/

“Erro trágico”. Pentágono admite que ataque com drone em Cabul não matou terroristas, mas civis

5

Uma investigação independente concluiu que entre 22 mil e 48 mil civis morreram vítimas de ataques aéreos das forças dos EUA desde o 11 de Setembro. O Pentágono admitiu também que o ataque a um veículo em Cabul não matou qualquer membro do ISIS-K e que as verdadeiras vítimas foram 10 civis.

O 11 de Setembro assinalou o início da guerra contra o terror, mas essa guerra tem causado a morte de milhares de inocentes.

De acordo com os cálculos do site Airwars, composto por jornalistas e investigadores de conflitos internacionais que se dedicam a monitorizar os efeitos da guerra nas populações civis, os ataques aéreos norte-americanos mataram entre 22 e 48 mil civis desde 2001.

Os investigadores apontam que a maioria dos meios de comunicação se focam apenas nas mortes dos soldados norte-americanos nas guerras depois dos atentados e ou ignoram as mortes de civis ou referem-nas “quase exclusivamente em generalidades, falando de dezenas, centenas ou milhares”.

O projecto Custos da Guerra da Universidade de Brown estima que 387 mil civis morreram durante a guerra contra o terror, mas o Airwars focou-se especificamente nos ataques aéreos. O site concluiu que o número varia entre pelo menos 22 679 e 48 308 mortos e explica que a grande variação “reflecte os muitos factores desconhecidos quando se trata do sofrimento dos civis em guerra”.

“Os beligerantes raramente acompanham os efeitos das próprias acções – mesmo quando o fazem, é pobremente. Fica a cargo das comunidades locais, da sociedade civil e das agências internacionais contar os custos”, escrevem os investigadores.

Nos últimos 20 anos, o Pentágono declarou um mínimo de 91 340 bombardeamentos aéreos nos sete países que os Estados Unidos invadiram ou se envolveram na guerra – Afeganistão, Líbia, Iraque, Somália, Paquistão, Síria e Iémen.

Em Junho, a Senadora Elizabeth Warren e o Congressista Ro Khanna apelaram ao Departamento de Defesa que revisse “discrepâncias significativas na contagem de mortes de civis“, o que levantou dúvidas sobre os dados oficiais.

No seu relatório anual, o Pentágono apontou que “aproximadamente 23 civis tinham morrido e 10 civis tinham ficado feridos” nas acções militares norte-americanas em 2020. Os números ficam muito aquém das estimativas de investigações independentes do Airwars, que calculou que o número de mortes fosse 102, ou do Custos da Guerra.

“As fontes dizem que o número real de mortes é quase cinco vezes maior. Proteger os civis deve ser uma prioridade. O representante Khanna e eu queremos que o Secretário Austin investiguem”, escreveu Elizabeth Warren no Twitter, apelando à averiguação de Lloyd Austin, Secretário da Defesa.

Dadas as dúvidas lançadas sobre os dados oficiais, a Airwars fez as contas usando “todas as avaliações confiáveis de danos causados a civis pelas acções dos EUA”, o que inclui informações do Bureau of Investigative Journalism, a publicação The Nation, a missão de assistência ao Afeganistão das Nações Unidas e a organização Iraq Body Count.

A análise aponta que 2003 foi o ano mais mortífero, com a morte mínima de 5529 civis. Seguiu-se 2017, com o mínimo 4931. No entanto, 2017 pode ter sido o pior ano, se forem incluídas as estimativas máximas, que chegam aos 19 623 mortos. O Airwars estima que 97% das mortes de civis tenham ocorrido no Iraque, no Afeganistão e na Síria.

Já há vários anos que a política de drones dos EUA é criticada. Uma investigação do The Intercept em 2015 apelidada Drone Papers revelou o procedimento para a aprovação de um bombardeamento e mostrou que durante a Operação Haymaker, que decorreu entre Janeiro de 2012 e Fevereiro de 2013, as forças americanas mataram mais de 200 pessoas e que apenas 35 eram o alvo desejado.

Durante um período de cinco meses da operação, quase 90% das vítimas mortais dos bombardeamentos eram civis. O secretismo e dúvidas em volta do programa de drones obrigou Obama a assinar uma ordem executiva em 2016 que obrigava a inteligência americana a publicar o número de civis mortos fora de zonas de guerra.

No entanto, os verdadeiros números ficaram ainda mais difíceis de calcular quando o sucessor de Barack Obama reverteu esta ordem executiva em 2019 e deixou de reportar as mortes de civis.

Trump aumentou de forma exponencial os ataques de drones em relação a Obama, que já expandido muito o programa em relação a Bush, e ordenou 2234 bombardeamentos nos primeiros dois anos do mandato, em comparação com os 1878 de Obama nos seus oito anos na Casa Branca, segundo o Bureau of Investigative Journalism.

Pentágono reconhece que ataque em Cabul matou civis

Estas revelações do Airwars surgiram pouco antes da polémica causada pelo ataque de drone levado a cabo em Cabul pelos Estados Unidos, na altura em que o aeroporto estava a sofrer atentados terroristas dos ISIS-K.

O alvo era um veículo carregado com explosivos e conduzido por “múltiplos bombistas suicidas”, segundo o exército americano, e o ataque não teria matado inocentes. No entanto, a imprensa afegã noticiou que o ataque matou nove civis, incluindo crianças.

“Estamos cientes de relatos de mortes de civis a seguir ao nosso ataque no veículo em Cabul hoje. Ainda estamos a avaliar os resultados deste ataque. Ficaríamos profundamente tristes com a potencial perda de vidas inocentes”, afirmou na altura Bill Urban, porta-voz do Comando Central.

As dúvidas sobre a versão dos eventos do exército norte-americano foram também levantadas por uma investigação do The New York Times, que analisou imagens e fez entrevistas que puseram em causa a ideia de que havia explosivos no veículo, a suposta ligação do condutor ao grupo terrorista Daesh e se houve uma segunda explosão depois do míssil ter atingido o carro.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O assessor de imprensa do Pentágono, John F. Kirby, inicialmente afirmou que o Comando Central estava a investigar o ocorrido. “Não me vou antecipar ao que o Comando Central está a fazer com a sua avaliação desse ataque. Não tenho ideia de qualquer opção que coloque os investigadores no solo de Cabul para completar a investigação”, declarou.

Os responsáveis militares afirmaram que não sabiam a identidade do condutor do veículo quando o drone disparou, mas que o consideraram suspeito devido às suas actividades naquele dia pois teria supostamente visitado um abrigo do Estado Islâmico e carregado o carro com o que pensavam que era explosivos.

A investigação do NYT identificou o homem em questão como Zemari Ahmadi, um trabalhador de longa data de um grupo de ajuda humanitária dos Estados Unidos. O jornal escreveu também que as suas viagens nesse dia consistiram em levar colegas ao trabalho e que aquilo que foi carregado no veículo podem ter sido vasilhas de água.

O ataque deve ter causado a morte a 10 civis, incluindo sete crianças, segundo o Times, contrariamente aos três apontados pelas autoridades americanas.

O Pentágono acabou por recuar na sua defesa inicial do ataque e admitiu que uma revisão interna mostrou que apenas civis morreram no ataque e que nenhuma das vítimas era um terrorista do ISIS.

O ataque foi um erro trágico. Estou agora convencido que até 10 civis, incluindo até sete crianças, tenham morrido tragicamente no bombardeamento. Além disso, concluímos agora que é improvável que o veículo e aqueles que morreram estivessem associados ao ISIS-K ou a uma ameaça directa às forças dos EUA”, confessou o General Frank McKenzie.

  Adriana Peixoto, ZAP //

5 Comments

  1. Pois é… os muçulmanos são “isto e aquilo” e depois são os americanos quem mata dezenas de milhares de inocentes…
    Curiosamente o ataque de 11 Setembro foi planeado e executado por sauditas – ZERO afegãos!…

  2. Pois foi. Devem lembrar-se de Biden a vangloriar-se de ter sido feita justiça após o atentado no aeroporto de Cabul. Biden o justiceiro. Nada temam. Agora Biden escondeu-se, possivelmente a comer gelado enquanto lhe mudam a fralda, e foi o general a dar a cara. Curiosamente, o nome Biden nem é aqui referido. Fosse Trump presidente, figurava em cada parágrafo (e aparece num parágrafo). A América está de volta. Os talibãs estão de volta. Novas vagas de refugiados estão de volta. Nova guerra está de volta. É bom quando as coisas voltam ao normal.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE