Banca. Aumento das comissões é “inevitável”

Mário Cruz / Lusa

A diretora-geral da Associação Portuguesa de Bancos disse esta sexta-feira ser “inevitável” que se verifique um aumento do peso relativo das comissões no produto bancário, assinalando que o próprio Banco Central Europeu tem reconhecido esta inevitabilidade.

Falando sobre os quatro grandes desafios do setor bancário, em que a rentabilidade é um deles, Catarina Cardoso precisou que, em Portugal, a capacidade para os bancos fazerem crescer o peso das comissões no produto bancário “está muito condicionada pelo contexto político e pela imagem do setor”, mas admitiu haver aqui uma inevitabilidade de “aumentar o peso relativo das comissões no produto bancário”.

A diretora-geral da APB, que falava sobre “Visão estratégica da banca na era ‘open-banking'” – um dos painéis inseridos no Fórum Financeiro Outlook 2019 “Portugal – De aqui para onde?”, que decorreu na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa – referiu que o próprio Banco Central Europeu “reconhece que na banca o desafio da rentabilidade vai ter de passar pelo desafio de aumentar o peso das comissões na medida em que a margem financeira está muito condicionada”, nomeadamente pelo contexto das taxas de juro.

A reputação, a reinvenção e a regulação foram os restantes desafios enumerados pela responsável da APB, que, relativamente a este último, referiu que as regras existentes não permitem aos bancos o que é permitido a outros, nomeadamente a novas entidades, como as ‘fintech’, que têm regras mais flexíveis.

A diferença regulatória entre uns e outros foi um reparo comum por parte dos banqueiros que intervieram no mesmo painel.

A presidente do Montepio Geral, Dulce Mota, referiu que, do ponto de vista da regulação, custos de instalação e contribuições, as novas entidades têm uma situação mais ligeira do que os bancos, desde logo porque, exemplificou, ao contrário destes, não estão obrigados a disponibilizar um serviço universal.

Também Luís Castro e Almeida, CEO do BBVA Portugal, se referiu ao tema dizendo que “a regulação das ‘fintech’ vai ser muito parecida com a que existe para os táxis e para a Uber: ambos são regulados, mas a regulação não é igual“.

Já Francisco Barbeira, do BPI, afirmou não acreditar “num mundo” em que haverá entidades reguladas e não reguladas e que as ‘fintech’ acabarão por ter o seu próprio desafio que é “lidar com a regulação” à medida que forem alargando o espetro dos serviços que querem prestar.

Apesar dos desafios e das diferenças ao nível da regulação, os banqueiros salientaram as oportunidades a vantagens que o novo ambiente traz aos bancos, tendo Luís Castro e Almeida precisado que o banco que representa vê as ‘fintech’ como “um parceiro para o negócio do ‘open-banking’, que vai permitir um maior foco e costumização do cliente”

Falando na sessão de encerramento, Hélder Rosalino, administrador do Banco de Portugal, disse discordar que haja uma regulação diferenciada com a intuito de criar desvantagens entre uns e outros, precisando que a regulação segue o “princípio do mesmo negócio, mesmo risco, mesmas regras”.

“Os reguladores têm nos seus principais focos a preocupação de assegurar que todas as entidades sujeitas à supervisão são tratadas de forma equivalente, tendo em consideração os serviços prestados e, necessariamente, a sua dimensão”, afirmou o administrador do Banco de Portugal.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Nokia vai criar para a NASA a primeira rede móvel operacional na Lua

O grupo finlandês Nokia vai fabricar para a NASA aquela que será a primeira rede móvel móvel na Lua, como parte de um projeto de base humana permanente da agência espacial norte-americana, foi esta segunda-feira …

Sarkozy acusado de "associação criminosa". Investigação sobre ligações à Líbia continua

Nicolas Sarkozy, o antigo Presidente francês, está a ser acusado de "associação criminosa" como parte de uma investigação sobre o financiamento da sua campanha presidencial de 2007, particularmente acerca dos seus alegados vínculos com o …

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em três milénios

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em quase três milénios, aponta uma nova investigação da Universidade de Massachusetts em Amherst, nos Estados Unidos, e da Universidade de Quebec, no Canadá. As …

NASA apresenta rover "transformer" que vai explorar os penhascos íngremes de Marte

A NASA acaba de apresentar um rover de quatro rodas, denominado DuAxel, que se pode dividir em dois rovers de duas rodas separados. O robô foi projetado para, um dia, explorar alguns dos terrenos mais …

Veneno de vespa pode ter muito "potencial" na composição de antibióticos

Com o passar dos anos, a população começa a ficar mais resistente a certos medicamentos e estes deixam de fazer efeito. Agora, uma equipa de investigadores desenvolveu novas moléculas anti-microbianas a partir do veneno de …

"Ou és infetado ou morres de fome". Trabalhadores da Amazon nas Filipinas denunciam condições precárias

Trabalhadores contratados pela empresa de segurança Ring da Amazon que trabalham em call centers nas Filipinas denunciam condições de trabalho que dizem ser precárias, mostrando-se ainda mais preocupados com a situação por causa da pandemia …

"Momento muito duro". André Almeida sofreu rotura de ligamentos e arrisca paragem longa

O futebolista internacional português André Almeida sofreu uma entorse do joelho direito, que resultou numa “rotura do ligamento cruzado anterior e do ligamento lateral interno”, informou esta segunda-feira o Benfica. O lateral dos encarnados saiu aos …

Apoio à retoma. Empresas com perdas de 25% podem reduzir horário até 33% já esta terça-feira

Empregadores com quebra de faturação igual ou superior a 25% vão poder reduzir até 33% o horário dos trabalhadores, entre outubro e dezembro, segundo a alteração ao regime de retoma progressiva de empresas em crise. O …

Chega quer tornar voto obrigatório e sanções para quem não cumprir

O deputado único do Chega entregou uma nova proposta no âmbito do projeto de revisão constitucional do partido para tornar o voto obrigatório para todos os cidadãos que o possam exercer e sanções para quem …

A Alemanha quer tornar o teletrabalho um direito legal

O Governo alemão prepara-se para publicar um projeto de lei que dará aos trabalhadores do país o direito legar de trabalhar a partir de casa. A medida aplicar-se-á a todos as atividades laborais que possam …