“Big tech” acusadas de terem demasiado poder no Congresso dos EUA

Graeme Jennings / Washington Examiner

Os quatro principais grupos empresariais norte-americanos da internet – Google, Apple, Facebook e Amazon, que motivam o acrónimo GAFA – “têm demasiado poder”, disse hoje o presidente da audição que decorre no Congresso dos EUA.

A acusação foi feita pelo democrata David Cicilline, que está a dirigir a audição aos dirigentes daquelas quatro empresas suspeitas de abuso de posição dominante.

Apresentando números esclarecedores sobre o peso económico destes conglomerados, Cicilline sublinhou a necessidade de investigar as suas práticas, hoje mais do que nunca, porque “devem sair (da pandemia) mais fortes e poderosos do que antes”.

Ao intervir a seguir, o republicano Jim Sensenbrenner realçou que “ser grande não é mau em si”, considerando que “na América (EUA) é mesmo ao contrário, em que se é recompensado pelo sucesso”, antes de desenvolver a questão principal desta audição para o seu partido: será que as redes sociais estão enviesadas, e a censurar, as vozes conservadoras?

As GAFA esmagam a concorrência, acusam os democratas; as GAFA fazem censura, queixam-se os republicanos. Os congressistas procuram sintetizar anos de frustração face às empresas que dominam a internet mundial.

Sundar Pichai, da Alphabet, a ‘holding’ da Google, Tim Cook, da Apple, Mark Zuckerberg, da Facebook, e Jeff Bezos, da Amazon, foram ouvidos em videoconferência pela Comissão da Justiça da Câmara dos Representantes, em Washington, que investiga há um ano eventuais abusos de posição dominante.

As primeiras questões dos congressistas democratas concentraram-se em práticas que consideram anticoncorrenciais.

“As provas mostram claramente que a Google tornou-se no portal de acesso à internet e abusa do seu poder (…), garantindo, virtualmente, que toda a empresa que quer ser encontrada na internet deve pagar uma taxa à Google”, concluiu Cicilline, depois de uma série de questões a Sundar Pichai.

Por seu lado, o presidente da comissão parlamentar, Jerry Nadler, criticou Zuckerberg no terreno das aquisições, que “infringem as leis anticoncentração”.

Para exemplificar, disse: “A Facebook via a Instagram como uma ameaça (…), portanto (…) comprou-a”. Na réplica, Zuckerberg procurou argumentar que o sucesso da aplicação não estava garantido na época da sua aquisição.

Google e Facebook representam a quase totalidade das receitas publicitárias obtidas com o uso da internet, graças aos dados pessoais dos seus milhares de milhões de utilizadores.

Já a Apple e a Amazon são acusadas de serem juízes em causa própria nas suas plataformas, a loja de aplicações no caso da primeira, o sítio de comércio eletrónico no da segunda.

Como previsto por vários observadores, a menos de 100 dias das eleições presidenciais, as questões, em particular dos republicanos, rapidamente derivaram para as redes sociais e a sua relação com a liberdade de expressão.

As GAFA têm contribuído para o crescimento da economia dos EUA e permitem-lhe dominar a internet mundial, da comunicação ao comércio eletrónico.

Mas o seu domínio sobre os dados inquieta em termos de respeito da concorrência e também da privacidade, em particular depois dos escândalos das interferências estrangeiras nas eleições presidenciais norte-americanas de 2016.

Os quatro patrões puderam apresentar os seus argumentos durante afirmações preliminares, uma vez que os parlamentares pouco tempo lhes permitiram na sessão de perguntas e respostas.

Os quatro apelaram para o patriotismo dos congressistas.

As suas empresas, “orgulhosamente (norte-)americanas”, segundo Zuckerberg, devem o seu sucesso aos valores e às leis dos EUA, mencionando a democracia, a liberdade e a inovação.

“Não há garantias de que os nossos valores vão ganhar. A China, por exemplo, está a construir a sua própria versão de internet com ideias muito diferentes e a exportar essa visão para outros países”, segundo este jovem multimilionário.

As GAFA também destacaram os seus investimentos e as criações de emprego nos EUA e garantiram favorecer a competição, apesar de dizerem que enfrentam uma concorrência feroz.

Por seu lado, Jeff Bezos apresentou aos parlamentares a sua filosofia pessoal: “Quando nos olhamos ao espelho, avaliamos as críticas e pensamos que tomámos as boas decisões, nenhuma força do mundo nos deve conseguir fazer mudar”.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Nova Iorque quer oferecer vacina aos turistas. Miami vai começar a vacinar no aeroporto

Em Nova Iorque os turistas irão receber a vacina da Johnson & Johnson e em Miami a vacina da Pfizer. Com o objetivo de reativar o turismo na cidade, as autoridades de Nova Iorque querem oferecer …

Carta misteriosa escrita por passageira do Titanic está a intrigar os peritos

Uma equipa de investigadores está a tentar desvendar um mistério que envolve uma carta que terá sido escrita por uma jovem a bordo do Titanic na véspera do naufrágio. Uma família encontrou a carta numa garrafa …

Violência na Colômbia preocupa comunidade internacional

Várias cidades colombianas continuam a ser palco de violentas manifestações contra o Governo do país, mas são reprimidas com força pela polícia e por militares. As manifestações começaram em forma de protesto contra uma reforma tributária …

Veterana de Bletchley Park tem um novo código da 2.ª Guerra para decifrar (mas precisa de ajuda)

Um casal que encontrou mensagens codificadas da II Guerra Mundial sob o assoalho está tentar decifrá-las com a ajuda do seu vizinho, um decifrador de códigos de Bletchley Park. John e Val Campbell encontraram um esconderijo …

"Caixas mistério" com animais de estimação geram indignação na China

Uma nova moda conhecida como "caixa mistério" ganhou popularidade na China. O método consiste em fazer uma encomenda através da internet e é enviada, pelo correio, uma caixa com um animal de estimação. Estas encomendas estão …

Arquivos da polícia do Estado Islâmico revelam como era a vida sob o califado

Arquivos da polícia do Estado Islâmico, conhecida como shurta, revelam como era a vida sob o califado. Os polícias eram tão bem pagos que não podiam ser subornados. Não é sempre que os regimes mirram …

Barco português detido por ancorar ilegalmente em águas da Malásia

Um navio mercante registado em Portugal está retido na Malásia por ter alegadamente ancorado em águas territoriais do país sem autorização, avançou esta sexta-feira a Guarda Costeira malaia. Num comunicado, Nurul Hizam Zakaria, diretor da agência …

”Eficácia e qualidade”. OMS aprova vacina chinesa da Sinopharm

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou, esta sexta-feira, o uso de emergência da vacina chinesa contra a covid-19 da Sinopharm. Trata-se da primeira vacina desenvolvida pela China a ser aprovada pela organização, lembra a agência …

Sem estado de emergência não pode haver confinamento de pessoas saudáveis

O constitucionalista Jorge Reis Novais defendeu hoje que sem estado de emergência que suspenda a garantia do artigo 27.º da Constituição não pode haver confinamento de pessoas saudáveis, até uma eventual revisão constitucional. Por outro lado, …

"Neuro-direitos". O Chile quer proteger os seus cidadãos do controlo da mente

O Chile quer tornar-se o primeiro país a proteger as pessoas do controlo da mente, à medida que a capacidade de mexer com cérebros se aproxima cada vez mais da realidade. O senador Guido Girardi está …