Botas de vilão já não calçam madeirenses mas fascinam os turistas

Homem de Gouveia / Lusa

Exemplares de botas chãs em exibição numa pequena fábrica na Ribeira Brava, Madeira

Exemplares de botas chãs em exibição numa pequena fábrica na Ribeira Brava, Madeira

A bota chã, também chamada bota de vilão, calçou durante décadas o povo madeirense, mas atualmente é usada apenas nos grupos folclóricos e são raros os artesãos que ainda a fabricam, embora sejam inúmeros os turistas que a admiram.

“O madeirense não compra isto. O madeirense gosta muito, acha muito bonitinho, mas não compra. Lamentavelmente, é um calçado que já não é usado pelos madeirenses”, disse à agência Lusa Carlos Vieira, proprietário da “Bota Chã – Fabricação de Calçado”, uma pequena fábrica na vila da Ribeira Brava, zona oeste da Madeira, onde as botas de vilão são o emblema e a fonte de inspiração.

Tradicionalmente confecionada com pele de cabra e sola em pele de vaca, a bota chã apresenta dois modelos: masculino e feminino. O que distingue o modelo feminino é uma tira de marroquim vermelho à volta do cano.

A finalidade da bota chã foi sempre a de proporcionar uma mera proteção para o pé. Nunca foi calçado destinado ao trabalho duro do povo. Para isso, existia a bota de campo, também confecionada na Ribeira Brava, muito mais resistente e, em tempos, feita com sola de pneu.

“Isto tem um grande problema para quem vende: é uma bota que não tem fim“, advertiu Carlos Vieira, lembrando que os carreiros do Monte (condutores dos famosos carros de cesto) ainda as usam como peça da farda.

Homem de Gouveia / Lusa

O artesão Carlos Vieira proprietário da pequena fábrica que confeciona a tradicional "bota chã"

O artesão Carlos Vieira proprietário da pequena fábrica que confeciona a tradicional “bota chã”

Quanto à bota chã, mais fina e delicada, incontornável no que toca ao traje típico madeirense, é hoje uma peça quase exclusiva dos grupos folclóricos e das floristas do Funchal. “Fora estes, os principais clientes são os turistas“, disse Carlos Vieira, que anda a desdobrar-se em contactos para colocar o produto no continente e, sobretudo, junto das comunidades de emigrantes.

João Ferreira, um dos artesãos da “Bota Chã – Fabricação de calçado”, garante que é capaz de fazer um par de botas em três horas, mas não passa sem a ajuda de Carmelita Abreu, a quem compete a tarefa de “encabeçar”, ou seja, coser as diversas partes de cabedal e o forro.

“É um trabalho que precisa de alguma habilidade. Eu não sou muito rápida nisto, mas faço uns cinco pares por dia, à vontade, desde a tira de marroquim ao acabamento”, assegurou Carmelita.

A “Bota Chã” da Ribeira Brava quer, agora, sair dos limites da ilha sem ser apenas na mala dos turistas e tornar-se um produto rentável.

“Nós, como qualquer outra empresa, temos de nos adaptar às necessidades do mercado e temos de ir inovando sempre. O que queremos fazer é criar produtos novos, tendo sempre a bota chã e a bota de campo como inspiração”, salientou Carlos Vieira.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Facebook promete investir 90 milhões para apoiar o jornalismo

A rede social Facebook prometeu esta segunda-feira investir 100 milhões de dólares (90 milhões de euros) na indústria do jornalismo. “O setor das notícias está a trabalhar sob condições extraordinárias para manter as pessoas informadas durante …

Covid-19 já faz estragos na indústria espacial. Concorrente da Space X declara falência

A empresa de satélites OneWeb, que tinha como objetivo ligar os lugares mais remotos do mundo à Internet, declarou esta sexta-feira falência depois de ter perdido um importante investidor por causa da pandemia de covid-19. …

CR7, Bernardo, Mourinho, Lage e mais 22 personalidades do futebol doaram 150 mil máscaras ao Hospital de Santo António

O agente Jorge Mendes juntou 26 personalidade do futebol, que vão desde jogadores, treinador e amigos, com o objetivo de dotar unidades hospitalares com materiais para combater a Covid-19. A iniciativa, que contou com a …

Italiana de 102 anos recuperou da covid-19. "Chamamos-lhe imortal"

Uma italiana, de 102 anos, recuperou da covid-19, depois de ter passado mais de 20 dias no hospital. Os médicos que a acompanharam vão agora estudar o seu caso. "Chamamos-lhe Highlander, a imortal", contou à CNN …

China já lucra com a Covid-19 (mas se a economia não engrenar depressa, pode nascer uma tempestade)

A China já está em fase de recuperação da Covid-19 e a economia do país dá sinais de vida, embora ainda longe dos patamares pré-pandemia. E o facto de o contágio continuar a alastrar por …

Cientistas de todo o mundo trabalham em 20 vacinas e 30 potenciais medicamentos

Cientistas em todo o mundo estão a trabalhar num total de 20 vacinas e 30 possíveis medicamentos contra o Covid-19, alguns dos quais já estão na última fase de testes antes da aprovação definitiva. De acordo …

Há uma vila na Lombardia sem infetados por Covid-19

Em Ferrera Erbognone, uma vila da Lombardia com mil habitantes e uma média de idades de 60 anos, ainda não se registaram casos de Covid-19, embora esteja no epicentro do surto em Itália. De acordo com …

Rei da Tailândia isola-se em hotel de luxo na Alemanha com 20 mulheres e vários servos

O rei da Tailândia, Maha Vajiralongkorn, decidiu isolar-se num hotel de luxo na cidade de Garmisch-Partenkirchen, na Alemanha, com a sua comitiva, que inclui um "harém" de 20 mulheres e vários servos. De acordo com o …

Rendas podem ser suspensas durante estado de emergência e mês seguinte

Empresas e famílias vão poder suspender o pagamento da renda nos meses em que vigore o estado de emergência e mês subsequente, de acordo com a proposta que cria um regime excecional de proteção aos …

Mais 11 pessoas detidas por desobediência. Número total sobe para 81

A PSP e a GNR detiveram até esta segunda-feira 81 pessoas pelo crime de desobediência no âmbito do estado de emergência iniciado dia 22 e decretado devido à pandemia de covid-19, anunciou o Ministério da …