntamente com os enormes desequilíbrios externos”.

A balança corrente de Portugal “ainda está abaixo do nível necessário para um ajustamento significativo da dívida externa líquida” e os custos unitários do trabalho “estão a aumentar devido ao fraco crescimento da produtividade e ao aumento dos salários“.

A Comissão Europeia indica também que “a dívida privada está a cair” e que a “dívida pública estabilizou-se”, mas aponta que isto aconteceu “num contexto em que persiste a necessidade de desalavancar” o endividamento português.

Outro aviso de Bruxelas prende-se com os créditos malparados que pesam nos balanços dos bancos portugueses: “O amplo ‘stock’ de créditos em incumprimento ainda não se estabilizou e, juntamente com a baixa rentabilidade e as ‘almofadas’ de capital relativamente magras, colocam riscos aos balanços dos bancos”.

Também o mercado de trabalho merece a preocupação da Comissão Europeia, que refere que as condições melhoraram, mas que “o desemprego jovem e de longa duração, bem como a segmentação do mercado, continuam elevados”.

O executivo comunitário lamenta ainda que “o momento das reformas tenha enfraquecido desde 2014” e adverte que “persistem lacunas políticas nas áreas do mercado de produto e de serviços, das qualificações e da inovação, da sustentabilidade orçamental, da reestruturação da dívida empresarial e da rigidez do mercado laboral”.

// Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. “altos níveis de endividamento público e privado, o elevado volume de crédito malparado, o desemprego alto e a fraca produtividade” … E NOVIDADES, TÊM ALGUMA?

Itália: Da crise pandémica à crise política. Conte tem agora o voto de confiança dos deputados

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, obteve ontem a confiança dos deputados para se manter no governo, depois da demissão de duas ministras do partido Itália Viva (IV) ter aberto uma crise política, deixando o governante …

"Risco de readmissão é grande". Quase um terço dos infetados voltou ao hospital (e um em cada oito morreu)

De acordo com um estudo recente realizado no Reino Unido, quase um terço das pessoas que tiveram alta de um internamento por problemas de saúde relacionados com a covid-19, em Inglaterra, regressaram ao hospital pela …

Fecho das escolas "seria a medida mais forte de saúde pública"

O encerramento das escolas "seria a medida mais forte de saúde pública a ser tomada", perante a existência de um "teto falso" na deteção de novos casos e o aparecimento da variante inglesa, defendeu esta …

"Ato ditatorial" e "humilhação cruel". Mourinho criticado por optar por Gedson em vez de Dele Alli

O ex-futebolista Stan Collymore chamou Mourinho de ditador e criticou o facto de ter deixado Dele Alli de fora dos convocados em detrimento de Gedson Fernandes. Stan Collymore, antigo jogador do Liverpool, criticou José Mourinho pela …

Preços das casas devem descer neste ano (e deixam a banca em risco)

Após se terem aguentado mais ou menos estáveis em 2020, apesar da pandemia de covid-19, os preços das casas devem começar a descer neste ano com o prolongar da crise sanitária. Uma situação que preocupa …

Sem promessas para 2022, Governo admite criar “escalões intermédios” na Função Pública

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, admitiu, em entrevista ao ECO, rever a tabela salarial da Função Pública e criar “escalões intermédios para as progressões intermédias”. Em entrevista ao jornal …

@AnaMartinsGomes. A gladiadora do Twitter é candidata a Belém

Se há arena onde a candidata socialista a Belém se sente confortável, é o Twitter. Palco de grandes partilhas e encruzilhadas, é inegável que essa rede social marca o caminho da diplomata. Ana Gomes é conhecida …

Rui Rio apela ao Governo por "confinamento a sério" e lembra que este "não existe para ser popular"

Rui Rio desafia o Governo a "impor um confinamento a sério em nome do interesse nacional". Na sua conta no Twitter, o líder do PSD escreve que "um Governo não existe para ser popular mas …

FC Porto ameaça não ir a jogo. Sporting acusa "dragões" de "pressão inaceitável"

O Sporting acusou segunda-feira o FC Porto de estar a "pressionar, de forma absolutamente inaceitável, as autoridades da Saúde e a Liga" para que Nuno Mendes e Sporar falhem hoje as meias-finais da Taça da …

Empresas de comércio e serviços propõem suspensão de alguns impostos

Com o novo confinamento geral, a maioria das empresas de comércio e serviços volta a fechar portas. Por isso, pedem-se mais apoios ao Governo, considerando que os já anunciados são insuficientes. Em declarações à rádio Renascença, …