Benfica anuncia acordo com Roger Schmidt. Será o primeiro treinador estrangeiro em 13 anos

Sem Van Der Wal / EPA

Roger Schmidt, treinador do PSV Eindhoven.

Treinadores portugueses dominam século XXI na Luz, sobretudo nos últimos 16 anos. Técnico do PSV deve assinar até 2024.

O Benfica anunciou nesta quarta-feira que está a negociar com Roger Schmidt, treinador com quem o clube já chegou a um princípio de acordo.

O comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários avisa que a contratação ainda não está fechada, mas a conclusão das negociações deve chegar nos próximos dias, ou ainda antes do final desta temporada.

O treinador alemão, que continua a liderar o PSV Eindhoven até Junho (está na luta pelo título nacional com o Ajax), deverá assinar um contrato válido até 2024, com mais um ano de opção.

Roger Schimdt nasceu na Alemanha há 55 anos. Enquanto futebolista jogou por clubes alemães discretos.

Nos primeiros anos também orientou emblemas alemães, até que em 2012 “saltou“ para o Red Bull Salzburgo; foi campeão austríaco. Regressou à Alemanha para orientar o Bayer Leverkusen, rumou à China para o Beijing Guoan e está no PSV há dois anos.

Além de ter sido campeão nacional na Áustria, venceu também a Taça da Áustria, a Taça da China, a Taça dos Países Baixos e a Supertaça dos Países Baixos.

Roger Schmidt será o primeiro treinador estrangeiro a orientar o Benfica nos últimos 13 anos. Desde a passagem de Quique Flores que a Luz só recebe treinadores portugueses: Jorge Jesus (duas vezes), Rui Vitória, Bruno Lage e Nélson Veríssimo (duas vezes).

No século XXI, antes do espanhol Quique, estiveram no Benfica o também espanhol José Antonio Camacho, o holandês Ronald Koeman e o italiano (e o único campeão nacional) Giovanni Trapattoni.

Para trás ficaram técnicos estrangeiros marcantes como Otto Glória, Béla Guttmann, John Mortimore e Sven-Göran Eriksson, entre outros.

Desde cedo (anos 30 do século passado) até ao ano 2000, quando chegou José Mourinho, era muito frequente a direcção do Benfica contratar um treinador estrangeiro.

A mudança de século também trouxe mudança de nacionalidades, sobretudo desde 2006 – nos últimos 16 anos, só duas épocas (incompletas) decorreram sob alçada de técnicos estrangeiros, os espanhóis Camacho e Quique.

  Nuno Teixeira da Silva, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.