Brexit. Nova ronda negocial com cenário de “no deal” à vista

Andy Rain / EPA

Boris Johnson

Esta segunda-feira, inicia a oitava ronda de negociações sobre a relação no pós-Brexit entre a União Europeia e o Reino Unido.

A União Europeia (UE) e o Reino Unido começam, esta segunda-feira, em Londres, a oitava ronda de negociações sobre a relação no pós-Brexit, mas a perspetiva de um acordo está cada vez mais longe, face à persistente ausência de progressos.

O “período de transição”, contemplado no Acordo de Saída negociado entre as partes e consumado em janeiro, termina a 31 de dezembro, mas, por questões processuais e jurídicas, as partes devem chegar a um acordo sobre as relações futuras, designadamente a nível comercial, o mais tardar até final de outubro, cenário que se afigura cada vez menos provável à luz da evolução das negociações e das recriminações de parte a parte.

Numa entrevista ao Mail on Sunday, o negociador-chefe britânico, David Frost, sublinha que o Reino Unido “não receia” deixar em definitivo o bloco europeu sem um acordo e diz que Londres está a preparar-se para esse cenário, uma posição em tudo idêntica à do seu homólogo europeu, Michel Barnier, que há muito tem exortado os 27 a prepararem-se para o “não acordo”.

A ronda negocial que se inicia esta segunda-feira em Londres tem lugar duas semanas após a sétima, celebrada em Bruxelas, e que terminou uma vez mais sem quaisquer progressos tangíveis e com acusações recíprocas.

No final da ronda negocial de agosto, Barnier afirmou-se “desiludido e preocupado” com a ausência de progressos, argumentando que, “tal como na ronda de julho, os negociadores britânicos não mostraram qualquer vontade de progredir em questões fundamentais para a UE”.

Barnier lamentou que, “apesar de toda a flexibilidade” demonstrada pela UE nos últimos meses para “trabalhar nas três linhas vermelhas” traçadas por Boris Johnson para esta negociação – o papel do Tribunal de Justiça da UE, a autonomia legislativa do Reino Unido e as pescas -, ainda não se tenha observado “uma preocupação recíproca” do lado britânico com as matérias prioritárias para os 27, que, sublinhou, “são as mesmas desde 2017”.

Já David Frost acusou na altura a UE de estar a tornar as negociações da saída do bloco europeu “desnecessariamente difíceis”, por querer impor um compromisso para manter Londres vinculada a políticas europeias de apoios estatais e pescas antes de avançar noutros dossiês.

A fase de transição que foi negociada após a saída formal do Reino Unido da União Europeia, a 31 de janeiro deste ano, e que manteve o acesso do país ao mercado único europeu e à união aduaneira, termina a 31 de dezembro.

Se UE e Reino Unido não conseguirem chegar a um acordo atempadamente, apenas as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC), nomeadamente os direitos aduaneiros, serão aplicáveis a partir de janeiro de 2021 às relações comerciais entre Londres e os 27.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Bloco quer administração da RTP nomeada pela Assembleia da República

O Bloco de Esquerda fez várias propostas à revisão do contrato de concessão do serviço público de rádio e televisão. Do lado dos trabalhadores da RTP, a proposta foi arrasada. O Governo colocou em consulta pública, …

Decisão da insolvência da Groundforce pode demorar dois meses. Salários de maio em risco

Os salários de maio de 2400 trabalhadores da Groundforce devem ser pagos dentro de duas semanas, mas é grande a probabilidade de que isso não aconteça, à semelhança do que ocorreu em fevereiro, elevando as …

Pedro Nuno Santos garante que investimento público em redes de nova geração vai avançar

Pedro Nuno Santos garantiu, na quinta-feira, que o “investimento público” em redes de comunicações eletrónicas “vai avançar”, de forma a levar conectividade às regiões do país onde as redes das operadoras privadas não chegam. O ministro …

PPP hospitalares geraram poupanças para o Estado

O Tribunal de Contas publicou um relatório em que sustenta não ter dúvidas sobre as vantagens que as parcerias público-privadas (PPP) na saúde trouxeram ao Estado, ao longo da última década. Os hospitais em parceria público-privada …

Banco de Fomento está a integrar trabalhadores do antigo BPN

O Banco Português de Fomento está a recrutar colaboradores do antigo BPN para desempenhar funções técnicas, numa altura em que a Parvalorem, onde estão integrados, solicitou ao Executivo o estatuto de empresa em reestruturação. Segundo apurou …

PAN começa a ser julgado por falsos recibos verdes

O PAN vai começar a ser julgado este mês devido ao caso dos falsos recibos verdes. O partido enfrenta três processos judiciais, sendo que o arranque do julgamento do primeiro está marcado para 17 de …

Radovan Karadzic vai ser transferido para o Reino Unido

Radovan Karadzic, antigo líder dos sérvios da Bósnia condenado por genocídio no massacre de mais oito mil muçulmanos bósnios em Srebrenica, em 1995, vai ser transferido para o Reino Unido, onde vai continuar a cumprir …

Adjunta de Matos Fernandes era sócia de empresa que fez negócios com o ministério

Entre 2016 e 2019, a secretária de Estado do Ambiente, Inês Santos Costa, acumulou funções quando integrou o gabinete de João Pedro Matos Fernandes, na qualidade de adjunta, sendo, na altura, sócia de uma empresa, …

Cavaco acusa Governo de Costa de continuar a alimentar "monstro" da despesa pública

Cavaco Silva volta a criticar o Governo de Costa, desta vez por criar “impostos adicionais” sobre “tudo o que mexe” para alimentar “o monstro” da despesa pública. O ex-primeiro-ministro e antigo Presidente da República Aníbal Cavaco …

Dívidas de Vieira investigadas. Com falência à vista, grupo do líder do Benfica pagou viagens de luxo

Afinal, o Fundo de Resolução nunca aceitou a reestruturação das dívidas do grupo empresarial de Luís Filipe Vieira, ao contrário do que foi dito aos deputados na Comissão Parlamentar de Inquérito aos grandes devedores do …