Biólogos da UA usam vírus inócuo ao homem para destruir bactérias na água

rogersmith / Flickr

Tanques de aquacultura

Uma técnica desenvolvida por uma equipa de investigadores da Universidade de Aveiro usa um vírus para destruir as bactérias em água contaminada em aquaculturas.

Desenvolvida pelo Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro, a “terapia fágica” consiste na eliminação das bactérias patogénicas pela ação do vírus fagos, inócuo para os humanos.

É apontada como uma alternativa inovadora aos métodos habitualmente utilizados, capaz de reduzir mil vezes mais o número de bactérias presentes na água, e faz decrescer substancialmente o impacto ambiental e os riscos para a saúde pública derivados da utilização massiva de outros produtos para descontaminar.

“Face à importância da aquacultura para compensar a redução das populações piscícolas, e para diminuir as perdas económicas devidas às infeções bacterianas comuns nessa atividade, desenvolvemos um novo procedimento para descontaminar as águas piscícolas”, explica Adelaide Almeida, investigadora do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM) da Universidade de Aveiro e coordenadora do trabalho “Terapia fágica como alternativa de baixo impacto ambiental para inativar bactérias patogénicas em pisciculturas”.

Segundo a bióloga, embora a vacinação seja o método ideal para impedir infeções, “as vacinas disponíveis são ainda limitadas e podem ainda ser pouco ativas nas primeiras fases de vida dos peixes, quando o sistema imunitário ainda não está totalmente desenvolvido”.

UA.pt

A bióloga Adelaide Almeida, investigadora da Universidade de Aveiro

A bióloga Adelaide Almeida, investigadora da Universidade de Aveiro

Quanto à administração de antibióticos (quimioterapia), “apesar de ser geralmente eficaz, constituindo atualmente a primeira opção no tratamento das infeções bacterianas, pode levar, através do seu uso frequente, ao desenvolvimento de resistências, que fatalmente acabam por se transmitir aos microrganismos que infetam os seres humanos”, explica Adelaide Almeida.

A “terapia fágica” para as águas utilizadas nas pisciculturas quer constituir-se como uma alternativa verde aos processos de descontaminação utilizados atualmente e que “podem acarretar grandes impactos para o meio ambiente e, consequentemente, para a saúde pública”.

Além do facto de a resistência aos antibióticos ser extremamente dispendiosa para o setor da aquacultura também é, por isso, um problema incontornável de saúde pública, devido à fácil propagação dos microrganismos.

O peixe proveniente de aquacultura é visto ainda por parte dos consumidores como um produto de qualidade inferior ao peixe selvagem, o que é associado muitas vezes à presença de antibióticos, pelo que a utilização alternativa da “terapia fágica” pode levar os consumidores a terem uma maior confiança no peixe produzido em aquacultura.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O titanossauro mais antigo do mundo foi descoberto na Patagónia

Ninjatitan zapatai viveu há aproximadamente 140 milhões de anos, no início do Cretáceo, na atual Patagónia, na Argentina. Segundo os cientistas, o novo espécime fóssil de tiranossauro pode ser o mais antigo do mundo. Com cerca …

Volvo prepara mudança estratégica e apresenta o seu novo modelo 100% elétrico: o C40 Recharge

A marca de automóveis sueca apresentou o seu novo modelo 100% elétrico: o C40 Recharge. O modelo representa mais um passo no caminho para a eletrificação total da Volvo, já que esta semana a marca …

Benfica 2-0 Estoril | Águia carimba presença na final

O Benfica venceu o Estoril Praia por 2-0, no Estádio da Luz, e apurou-se para a final da Taça de Portugal, a segunda consecutiva do emblema “encarnado”. Os comandados de Jorge Jesus confirmaram a superioridade …

Um reator nuclear pode ajudar a resolver o mistério do desaparecimento de Amelia Earhart

Uma equipa de investigadores da Universidade Estadual da Pensilvânia, nos Estados Unidos, vai submeter uma folha de alumínio velha e gasta a um feixe de partículas do coração de um reator nuclear na esperança de …

Musk quer criar uma nova cidade no local de lançamento da SpaceX. Vai chamar-se Starbase

O empresário norte-americano Elon Musk está a tentar criar uma nova cidade chamada Starbase nas instalações de lançamento da SpaceX no Texas, nos Estados Unidos. As instalações da SpaceX no Texas estão localizadas em Boca Chica …

Chatbots: A tecnologia que "ressuscita" os mortos é cada vez mais uma realidade

Foi recentemente revelado que em 2017 a Microsoft patenteou um chatbot que, se construído, ressuscitaria digitalmente os mortos. Usando Inteligência Artificial e machine learning, o chatbot proposto traria o nosso ente querido de volta à …

Casal acertou no jackpot de 210 milhões de euros do Euromilhões (mas não registou o boletim)

Dois jovens britânicos pensaram que tinham ganho 182 milhões de libras (cerca de 210 milhões de euros), mas afinal o boletim não tinha sido registado por falta de dinheiro na conta online. Rachel Kennedy, de 19 …

A Islândia foi atingida por 17 mil terramotos na semana passada (e uma erupção pode estar iminente)

Mesmo para uma ilha vulcânica acostumada a tremores ocasionais, esta foi uma semana incomum para a Islândia. De acordo com o Escritório Meteorológico da Islândia, cerca de 17 mil terramotos atingiram a região sudoeste de …

Mulheres portuguesas trabalham mais uma hora e 13 minutos que os homens

As mulheres portuguesas trabalham em cada dia útil mais uma hora e 13 minutos do que os homens, entre trabalho pago e não pago, continuando a ter maior dificuldade em conciliar a profissão com a …

Três sismos acima de 7 na escala de Richter abalam a Nova Zelândia. Autoridades alertam para tsunami

A costa nordeste da Nova Zelândia foi esta quinta feira atingida por três sismos de magnitude acima de 7 na escala de Richter. A proteção civil emitiu um alerta de tsunami após o primeiro terramoto, …