/

Biden aprova medidas para reunificação de menores migrantes com as famílias

patquinnforillinois / Flickr

Joe Biden, Presidente dos EUA

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, vai ordenar hoje a constituição de um grupo de trabalho sobre reunificação de menores que foram separados dos pais após cruzarem a fronteira do México.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A separação de famílias tinha sido imposta pela anterior administração de Donald Trump.

Esta primeira iniciativa faz parte de um pacote de ordens executivas sobre imigração que Biden vai assinar hoje na Casa Branca e pretendem inverter o legado de Trump sobre a matéria.

Joe Biden “deixou claro que é uma prioridade inverter as políticas migratórias do governo de Trump que separaram milhares de famílias na fronteira”, disse uma alta funcionária da Casa Branca numa conferência de imprensa telefónica.

O grupo vai trabalhar com os países aliados do continente americano para encontrar os países dos menores que ainda se encontram sob custódia do governo.

Apesar de não existir um número exato sobre o número de menores separados pelo governo de Trump sob a estratégia “tolerância zero”, estima-se que podem ser cerca de mil.

De acordo com um documento judicial de dezembro, 628 menores continuavam separados, dos quais 333 tinham os progenitores nos Estados Unidos e 295 nos países de origem.

Biden vai assinar uma segunda ordem executiva sobre a gestão da migração na fronteira, tendo definido a política de Trump como “caótica, cruel e confusa”.

Entre outras medidas, a ordem executiva tem como objetivo “restabelecer o sistema de asilo”, criando vias para que os requerentes da América central possam entrar nos Estados Unidos.

Além do mais, o presidente ordenou ao Departamento de Segurança Nacional (DHS) para rever o programa “Permaneçam no México”, que Biden pretende suspender.

PUBLICIDADE

Finalmente, a terceira ordem executiva procura modificar totalmente todas as medidas recentes aprovadas pelo governo de Trump que estabeleceram “barreiras” ao sistema legal de imigração, como as penalizações pelo uso de “benefícios públicos”.

“O governo anterior promulgou centenas de políticas que contrariam a nossa hist​​​​​​ória e atingem o caráter dos Estados Unidos como terra aberta e de acolhimento”, disse a funcionária.

As ordens executivas sobre imigração juntam-se a outras aprovadas por Biden no primeiro dia após ter tomado posse como chefe de Estado, entre as quais ordenou suspender a construção do muro fronteiriço com o México, levantar o veto aos migrantes de países de maioria muçulmana e blindou o programa DACA que outorga autorizações de trabalho e residência a 650 mil jovens indocumentados.

Entretanto, altos responsáveis da administração disseram à France-Presse que o​​​​​​ presidente dos Estados Unidos, Joe Biden vai ordenar à administração para facilitar a naturalização de nove milhões de migrantes com a cidadania norte-americana.

Esta medida pode também vir a ser incluída nas medidas que Joe Biden vai assinar hoje na Casa Branca.

PUBLICIDADE

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.