Ao estilo de Black Mirror. Microsoft quer transformá-lo num chatbot depois de morrer

Podia ser um episódio de Black Mirror, mas é a vida real. A Microsoft quer “reencarnar” pessoas digitalmente através de chatbots, para que, no futuro, seja possível conversar com pessoas que já morreram através de um chat.

Se tivesse oportunidade, conversaria com um bot de um ente querido falecido? Apesar de a pergunta estar muito relacionada com um episódio da segunda temporada série Black Mirror, intitulado Be Right Back, a verdade é que a Microsoft pode estar a preparar terreno para fazer a mesma pergunta aos seus consumidores.

O Interesting Engineering escreve que, em dezembro, o departamento de licenciamento de tecnologias da Microsoft recebeu a permissão de registo de uma patente para criar um chatbot totalmente virtual capaz de simular a personalidade de uma pessoa. A patente está disponível no site do U.S. Patent and Trademark Office.

O documento explica que o chatbot pode ser baseado num amigo ou parente falecido. No fundo, a tecnologia seria alimentada com informações (como imagens, áudios e até publicações nas redes sociais), algo considerado fundamental para identificar padrões de forma e estilo.

Quanto mais informação disponibilizada, mais real e completo seria o bot. Aliás, a patente adianta que a voz da pessoa em questão poderia ser escutada e a imagem reproduzida, na medida em que “pode ser gerado um modelo 2D/3D usando imagens, informações de profundidade e/ou dados de vídeo associados à pessoa específica”.

O caso específico de criação de um chatbot de uma pessoa falecida é citado como uma das possibilidades de uso do sistema. Este plano reflete o enredo do episódio Be Right Back, de Black Mirror, no qual uma viúva conversa com uma versão robô do seu falecido marido através de um serviço fornecido por uma empresa de tecnologia.

A ideia mais simples, e que envolve menos questões éticas, é a criação de um chat com uma personalidade “menos robótica” e mais próxima da humana.

O Interesting Engineering salienta que a tecnologia coloca em cima da mesa questões éticas e relacionadas com os regulamentos em torno dos dados post-mortem. A falta de regulamentação em torno dos dados das pessoas após a morte significa que, em teoria, qualquer pessoa poderia recolher os dados de uma pessoa falecida e fornecê-los a um serviço de criação de um chatbot sem o consentimento prévio da pessoa.

Para já, há muitas perguntas sem resposta: No futuro, será igual? Os regulamentos vão permitir às empresas fazer versões digitais de seres humanos sem o seu consentimento? As empresas vão assumir a responsabilidade de pedir esse consentimento?

A verdade é que os pedidos de patentes nem sempre significam que um produto passará a existir. A ideia pode ressuscitar daqui a alguns anos ou, simplesmente, morrer.

Liliana Malainho Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

No funeral de Filipe, a família real não vai usar uniformes militares "para evitar envergonhar Harry"

No funeral do duque de Edimburgo os membros da família real não vão usar uniformes militares. A quebra na tradição é justificada como medida "para evitar envergonhar" o príncipe Harry. Segundo o The Sun, a decisão …

FBI diz que grupos radicais dos EUA têm fortes ligações com extrema-direita europeia

O diretor do FBI revela que os radicais norte-americanos são os que têm os laços internacionais mais vastos e que se têm deslocado para se encontrarem com outros ativistas. Os norte-americanos de extrema-direita e com motivações …

Nova espécie de pterossauro revela o polegar opositor mais antigo de sempre

Cientistas descobriram uma nova espécie de pterossauro que viveu durante o período Jurássico e que subia às árvores graças aos seus polegares opositores. Esta característica nunca tinha sido observada nestes animais. De acordo com a rede …

Devido ao sucesso da vacinação, Israel põe fim à obrigatoriedade de uso de máscara no exterior

As autoridades israelitas anunciaram hoje que a partir do próximo domingo acabará a obrigatoriedade de uso de máscara no exterior, medida no quadro do levantamento progressivo das restrições ligadas à pandemia de covid-19. Na primavera de …

A rainha Isabel de Castela ficou conhecida por cheirar mal (mas novos documentos põem fim aos mitos)

A famosa rainha Isabel I de Castela, em Espanha, era conhecida por lavar-se pouco e cheirar mal. Contudo, documentos recém-descobertos mostram que possuía uma quantidade enorme de perfumes de grande valor. Isabel I financiou a viagem …

Instagram testa opção que permite ocultar ou mostrar o número de likes

O Instagram vai começar a testar uma nova opção que dá aos seus utilizadores a possibilidade de esconder os likes recebidos nas publicações. Em 2019, a empresa começou por forçar esta mudança, aplicando-a a alguns utilizadores …

Atlético de Madrid: o que aconteceu a João Félix e companhia?

Equipa de Diego Simeone tinha vantagem confortável sobre os dois maiores rivais e, em pouco tempo, só ganhou metade dos pontos que poderia ter ganhado. Ainda lidera mas tem três adversários muito perto. Em Portugal, no …

EUA impõe novas sanções e expulsam dez diplomatas russos. Moscovo promete resposta “inevitável”

O Governo dos EUA anunciou hoje novas sanções financeiras contra a Rússia e a expulsão de 10 diplomatas russos, em resposta a recentes ataques cibernéticos e à interferência na eleição presidencial de 2020 atribuída a …

Rede 5G pode transmitir energia elétrica e substituir baterias

Os investigadores descobriram uma maneira inovadora de explorar a capacidade das redes 5G, transformando-as numa “rede elétrica sem fios” de modo a alimentar dispositivos de Internet das Coisas (IoT) que precisam de baterias para funcionar. Os …

Itália vai enviar réplica de David de Michelangelo para o Dubai

No final de abril, Itália vai enviar uma réplica em tamanho real do famoso David de Michelangelo, feita com impressoras 3D, para a Exposição Universal do Dubai, que se irá realizar de 1 de outubro …