Assédio do Governo chinês sobre jornalistas estrangeiros aumentou em 2019

O Governo chinês aumentou o assédio sobre jornalistas estrangeiros visando moldar narrativas sobre o país, denunciou esta segunda-feira o Clube de Correspondentes Estrangeiros da China (FCCC) no seu relatório anual.

O FCCC considerou que o inquérito a 114 correspondentes, oriundos de 25 países e regiões, revelou os “esforços sistemáticos” do Estado chinês para “abafar reportagens factuais da imprensa estrangeira que não se encaixam na imagem global que o regime chinês quer cultivar”, noticiou a agência Lusa.

“A pressão a que os jornalistas estrangeiros estão sujeitos na China reflete a forma como as autoridades chinesas estão a alargar o seu alcance de forma assustadora para garantir que as ‘notícias sobre a China’ obedecem apenas à sua narrativa”, apontou.

Nenhum dos jornalistas inquiridos disse que as condições melhoraram face ao ano anterior, ilustrando o aumento progressivo da dificuldade em trabalhar no país. No mês passado, as autoridades chinesas expulsaram três correspondentes do jornal norte-americano Wall Street Journal do país, “no maior grupo de jornalistas expulso em três décadas”.

Mais de 80% dos 114 membros do FCCC inquiridos revelaram terem sofrido assédio, intimidação ou violência durante o exercício da sua atividade profissional, no ano passado, sobretudo na cobertura de assuntos considerados sensíveis por Pequim.

Isto inclui os protestos pró democracia em Hong Kong, os centros de detenção para minorias étnicas de origem muçulmana no noroeste do país, ou qualquer assunto que implique o Presidente da China, Xi Jinping.

(dr) Xinhua

O presidente da China, Xi Jinping

O ano passado marcou também o septuagésimo aniversário desde da fundação da República Popular da China e o trigésimo aniversário do massacre de Tiananmen, cujos detalhes Pequim tentou esconder, denunciou a FCCC.

Entre os correspondentes inquiridos, 70% indicaram que várias entrevistas foram canceladas ou que as fontes optaram por não falar devido à intervenção, direta ou implícita, das autoridades chinesas.

Funcionários chinesa em órgãos de comunicação estrangeiros sentem-se também cada vez mais intimidados, além das fontes chinesas, que recusam cada vez mais conceder entrevistas por medo de represálias.

Pelo menos 25% dos entrevistados reportaram obstáculos e atrasos na renovação da credencial de jornalista e ameaças de cancelamento dos vistos de residência. Quase 70% suspeita que tem o telefone sob escuta ou que as autoridades têm acesso às mensagens.

Outros 71% suspeitam que o Governo lê as mensagens trocadas através do aplicativo chinês de mensagens móveis WeChat e 51% apontam o mesmo para as suas comunicações por email.

O relatório é intitulado “Control + Halt + Delete” (um trocadilho com as palavras “controlar”, “parar” e “apagar”).

Lusa //

PARTILHAR

RESPONDER

Bolsonaro diz estar de "consciência tranquila". Brasil com quase 100 mil mortos

O Presidente do Brasil afirmou, esta quinta-feira, que está de "consciência tranquila", num momento em que o país sul-americano está quase a chegar aos 100 mil mortos por causa da pandemia de covid-19. "Estamos de consciência …

PSP já apanhou mais de três mil pessoas a conduzir sem carta este ano

O número de pessoas detetadas a conduzir sem carta aumentou 22% nos sete primeiros meses deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. "De 1 de janeiro a 31 de julho de 2020, …

"Vacina deve ser um bem global de saúde pública". OMS critica "nacionalismo de vacinas"

A Organização Mundial de Saúde (OMS) criticou na quinta-feira o "nacionalismo de vacinas" para a covid-19, afirmando que qualquer país terá benefícios económicos e de saúde se o resto do mundo recuperar da pandemia. "O nacionalismo …

Depois da explosão, os protestos em Beirute. Manifestantes anti-Governo pedem mudança política urgente

Esta quinta-feira, dezenas de manifestantes foram dispersos com gás lacrimogéneo quando protestavam na sequência da explosão em Beirute, capital do Líbano, que provocou pelo menos 149 mortos, cinco mil feridos e a destruição de casas …

Em vez de flores, família de Fernanda Lapa pede donativos por Bruno Candé

A família da atriz, que faleceu esta quinta-feira, apela a que quem queira oferecer flores para o funeral faça antes um donativo para os herdeiros do ator Bruno Candé, que foi assassinado, em Lisboa. "A Família …

Orbán diz que todos os migrantes ilegais são potenciais "bombas biológicas"

O primeiro-ministro da Hungria, o ultranacionalista Viktor Orbán, defendeu esta sexta-feira que se deve impedir a chegada de imigrantes ilegais ao país porque estes são potenciais "bombas biológicas" devido à covid-19. Conhecido pelos seus discursos contra …

Donald Trump proíbe transações com empresa chinesa detentora do TikTok

Donald Trump assinou uma ordem executiva que proíbe as transações com a ByteDance no prazo de 45 dias e o Senado já aprovou o projeto de lei que proíbe o descarregamento e utilização da aplicação. …

Preocupado com os incêndios, Marcelo admite interromper férias. Ontem foi o pior dia

O Presidente da Repúblic disse esta quinta-feira que está a acompanhar a vaga de incêndios que assola o território continental e admitiu a possibilidade de interromper as férias no Porto Santo se a situação piorar. "É …

Portugal foi o "patinho feio", mas volta a estar em contraciclo com a Europa (por bons motivos)

Portugal destaca-se agora por apresentar uma tendência de redução de novos casos de infeção pelo novo coronavírus, ao contrário de outros países europeus. Quando o novo coronavírus começou a ganhar terreno no continente europeu, Portugal foi …

Kim Jong-un insiste que a Coreia do Norte travou o vírus, mas intensifica combate à covid-19

Kim Jong-un tem repetido várias vezes que a Coreia do norte "travou o vírus maligno", mas o reforço das medidas de combate à covid-19 e a canalização urgente de material médico e alimentos para Kaesong …