/

Bicicletas de emergência. Veículo capaz de escapar ao trânsito já serve de “ambulância” em Paris

As bicicletas conseguem contornar engarrafamentos e estacionar em qualquer lugar, por isso costumam ser mais rápidas do que carros nas ruas congestionadas da cidade. É por isso que a “ebike-ambulância” da Emergency Bikes foi criada.

As grandes cidades são conhecidas pelos seus infames engarrafamentos. Paris, por exemplo, é a cidade mais congestionada da Europa. Cada minuto perdido no trânsito significa uma hipótese 10% mais pequena de sobrevivência para os pacientes.

Para combater este problema, a empresa Wunderman Thompson Paris imaginou, desenvolveu e fez parceria com a Ecox Enterprises para criar um veículo médico à medida das cidades. A bicicleta também foi desenvolvida com ajuda da UMP (Paris Emergency Services) e a fabricante de bicicletas de carga Urban Arrow, a última das quais forneceu a bicicleta elétrica de carga que serve como base.

Adicionada a essa bicicleta está uma caixa de armazenamento isolada de 150 litros para suprimentos médicos, uma buzina de 140 decibéis, uma lâmpada LED azul que pisca em alta intensidade, símbolos médicos nas tampas das rodas, pneus antifuros, uma unidade de GPS que permite o rastreamento de localização e uma porta USB para alimentar dispositivos portáteis.

O motor do suporte inferior é alimentado por duas baterias de lítio de 500 watts por hora, fornecendo uma autonomia de pedalada eletricamente assistida de até 160 quilómetros. Os freios a disco hidráulicos fornecem à bicicleta poder de frenagem.

Em delarações ao NewAtlas, um porta-voz da Wunderman Thompson disse que as bicicletas de emergência estão atualmente disponíveis “para qualquer serviço de emergência que esteja interessado” e que vários desses grupos já solicitaram bicicletas.

Segundo a empresa, um médico que testou o protótipo em Paris este verão comprou a primeira bicicleta de produção e agora usa-a diariamente ao responder a chamadas de emergência na cidade.

Apesar destas novas bicicletas, as ambulâncias convencionais continuam a ser necessárias para transportar pacientes para o hospital.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.