Barcelos e IPO adjudicaram mais de um milhão à esposa do autarca de Santo Tirso

(dr) W Global Comunication

Manuela Couta, esposa do Presidente da Câmara de Santo Tirso, Joaquim Couto

A Câmara Municipal de Barcelos e o IPO do Porto celebraram vários contratos, a maioria dos quais por ajuste direto, com as empresas de Manuela Couto, esposa do Presidente da Câmara de Santo Tirso, Joaquim Couto.

Serão estes contratos, que no total ascendem a mais de um milhão de euros, que estão sob suspeita da Polícia Judiciária que esta quarta-feira deteve os presidentes das câmaras de Barcelos e de Santo Tirso, Miguel Costa Gomes (PS) e Joaquim Couto (PS), o presidente do IPO do Porto, Laranja Pontes, e Manuela Couto, mulher do autarca de Santo Tirso e gestora das empresas de comunicação, revela o Diário de Notícias.

De acordo com a PJ, estão em causa práticas de corrupção, tráfico de influências e participação económica em negócio no âmbito da contratação pública.

Segundo escreve o DN, a Mediana, a Make It Happen e a My Press, empresas de Manuela Couto que operam no setor da comunicação e da organização de eventos, receberam da autarquia de Barcelos cerca de 860 mil euros por serviços na área da comunicação pública.

A My Press, cujo capital é deito 60% por Manuela Couto e 40% pela MIT – Make It Happen, a Câmara de Barcelos realizou sete contratos de aquisição de serviços por ajuste direito entre 2014 e 2018. Ao todo, escreve o jornal, são mais de 400 mil euros.

Já a Make It Happen (outra empresa do universo Couto, com Manuela Couto a deter 75% e Luís Couto (filho de Joaquim Couto) 25%), realizou dois ajustes diretos em 2012 que valem 150 mil euros, segundo aponta o site Base.Gov, consultado pelo DN.

A Mediana é a terceira empresa prestadora de serviços à Câmara de Barcelos. O contrato mais recente, aponta o DN, é datado de 26 de fevereiro deste ano e corresponde a um ajuste direto no qual a autarquia se compromete a pagar 19.400 euros pelo fornecimento de “serviços de coordenação de imagem e produção de conteúdos”. Desde 2012, contabilizar-se, pelo menos, oito contratos. Ao todo, valem 310 mil euros.

Também o IPO contratou os serviços da esposa do autarca de Santo Tirso. Na totalidade, foram celebrados 13 contratos, todos por ajuste direto, com a Mediana no valor de 360 mil euros no último ano e meio. O primeiro dos contratos, relativo à consultoria de imagem, foi celebrado em junho de 2017 por 33.740 euros.

O matutino recorda ainda que Joaquim Couto, também médico, foi colega de curso de Laranja Pontes na Faculdade de Medicina do Porto. Laranja Pontes, frisa a SIC Notícias, foi detido poucos dias antes de se reformar ao fim de 30 anos de carreira no hospital.

Quanto à Câmara de Santo Tirso, não foram encontrados contratos com as empresas de comunicação acima mencionadas. Em comunicado, a autarquia presidida por Joaquim Couto afirma que “de acordo com os autos apresentados pelos inspetores, estão a ser solicitadas informações sobre três assuntos: utilização de viaturas municipais por parte de elementos do executivo municipal; viagens de trabalho realizadas pelo executivo municipal; contratação de dois projetos de arquitetura”.

Escreve o jornal Público esta quinta-feira que Laranja Pontes é suspeito de favorecer empresas de Manuela Couto em troca da influência política do casal para se manter em funções. Uma suspeita similar é apontada ao presidente de Barcelos, que beneficiaria as várias empresas de Manuela Couto, para obter a ajuda do casal no campo político.

O jornal recorda que Miguel Costa Gomes se encontra a terminar o terceiro mandato na câmara e não pode concorrer novamente por ter atingido o limite legal.

“A investigação, centrada nas autarquias de Santo Tirso, Barcelos e Instituto Português de Oncologia do Porto, apurou a existência de um esquema generalizado, mediante a atuação concertada de autarcas e organismos públicos, de viciação fraudulenta de procedimentos concursais e de ajuste direto, com o objetivo de favorecer primacialmente grupos de empresas, contratação de recursos humanos e utilização de meios públicos com vista à satisfação de interesses de natureza particular”, informou a PJ em comunicado sobre a operação que foi apelidada de Operação Teia.

Manuela Couto já tinha sido detida no âmbito da Operação Éter, que investiga factos muito semelhantes envolvendo o Turismo do Porto e do Norte de Portugal, entidade a quem as suas empresas também prestavam serviços.

Neste momento, Manuela conta é arguida nessa investigação, tendo ficado em liberdade depois de pagar uma caução de 70 mil euros. O presidente do Turismo do Norte, Melchior Moreira, permanece em prisão preventiva no âmbito do mesmo processo.

A “Teia vai parir um rato”

O advogado Nuno Cerejeira Namora revelou que o presidente da Câmara de Barcelos está acusado de um crime de corrupção passiva, sublinhando que “a ‘Teia’ vai parir um rato”.

“À medida que começo a ter contacto com o processo, a nossa revolta, a minha e do senhor presidente da Câmara de Barcelos cresce de hora para hora. Na verdade, a ‘Teia’ [nome da operação da PJ em curso] vai parir um rato“, disse, em declarações aos jornalistas à saída das instalações da PJ.

“O processo está cheio de nada, de uma mão cheia de nada e de coisa nenhuma (…) Já sei [dos ajustes diretos em causa], mas não vos vou dizer porque se iam partir a rir com o ridículo desta acusação. É na realidade vergonhoso brincar com as autarquias, brincar com o poder local, brincar com a democracia, com um processo que não tem matéria absolutamente nenhuma”, acrescentou.

Já advogado Nuno Brandão, que representa Joaquim Couto e Manuela Couto, disse que as detenções são “ilegais”, considerando que as mesmas foram “injustificadas, desnecessárias e desproporcionais”.

“Gostaria de manifestar alguma incompreensão pelo facto de se proceder à detenção de pessoas cujo paradeiro é conhecido, sabe-se onde é que moram e não há razão para recear que se subtraiam à ação da justiça. Não se compreende a razão pela qual são detidas sem que sequer se comunique nos mandados de detenção os motivos que justificam a sua privação da liberdade (…) Parece-me que é uma privação da liberdade injustificada, desnecessária, desproporcionada”, defendeu.

Por sua vez, Pedro Ávila disse que Laranja Pontes “está tranquilo”, sublinhando que “normalmente os inocentes estão tranquilos”. Em declarações à saída das instalações da PJ do Porto, o advogado escusou-se a comentar o caso em concreto, dizendo apenas que o seu constituinte está “tranquilo, a tranquilidade dos inocentes”.

“Os inocentes normalmente estão tranquilos“, reiterou.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Está tudo escandalizado com o que se passa com os presidentes de Câmara de Santo Tirso e de Barcelos e ainda o presidente do IPO do Porto… e respetivas famílias…claro, ou pensam que as famílias não sabem de nada ou não estão metidas, também, neste imbróglio????
    Ou, melhor, pensam que isto não se passa em todo o país em todas as Câmaras? Porque se assim pensam é porque não vivem neste país, porque o que vemos, é os familiares dos detentores dos cargos políticos a serem escolhidos para empregos que podiam bem ser de outros quaisquer…mais competentes…
    E mais, se não for pela via do emprego é por outra via, como por exemplo pelos ajustes diretos em que os autarcas deste pais entregam trabalhos , utilizando o seu poder, a conhecidos ou familiares ,e se pensam de maneira diferente estão completamente enganados… E se por acaso alguém se levanta contra eles então a guerra começa e tudo pode acontecer…
    Mas depois é preciso provar o disse que disse, e as acusações de que são alvo, o que demora anos e anos e quando pensamos que já tudo acabou, vêm as amnésias deste ou daquele, que não se lembram de nada e por vezes até acontece o desaparecimento de provas…
    Chama-se a isto corrupção…e VERGONHA
    Mas não são eles que têm a culpa, porque todos nós temos a tendência de ir atrás dos discursos populistas proferidos por aqueles… Sejamos mais criteriosos nas nossas escolhas e saibamos escolher melhor quem metemos no poder… O voto, ainda é secreto…Não deixemos que a democracia adoeça…

  2. É com muita tristeza que digo o seguinte:Se a maioria das Câmaras do País fossem fiscalizadas por gente séria, estou convencido, que as cadeias Portuguesas não tinham capacidade para albergar toda essa “cambada”.
    Investiguem, todos, sem excepção e pode ser que este País entre nos eixos mas, não acredito muito ” a montanha vai pariu um rato” é tanta a “mixórdia”. Portugal ao que chegaste….é preciso uma nova revolução, que Democracia é esta?. Não foi para isto que se fez o 25 de Abril de 74.

  3. Se a Lei mudasse e em caso de condenação fossem obrigados a devolver em dobro aquilo que ilegitimamente ganharam, ou pagaram , então as coisas poderiam mudar . Outra alteração seria a de qualquer funcionário público , condenado por corrupção , seria imediatamente despedido e proibido de exercer funções no Estado para toda a vida .

  4. Quando Portugal é o 3º país da Europa ao nível da corrupção, está tudo dito. Aliás a corrupção como um manto pantanoso começa na AR.

  5. Estou farto de dizer: quanto mais pequeno for o Estado menos têm onde roubar.
    Vêm para aí com a treta do socialismos apenas para sacar o máximo nos impostos, engordar o Estado e promover negociatas como estas.
    E esta criatura também já estava enterrada até ao pescoço no processo do turismo do norte. Enfim, a ser verdade tudo isto uma verdadeira corja.

RESPONDER

Professores do Uganda deixam as salas de aula para se tornarem fabricantes de caixões low-cost

Quando a covid-19 obrigou ao encerramento das escolas no Uganda, Livingstone Musaala abriu mão do seu trabalho como professor de matemática para se dedicar à construção de caixões de valor acessível - numa altura em …

Casos de covid-19 entre os alunos mais novos não aumentaram no primeiro mês de aulas

Um mês depois do início do ano letivo, não se registou um aumento de casos de covid-19 entre os alunos mais novos. De acordo com o jornal Público, o regresso ao ensino presencial não se refletiu …

Imagem procurava mostrar que "Portugal e Espanha são mais fortes quando estão juntos", disse Vox a Ventura

O líder do Chega afirmou hoje que o Vox lhe transmitiu que, ao partilhar uma imagem da dinastia filipina onde mostra Portugal anexado por Espanha, pretendia mostrar que os dois países “são mais fortes quando …

Em La Palma, empresas usam drones para alimentar animais isolados pela lava

Duas empresas espanholas utilizam drones para alimentar os animais que estão encurralados no meio da lava lançada pelo vulcão de La Palma. Numa altura em que a lava se estende pela ilha a um ritmo muito …

CDS acusa Governo de comprar voto do PAN no OE com medida sobre as touradas

A deputada do CDS-PP Cecília Meireles acusou esta quinta-feira o Governo de estar a comprar o voto do PAN no Orçamento do Estado para 2022 com a proibição das touradas para menores de 16 anos. Na …

Se for eleita, Le Pen irá desmantelar as turbinas eólicas

A candidata à presidência francesa Marine Le Pen disse que, se for eleita presidente no próximo ano, acabará com todos os subsídios destinados às energias renováveis e derrubará as turbinas eólicas. Marine Le Pen, candidata do …

Sonae admite ser "inevitável" aumento de custos devido à subida do preço dos combustíveis

O administrador da Sonae MC Miguel Águas afirmou hoje que "é inevitável" que haja aumentos de custos ao longo da cadeia devido à subida do preço do combustível, mas trabalha para que "impacto não seja …

Entre promessas por cumprir e a saída do Afeganistão, Biden está a perder popularidade - e os Democratas estão preocupados

Já desde Agosto que a popularidade de Joe Biden tem estado em queda e a perda de energia nos eleitores independentes está a preocupar os Democratas na preparação para as intercalares do próximo ano. Uma …

Rússia e Arábia Saudita ponderam criar uma aliança de países produtores de gás

O vice-primeiro-ministro russo, Alexander Novak, e o ministro da Energia da Arábia Saudita discutiram hoje a ideia de criar uma aliança de países produtores de gás, perante a alta dos preços do “ouro azul”. Num fórum …

Liga anuncia empresa para centralização dos direitos televisivos

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença, anunciou nesta quinta-feira a constituição de uma empresa para a centralização dos direitos audiovisuais dos campeonatos profissionais. Pedro Proença, que falava durante as cerimónias de …