Ao estilo de Black Mirror. Microsoft quer transformá-lo num chatbot depois de morrer

Podia ser um episódio de Black Mirror, mas é a vida real. A Microsoft quer “reencarnar” pessoas digitalmente através de chatbots, para que, no futuro, seja possível conversar com pessoas que já morreram através de um chat.

Se tivesse oportunidade, conversaria com um bot de um ente querido falecido? Apesar de a pergunta estar muito relacionada com um episódio da segunda temporada série Black Mirror, intitulado Be Right Back, a verdade é que a Microsoft pode estar a preparar terreno para fazer a mesma pergunta aos seus consumidores.

O Interesting Engineering escreve que, em dezembro, o departamento de licenciamento de tecnologias da Microsoft recebeu a permissão de registo de uma patente para criar um chatbot totalmente virtual capaz de simular a personalidade de uma pessoa. A patente está disponível no site do U.S. Patent and Trademark Office.

O documento explica que o chatbot pode ser baseado num amigo ou parente falecido. No fundo, a tecnologia seria alimentada com informações (como imagens, áudios e até publicações nas redes sociais), algo considerado fundamental para identificar padrões de forma e estilo.

Quanto mais informação disponibilizada, mais real e completo seria o bot. Aliás, a patente adianta que a voz da pessoa em questão poderia ser escutada e a imagem reproduzida, na medida em que “pode ser gerado um modelo 2D/3D usando imagens, informações de profundidade e/ou dados de vídeo associados à pessoa específica”.

O caso específico de criação de um chatbot de uma pessoa falecida é citado como uma das possibilidades de uso do sistema. Este plano reflete o enredo do episódio Be Right Back, de Black Mirror, no qual uma viúva conversa com uma versão robô do seu falecido marido através de um serviço fornecido por uma empresa de tecnologia.

A ideia mais simples, e que envolve menos questões éticas, é a criação de um chat com uma personalidade “menos robótica” e mais próxima da humana.

O Interesting Engineering salienta que a tecnologia coloca em cima da mesa questões éticas e relacionadas com os regulamentos em torno dos dados post-mortem. A falta de regulamentação em torno dos dados das pessoas após a morte significa que, em teoria, qualquer pessoa poderia recolher os dados de uma pessoa falecida e fornecê-los a um serviço de criação de um chatbot sem o consentimento prévio da pessoa.

Para já, há muitas perguntas sem resposta: No futuro, será igual? Os regulamentos vão permitir às empresas fazer versões digitais de seres humanos sem o seu consentimento? As empresas vão assumir a responsabilidade de pedir esse consentimento?

A verdade é que os pedidos de patentes nem sempre significam que um produto passará a existir. A ideia pode ressuscitar daqui a alguns anos ou, simplesmente, morrer.

Liliana Malainho Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

O mistério do "lago dos esqueletos" na Índia intriga cientistas há décadas

O Roopkund, localizado na parte indiana dos Himalaias, é um lago glacial com centenas de ossos humanos. E ninguém sabe como foram lá parar. Em 1942, um guarda florestal revelou ao mundo a existência deste lago …

A fronteira mais importante da China é imaginária: a Linha Hu

A Linha Hu, também conhecida como linha Heihe-Tengchong, é uma linha imaginária que divida a China em duas partes com áreas quase iguais. Estende-se da cidade de Heihe até Tengchong. Desenhada pela primeira vez em 1935, …

Algumas pessoas moram em aeroportos durante meses (ou até mesmo anos)

Aeroportos não servem de casa apenas para os sem-abrigo. Há pessoas que, involuntariamente ou não, ficam lá durante meses e, em alguns casos, até mesmo anos. Em janeiro, as autoridades de Chicago prenderam um homem de …

Senado da Carolina do Sul aprova fuzilamento como método de execução

Com esta decisão, a Carolina do Sul poderá converter-se no quarto estado do país a incorporar este método de execução de pena de morte, depois do Utah, Oklahoma e Mississípi. De acordo com a agência noticiosa …

"Oxigénio tornou-se ouro". Criminosos lucram com a sua escassez no México

A pandemia de covid-19 deixou a Cidade do México a atravessar uma grande escassez de oxigénio médico. Criminosos estão a aproveitar para lucrar com a situação. A capital mexicana registou um pico de infeções e hospitalizações …

Meteorito do tamanho de um damasco caiu em França (e os astrónomos precisam de ajuda para encontrá-lo)

Os entusiastas do Espaço estão a ser instados a procurar um meteorito do tamanho de um damasco que caiu no fim de semana passado no sudoeste de França.  O meteorito, com peso estimado em 150 gramas, …

Professora pediu a alunos para fingir que eram escravos e escreverem carta para África

Uma professora de uma escola secundária no Mississippi, nos Estados Unidos, está a ser alvo de críticas devido a uma fotografia de um trabalho de casa divulgada nas redes sociais. Foi pedido aos alunos do 8.º …

Obra de Churchill que pertencia a Angelina Jolie vendida por valor recorde

O quadro pintado pelo antigo primeiro-ministro britânico foi vendido por 8,3 milhões de libras. A pintura foi um presente de Winston Churchill para o presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, e agora foi leiloada …

Milhares fugiram, mas Sakae Kato ficou. O homem que salva gatos abandonados em Fukushima há 10 anos

Durante a última década, um homem em Fukushima, no Japão, tem salvado todos os gatos na área abandonada de onde milhares de pessoas fugiram durante o desastre da central nuclear - e ainda continua a …

Governador de Nova Iorque "reescreveu relatório" para esconder mortes em lares

  Assistentes do governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, terão reescrito um relatório das autoridades de saúde locais, no verão de 2020, que apontava para um número de mortes por covid-19 nos lares de idosos muito …