Biólogos da UA usam vírus inócuo ao homem para destruir bactérias na água

rogersmith / Flickr

Tanques de aquacultura

Uma técnica desenvolvida por uma equipa de investigadores da Universidade de Aveiro usa um vírus para destruir as bactérias em água contaminada em aquaculturas.

Desenvolvida pelo Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro, a “terapia fágica” consiste na eliminação das bactérias patogénicas pela ação do vírus fagos, inócuo para os humanos.

É apontada como uma alternativa inovadora aos métodos habitualmente utilizados, capaz de reduzir mil vezes mais o número de bactérias presentes na água, e faz decrescer substancialmente o impacto ambiental e os riscos para a saúde pública derivados da utilização massiva de outros produtos para descontaminar.

“Face à importância da aquacultura para compensar a redução das populações piscícolas, e para diminuir as perdas económicas devidas às infeções bacterianas comuns nessa atividade, desenvolvemos um novo procedimento para descontaminar as águas piscícolas”, explica Adelaide Almeida, investigadora do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM) da Universidade de Aveiro e coordenadora do trabalho “Terapia fágica como alternativa de baixo impacto ambiental para inativar bactérias patogénicas em pisciculturas”.

Segundo a bióloga, embora a vacinação seja o método ideal para impedir infeções, “as vacinas disponíveis são ainda limitadas e podem ainda ser pouco ativas nas primeiras fases de vida dos peixes, quando o sistema imunitário ainda não está totalmente desenvolvido”.

UA.pt

A bióloga Adelaide Almeida, investigadora da Universidade de Aveiro

A bióloga Adelaide Almeida, investigadora da Universidade de Aveiro

Quanto à administração de antibióticos (quimioterapia), “apesar de ser geralmente eficaz, constituindo atualmente a primeira opção no tratamento das infeções bacterianas, pode levar, através do seu uso frequente, ao desenvolvimento de resistências, que fatalmente acabam por se transmitir aos microrganismos que infetam os seres humanos”, explica Adelaide Almeida.

A “terapia fágica” para as águas utilizadas nas pisciculturas quer constituir-se como uma alternativa verde aos processos de descontaminação utilizados atualmente e que “podem acarretar grandes impactos para o meio ambiente e, consequentemente, para a saúde pública”.

Além do facto de a resistência aos antibióticos ser extremamente dispendiosa para o setor da aquacultura também é, por isso, um problema incontornável de saúde pública, devido à fácil propagação dos microrganismos.

O peixe proveniente de aquacultura é visto ainda por parte dos consumidores como um produto de qualidade inferior ao peixe selvagem, o que é associado muitas vezes à presença de antibióticos, pelo que a utilização alternativa da “terapia fágica” pode levar os consumidores a terem uma maior confiança no peixe produzido em aquacultura.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

CIA tentou desenvolver um "drone-pássaro" nuclear para espiar a União Soviética na Guerra Fria

Durante a Guerra Fria, a CIA tentou desenvolver um drone nuclear do tamanho de um pássaro para espiar a União Soviética e outros países do bloco comunista. Porém, o projeto nunca foi concluído. De acordo com …

Para combater o desperdício, China acaba com os banquetes tradicionais

Conhecidos pela gastronomia e pelo bom apetite, os chineses terão de adotar a austeridade, invertendo a tradição, que exige que sejam servidos à mesa tantos pratos quantos forem os convidados e mais um. A nova regra …

Com apenas 4 dólares é possível dormir na última Blockbuster. E ainda participa na festa pijama

Já sente saudades de sair de casa para ir alugar um filme e comprar umas pipocas? A última loja da icónica Blockbuster está agora disponível no Airbnb. A antiga loja da cadeia americana pode ser …

Espanha com quase mais 3.000 novos casos. É o maior aumento desde maio

Espanha registou o maior número de infeções de covid-19 desde o final de maio, com 2.935 novos casos nas últimas 24 horas, anunciou o Ministério da Saúde, ressalvando que o balanço inclui dados de Madrid …

Escolas devem reabrir normalmente. Governo preparado para decisões diferentes

As escolas devem reabrir em situação de normalidade e só uma evolução negativa da pandemia levará a decisões contrárias, de maior ou menor alcance, que o Governo disse esta quinta-feira estar preparado para tomar. Na conferência …

Família de ativista saudita teme que esteja a ser torturada na prisão

Familiares de uma importante ativista dos direitos das mulheres da Arábia Saudita, detida desde maio de 2018, temem que esteja a ser torturada na prisão, uma vez que não dá notícias há vários meses. Loujain al-Hathloul, …

Governo disponível para retomar reuniões no Infarmed (mas nega falta de informação)

O Governo manifestou esta quinta-feira “abertura para retomar as reuniões” no Infarmed sobre o ponto de situação da epidemia de covid-19, mas rejeitou falhas na informação ao parlamento e aos partidos. Na conferência de imprensa do …

Israel e Emirados Árabes Unidos alcançam "acordo histórico" mediado pelos Estados Unidos

O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou esta quinta-feira que Israel e os Emirados Árabes Unidos concordaram em estabelecer relações diplomáticas plenas, como parte de um acordo para impedir a anexação israelita de terras ocupadas pelos …

Em contingência, Câmaras de Lisboa passam a definir horários do comércio. O (pouco) que muda este sábado

A generalidade de Portugal continental continuará em situação de alerta e a Área Metropolitana de Lisboa em situação de contingência até ao final do mês devido à pandemia de covid-19, anunciou o Governo. Segundo explicou esta …

Três meses depois do anúncio, o apoio de emergência às Artes ainda não chegou

Cinquenta das 311 entidades abrangidas pela Linha de Apoio de Emergência às Artes, dotada de 1,7 milhões, ainda não tinham esta quinta-feira recebido o valor que lhes foi atribuído, três meses depois do anúncio dos …