May rejeita novo referendo, apresenta Plano B do Brexit e pede ajuda à oposição

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, rejeitou esta segunda-feira convocar um segundo referendo sobre o Brexit e afirmou que espera voltar a debater com a União Europeia o controverso plano de salvaguarda elaborado para manter a livre circulação na fronteira entre as duas Irlandas.

Theresa May apelou a todas as facções representadas no Parlamento britânico que trabalhem com o seu governo na elaboração de um novo acordo de saída da União Europeia.

A primeira-ministra britânica compareceu esta segunda-feira na Câmara dos Comuns para apresentar o seu novo plano em relação ao Brexit, depois de a semana passada os deputados britânicos terem rejeitado por uma ampla margem de 230 votos o anterior acordo negociado pela governante britânica com a UE.

A primeira-ministra espera encontrar solução nos pontos da discórdia que motivaram a reprovação massiva do primeiro acordo com Bruxelas apresentado dia 15 de janeiro à Casa dos Comuns, em Westminster.

A estratégia que Theresa May definiu, na prática um plano semelhante ao anterior, passa por negociar com os eurocépticos do seu partido Conservador e com os deputados do Partido Democrata Unionista para tentar levantar as objecções à questão da fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda, o capítulo mais controverso do acordo.

“Nas próximas semanas, continuarei a negociar com meus colegas, incluindo o partido norte-irlandês DUP, para avaliar como podemos cumprir com as nossas obrigações para com o povo da Irlanda do Norte e o da Irlanda de forma que possamos obter o maior apoio possível no Parlamento. Depois, levarei as conclusões desse diálogo novamente à União Europeia”, afirmou May.

O passo seguinte será voltar a Bruxelas e pedir mais concessões. “O meu objectivo continua a ser fazer o que é necessário para garantir o apoio do parlamento a favor de um Acordo para o Brexit com a UE”, disse.

A primeira-ministra defende ser preciso que os membros do parlamento britânico sejam “honestos com o povo britânico sobre o que significa” evitar o divórcio sem acordo com os parceiros europeus.

Ao revelar os passos que planeia seguir a partir de agora, a governante apresentou argumentos contra a convocação de um novo referendo sobre a saída do país da UE, por considerar que abalaria a “coesão social”.

“Tenho medo de que um segundo referendo criaria um difícil precedente, que poderia ter implicações significativas sobre a forma como lidamos com consultas populares neste país”, alegou May, que realçou ainda que este cenário exigiria um aumento do prazo para que o país deixe a UE, actualmente marcado para o dia 29 de março.

O novo plano de May será posto à prova no próximo dia 29, data em que a Câmara dos Comuns irá debater e votar uma moção de carácter “neutro” apresentada pelo governo, que se limita a constatar que os deputados consideraram as suas propostas.

Entretanto, a moção irá recolhendo emendas das diversas forças políticas, abrindo a porta a que os parlamentares assumam controlo parcial do Brexit e modifiquem o roteiro traçado pelo governo.

Se Theresa May decidir voltar a apresentar o acordo de saída ao Parlamento, a votação não deverá ocorrer antes de fevereiro, adiantou um porta-voz do gabinete de May.

ZAP // EFE / Euronews / RFI

PARTILHAR

RESPONDER

Maçonaria cancela eleições e proíbe rituais em sessões virtuais

A pandemia de Covid-19 levou o Grão Mestre do Grande Oriente Lusitano, Fernando Lima, a principal obediência maçónica em Portugal, a cancelar as eleições e a proibir os encontros com rituais maçónicos 'online', visto que …

Mourinho quebra regras e assume que errou ao ir treinar com Ndombele

Fotografias e vídeos divulgados nas redes sociais mostram José Mourinho e os jogadores do Tottenham a treinar juntos e a violar as regras de segurança impostas devido ao surto do novo coronavírus. O Tottenham, treinado por …

Rússia bate recordes de infeções diárias. Em Itália, o número de mortes voltou a diminuir

Há três dias consecutivas que o número de novos casos bate recordes de crescimento na Rússia. Já em Itália, o número de mortes voltou a diminuir esta quarta-feira. Pelo terceiro dia consecutivo, o crescimento de número …

Governo prepara apoios aos media "à medida das televisões"

O Governo está a preparar medidas de apoio aos meios de comunicação social, gravemente afetados pela crise causada pela pandemia de Covid-19. Contudo, como considerou o administrador da Global Media Group, Afonso Camões, citado pelo Dinheiro Vivo, tudo …

Archewell. Harry e Meghan registam a sua nova marca

O príncipe Harry e Meghan Markle registaram a sua nova marca, uma fundação sem fins lucrativos chamada Archewell. De acordo com o jornal britânico The Guardian, que cita registos datados de 3 de março, a marca …

Libertação de reclusos. Esquerda ao lado do Governo garante aprovação

PSD, CDS-PP, PAN e Iniciativa Liberal manifestaram reservas ao diploma que prevê a concessão de indultos e antecipação do fim das penas para reclusos que tenham cometido crimes pouco graves. A proposta do Governo que cria …

Galp anuncia cortes de 500 milhões de euros por ano devido à pandemia

A Galp Energia decidiu cortar mais de 500 milhões de euros por ano dos seus custos operacionais e investimentos para 2020 e 2021, visando fazer face ao impacto da pandemia de Covid-19 na procura de …

Bombeiros de Beja admitem recusar transportar suspeitos e doentes

As 15 corporações de bombeiros do distrito de Beja admitem recusar transportar utentes suspeitos e doentes com covid-19 por falta de condições e apoios. As 15 corporações de bombeiros do distrito de Beja referem que, "por …

Ministra sul-africana suspensa por violar medidas de contenção

A ministra das Comunicações sul-africana, Stella Ndabeni-Abrahams, foi suspensa depois de ter sido apanhada em flagrante desobediência numa fotografia publicada no Instagram, onde é vista a almoçar com outras cinco pessoas. O Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, anunciou …

Suécia já tem acordo para impor medidas restritivas (mas ainda não está convencida)

A Suécia vai recuar na sua abordagem light à covid-19 e prepara-se para aplicar medidas restritivas. Os partidos já chegaram a acordo, mas o Governo não tem planos para usar já os novos poderes. Os partidos …