Ao estilo de Black Mirror. Microsoft quer transformá-lo num chatbot depois de morrer

Podia ser um episódio de Black Mirror, mas é a vida real. A Microsoft quer “reencarnar” pessoas digitalmente através de chatbots, para que, no futuro, seja possível conversar com pessoas que já morreram através de um chat.

Se tivesse oportunidade, conversaria com um bot de um ente querido falecido? Apesar de a pergunta estar muito relacionada com um episódio da segunda temporada série Black Mirror, intitulado Be Right Back, a verdade é que a Microsoft pode estar a preparar terreno para fazer a mesma pergunta aos seus consumidores.

O Interesting Engineering escreve que, em dezembro, o departamento de licenciamento de tecnologias da Microsoft recebeu a permissão de registo de uma patente para criar um chatbot totalmente virtual capaz de simular a personalidade de uma pessoa. A patente está disponível no site do U.S. Patent and Trademark Office.

O documento explica que o chatbot pode ser baseado num amigo ou parente falecido. No fundo, a tecnologia seria alimentada com informações (como imagens, áudios e até publicações nas redes sociais), algo considerado fundamental para identificar padrões de forma e estilo.

Quanto mais informação disponibilizada, mais real e completo seria o bot. Aliás, a patente adianta que a voz da pessoa em questão poderia ser escutada e a imagem reproduzida, na medida em que “pode ser gerado um modelo 2D/3D usando imagens, informações de profundidade e/ou dados de vídeo associados à pessoa específica”.

O caso específico de criação de um chatbot de uma pessoa falecida é citado como uma das possibilidades de uso do sistema. Este plano reflete o enredo do episódio Be Right Back, de Black Mirror, no qual uma viúva conversa com uma versão robô do seu falecido marido através de um serviço fornecido por uma empresa de tecnologia.

A ideia mais simples, e que envolve menos questões éticas, é a criação de um chat com uma personalidade “menos robótica” e mais próxima da humana.

O Interesting Engineering salienta que a tecnologia coloca em cima da mesa questões éticas e relacionadas com os regulamentos em torno dos dados post-mortem. A falta de regulamentação em torno dos dados das pessoas após a morte significa que, em teoria, qualquer pessoa poderia recolher os dados de uma pessoa falecida e fornecê-los a um serviço de criação de um chatbot sem o consentimento prévio da pessoa.

Para já, há muitas perguntas sem resposta: No futuro, será igual? Os regulamentos vão permitir às empresas fazer versões digitais de seres humanos sem o seu consentimento? As empresas vão assumir a responsabilidade de pedir esse consentimento?

A verdade é que os pedidos de patentes nem sempre significam que um produto passará a existir. A ideia pode ressuscitar daqui a alguns anos ou, simplesmente, morrer.

  Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Estudo da Universidade do Minho defende legalização da prostituição em Portugal

Um estudo de um investigador da Universidade do Minho (UMinho) defende a legalização da prostituição em Portugal e denuncia a “ineficácia do modelo abolicionista” em vigor desde 1983, anunciou esta quinta-feira aquela academia. Em comunicado, a …

Dispositivo vestível impresso a 3D não precisa de ser carregado

Um grupo de especialistas desenvolveu um dispositivo vestível a que chamaram “dispositivo biossimbiótico”, que conta com vários benefícios. O novo dispositivo é impresso em 3D, personalizado e baseado em análises corporais dos utilizadores e ainda pode …

Microsoft encerra o LinkedIn na China devido às restrições locais

A Microsoft informou esta quinta-feira que irá encerrar a rede profissional LinkedIn na China até ao final do ano, justificando a decisão com a existência de um "ambiente operacional difícil", segundo a agência France-Presse (AFP). O …

Ceni anunciado mas adeptos avisam: "Só será treinador se falar connosco antes"

Mudança de treinador no São Paulo: saiu Crespo e regressou a "lenda" do clube, Ceni. Mas há palavras que não se esquecem... Mais uma mudança de equipa técnica no Brasileirão. Desta vez no São Paulo, que …

No Japão, milhares de idosos morrem sozinhos. Agora, um sistema ajuda na deteção de cadáveres nas casas

Monitorização dos edifícios permite perceber se há movimento dos ocupantes dentro das casas. Desta forma, é mais fácil evitar que corpos em decomposição permanecem no local ao longo de muito tempo. O Japão é um dos …

"Nunca tive tanto medo na minha vida". Ruth estava a dormir quando meteorito lhe caiu na cama

A mulher ficou assustada com o incidente, mas acabou por sair ilesa. Agora, pretende recuperar dos danos causados e admite que quer conservar a pedra. Parece ficção, mas a história aconteceu na cidade de Golden, no …

Corrida ao peru de Natal. Britânicos temem não ter a iguaria na mesa - e a culpa é do Brexit

No Reino Unido, há falta de mão de obra na agricultura e a criação de perus está a ser uma das áreas mais afetadas. Procura da iguaria natalícia já aumentou. Na quinta "Flower Farm", no coração …

Paulo Rangel vai candidatar-se à liderança do PSD "independentemente de qualquer calendário"

O eurodeputado Paulo Rangel vai anunciar que se candidata à liderança do PSD numa intervenção no perante os conselheiros esta noite. Paulo Rangel quer candidatar-se à liderança do PSD, segundo avançaram o Observador e a TVI. …

México venceu, apesar de não deixarem os jogadores dormir

Adeptos de El Salvador acrescentaram um episódio à rivalidade com o México. Corona começou no banco mas entrou logo aos 20 minutos. O México continua o seu percurso vitorioso rumo à fase final do Mundial 2022. …

“Esqueceram-se de nós". Bombeiros fazem greve de dois dias em novembro devido ao OE

Os bombeiros profissionais marcaram greve para os dias 11 e 12 novembro para contestarem a proposta de Orçamento do Estado para 2022, que "se esqueceu completamente" da classe, anunciaram hoje a associação e o sindicato …