Assédio do Governo chinês sobre jornalistas estrangeiros aumentou em 2019

O Governo chinês aumentou o assédio sobre jornalistas estrangeiros visando moldar narrativas sobre o país, denunciou esta segunda-feira o Clube de Correspondentes Estrangeiros da China (FCCC) no seu relatório anual.

O FCCC considerou que o inquérito a 114 correspondentes, oriundos de 25 países e regiões, revelou os “esforços sistemáticos” do Estado chinês para “abafar reportagens factuais da imprensa estrangeira que não se encaixam na imagem global que o regime chinês quer cultivar”, noticiou a agência Lusa.

“A pressão a que os jornalistas estrangeiros estão sujeitos na China reflete a forma como as autoridades chinesas estão a alargar o seu alcance de forma assustadora para garantir que as ‘notícias sobre a China’ obedecem apenas à sua narrativa”, apontou.

Nenhum dos jornalistas inquiridos disse que as condições melhoraram face ao ano anterior, ilustrando o aumento progressivo da dificuldade em trabalhar no país. No mês passado, as autoridades chinesas expulsaram três correspondentes do jornal norte-americano Wall Street Journal do país, “no maior grupo de jornalistas expulso em três décadas”.

Mais de 80% dos 114 membros do FCCC inquiridos revelaram terem sofrido assédio, intimidação ou violência durante o exercício da sua atividade profissional, no ano passado, sobretudo na cobertura de assuntos considerados sensíveis por Pequim.

Isto inclui os protestos pró democracia em Hong Kong, os centros de detenção para minorias étnicas de origem muçulmana no noroeste do país, ou qualquer assunto que implique o Presidente da China, Xi Jinping.

(dr) Xinhua

O presidente da China, Xi Jinping

O ano passado marcou também o septuagésimo aniversário desde da fundação da República Popular da China e o trigésimo aniversário do massacre de Tiananmen, cujos detalhes Pequim tentou esconder, denunciou a FCCC.

Entre os correspondentes inquiridos, 70% indicaram que várias entrevistas foram canceladas ou que as fontes optaram por não falar devido à intervenção, direta ou implícita, das autoridades chinesas.

Funcionários chinesa em órgãos de comunicação estrangeiros sentem-se também cada vez mais intimidados, além das fontes chinesas, que recusam cada vez mais conceder entrevistas por medo de represálias.

Pelo menos 25% dos entrevistados reportaram obstáculos e atrasos na renovação da credencial de jornalista e ameaças de cancelamento dos vistos de residência. Quase 70% suspeita que tem o telefone sob escuta ou que as autoridades têm acesso às mensagens.

Outros 71% suspeitam que o Governo lê as mensagens trocadas através do aplicativo chinês de mensagens móveis WeChat e 51% apontam o mesmo para as suas comunicações por email.

O relatório é intitulado “Control + Halt + Delete” (um trocadilho com as palavras “controlar”, “parar” e “apagar”).

Lusa //

PARTILHAR

RESPONDER

NASA revela que há água na Lua

A NASA revelou, esta segunda-feira, que foi encontrada água em forma de gelo numa superfície da Lua. Os investigadores apontam ainda para a possibilidade de existirem múltiplos depósitos subterrâneos na Lua onde esteja armazenada água …

Itália volta a disputar a fronteira do Monte Branco com França

Depois das autoridades francesas imporem medidas restritivas que afetaram o território italiano, o país reacendeu uma disputa antiga com França. Em causa estão os direitos de fronteira do Monte Branco. Luigi Di Maio, ministro das Relações …

Maior queda do mês no preço dos combustíveis. Gasóleo atinge mínimos de 4 meses

A partir de hoje os preços dos combustíveis irão baixar, e esta será a maior queda do mês. No que diz respeito ao preço da gasolina, esta deverá cair um cêntimo para 1,387€ por litro. …

Mais de 500 detidos nos protestos contra Lukashenko. Segue-se a greve geral

A greve geral anunciada pela líder da oposição bielorrussa no exílio para exigir a saída do Presidente começou, esta segunda-feira, com protestos tímidos e detenções em todo o país. "O prazo para cumprir as exigências do …

Polacos protestam contra acórdão que torna o aborto quase impossível

Milhares de polacos têm-se manifestado, nos últimos dias, contra a proibição quase total do aborto, quando as leis do país estavam já entre as mais restritivas da União Europeia. Na última quinta-feira, o Tribunal Constitucional polaco …

Japão promete "uma sociedade neutra em termos de carbono" até 2050

O Japão quer alcançar a neutralidade de carbono até 2050, disse hoje o primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga, um caminho que se afigura complicado, devido à dependência do país do carvão. Numa altura em que cada vez …

"Nada nos vai fazer recuar". Macron desperta a raiva do mundo muçulmano (e enfurece Erdogan)

Emmanuel Macron, presidente de França, assumiu posições muito claras na defesa da liberdade de exibir as caricaturas de Maomé, no âmbito da homenagem ao professor decapitado na semana passada, suscitando protestos em vários países muçulmanos. "Nada …

Merkel avisa Alemanha que os próximos meses vão ser “muito difíceis”

A chanceler alemã, Angela Merkel, avisou a Alemanha de que os próximos meses vão ser "muito difíceis", já que o número de infeções por covid-19 continua a crescer diariamente, tendo-se registado 8.685 nas últimas …

Portugal acusado de bloquear lei europeia contra evasão fiscal pelas multinacionais

Os governos português e sueco estão a ser acusados de bloquear, no Conselho da União Europeia (UE), a deliberação de uma lei contra a evasão fiscal por parte de grandes empresas multinacionais digitais. Segundo anunciou esta …

Consumo de antibióticos desce 22% durante a pandemia. Menos 1,1 milhões de embalagens vendidas

O consumo de antibióticos registou uma descida na ordem dos 22% nos primeiros oito meses deste ano. Venderam-se menos 1,1 milhões de embalagens, quando comparado com igual período do ano passado. Entre janeiro e agosto deste …