Caso do bebé sem rosto. Médico suspenso não viu que menina tinha duas vaginas, um rim e espinha bífida

O Conselho Disciplinar do Sul da Ordem dos Médicos suspendeu preventivamente o obstetra envolvido no caso do bebé que nasceu, em Setúbal, com malformações graves. Entretanto, surgem novos dados sobre suspeitas atribuídas ao médico noutros casos e o Bastonário pede “urgência” para avaliar estas situações.

O caso do bebé de Setúbal que nasceu sem rosto e sem parte do crânio é “complexo” e “grave”, mas que não é a norma, alerta o bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Miguel Guimarães, em declarações à TSF. “Não podemos confundir a árvore com a floresta”, salienta.

Todavia, Miguel Guimarães admite que há lapsos neste caso do obstetra que tem vários processos contra si, devido ao mesmo tipo de suspeitas. O Bastonário pede mesmo que seja implementado “uma espécie de Plano Marshall” para “recuperar todos os casos pendentes” no Conselho Disciplinar da OM para que estes casos sejam “rapidamente avaliados” e as pessoas envolvidas sejam “julgadas” e as devidas “penas aplicadas”.

As palavras de Miguel Guimarães visam directamente o Conselho Disciplinar da Região Sul da OM que tem vários processos pendentes contra o obstetra. Terá sido, aliás, por insistência do Bastonário que o órgão disciplinar se reuniu de urgência, nesta semana, acabando por suspender preventivamente o médico Artur Carvalho.

“Indícios muito fortes” de que cometeu “infracções”

A suspensão foi confirmada à Lusa por fonte oficial da OM, após reunião realizada em Lisboa. O Conselho Disciplinar do Sul da OM justifica a decisão com a “gravidade das infracções imputadas ao médico” que é arguido em vários processos e aos “indícios muito fortes de que efectivamente as cometeu”.

A OM constata ainda o “desprestígio” que a conduta do médico implica para a profissão “ao pôr em causa a confiança na qualidade dos serviços médicos obstétricos prestados em Portugal”.

“Tendo também em consideração o risco da continuação por parte do médico arguido da sua conduta, foi deliberada pelo Conselho Disciplinar Regional do Sul a suspensão preventiva”, acrescenta o comunicado, salientando que o processo disciplinar foi instaurado com a concordância de todos os membros do órgão disciplinar.

O Conselho Disciplinar Regional do Sul adianta ainda que, após a análise feita aos vários processos pendentes contra o médico, “existem fortes indícios de que as queixas poderão ter fundamento, sendo de realçar que não constam dos autos dos processos quaisquer respostas do arguido que possam contrariar tal convicção”.

A posição da OM surge no seguimento da gravidade das acusações contra o obstetra que, nas ecografias realizadas numa clínica de Setúbal, não detectou malformações graves no rosto e no crânio de um bebé que nasceu a 7 de Outubro no Hospital São Bernardo.

Malformações genitais, espinha bífida e só um rim

Além deste caso do bebé de Setúbal que nasceu sem rosto, o obstetra está também implicado num caso de uma bebé que nasceu com duas vaginas, dois retos, dois úteros, espinha bífida e só um rim, como relata o Observador.

A menina “já vai para a sexta cirurgia”, constata a publicação sobre mais um dos casos que implica o obstetra Artur Carvalho.

O médico também já respondeu por acusações após um parto que culminou com a morte de um bebé com seis meses de vida. Acabou ilibado das acusações, conforme avança o Público.

“A justiça ilibou-o duplamente de responsabilidades, primeiro a nível criminal e depois no tribunal cível”, aponta o diário.

Este caso reporta a uma gravidez de alto risco de uma mulher de 38 anos que deu entrada no Hospital de Setúbal, em Maio de 2007, com problemas de hipertensão.

A grávida ficou internada e foi-lhe induzido o parto, mas não tendo ainda dilatação suficiente para a criança nascer, acabou por ficar várias horas no serviço de urgência, durante o turno do obstetra.

Dêem-lhe chazinho, bolachas e um comprimido para as dores, que amanhã a médica dela resolve”, terá dito o médico aos enfermeiros perante as queixas de dores fortes e os apelos para que lhe fizessem uma cesariana.

Foi um enfermeiro que, por volta das 3 da madrugada, após cerca de 4 horas em trabalho de parto, detectou que o feto não apresentava batimentos cardíacos.

Perante a situação, teve de ser realizada uma cesariana de urgência. “A criança nasceu inanimada e com graves problemas de saúde por ter ficado asfixiada dentro da barriga da mãe”, aponta o Público.

Em declarações ao jornal, a grávida lamenta que “o médico ainda apareceu a dizer no final da cesariana: ‘Conseguimos salvar-lhe o útero’“.

O bebé acabou por morrer ao fim de seis meses de vida.

Apesar da queixa-crime apresentada contra o médico, o processo nunca chegou a tribunal “por falta de indícios suficientes da prática de crime”, refere o Público. No tribunal cível, o médico foi absolvido em 2017, depois de o colégio de obstetrícia da OM ter considerado que ele seguiu a “terapêutica correcta e adequada” para “a sobrevivência” de mãe e bebé, embora com “sequelas graves” para este.

Quanto ao caso que actualmente é notícia, o Conselho Disciplinar Regional do Sul da OM refere que “foram já desenvolvidas as diligências instrutórias necessárias” para ouvir os “esclarecimentos por parte do médico arguido” e para obter “todos os registos clínicos”, nomeadamente os “originais das ecografias obstétricas” e os “demais exames complementares de diagnósticos relativos à assistência médica prestada durante a gravidez e no pós-parto”.

Entretanto, o Conselho Disciplinar acrescenta que o relator dos vários processos que implicam o obstetra, um dos quais já tem mais de cinco anos, fez “uma exposição detalhada sobre cada um deles” e informou sobre “as diligências instrutórias adicionais que, entretanto, ordenou”, mas sem avançar o que se seguirá, nem esclarecer a demora das conclusões.

Entretanto, a Inspecção-Geral das Actividades em Saúde (IGAS) decidiu não abrir um inquérito autónomo ao caso, anunciando que acompanha o inquérito instaurado pelo Centro Hospitalar de Setúbal.

O Ministério Público já abriu um inquérito, no seguimento de uma queixa apresentada pela mãe.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …

Irão corta acesso à Internet após protestos contra a subida do preço da gasolina

O Irão cortou o acesso à internet no sábado, após os protestos contra o aumento do preço da gasolina, que provocaram fortes confrontos entre manifestantes e forças de segurança. O Irão cortou o acesso à internet …

A maior parte das Testemunhas de Jeová não apresenta queixa em caso de abuso sexual. Mas uma nova lei pode alterar essa realidade

Em casos de abuso sexual dentro organização religiosa Testemunhas de Jeová, a maior parte das vítimas não acusa os agressores por receio de serem excluídas, revelou um artigo da Vice. Agora, uma nova lei norte-americana, …

Hong Kong. Agente atingido por flecha e operação policial reforçada com canhão de água

Um polícia foi atingido numa perna por uma flecha lançada por manifestantes antigovernamentais e pró-democracia, informaram as forças de segurança, que reforçaram a operação no local com um canhão de água. Um polícia foi atingido …

Príncipe André nega ter abusado sexualmente de jovem de 17 anos

O príncipe André, filho de Isabel I, é acusado de ter abusado sexualmente de Virginia Giuffre, uma jovem que na altura tinha 17 anos. O caso remonta ao dia 10 de março de 2001 e, este …

FC Porto tira pão da boca ao Sporting ao desviar central brasileiro

Os 'dragões' podem estar perto de chegar a acordo para a transferência de Gustavo Henrique. O central do Santos estava em negociações com o Sporting, mas uma forte investida do FC Porto, pode ter mudado …