40 anos depois, assassino de John Lennon pede desculpa pelo crime “desprezível”

Nationaal Archief / Wikimedia

John Lennon e Yoko Ono em 1969

Mark David Chapman, o homem que assassinou John Lennon, diz que matou o ex-Beatle por “raiva e ciúmes” e pediu desculpa a Yoko Ono, 40 anos depois.

Em 1980, Chapman atingiu John Lennon com quatro tiros que acabaram por o matar. Horas antes, Lennon tinha dado um autógrafo ao homem que lhe viria a tirar a vida, em frente à sua companheira Yoko Ono.

Chapman tinha 25 anos na altura em que cometeu o crime e foi condenado a prisão perpétua, com a opção de pedir liberdade condicional ao fim de 20 anos. No mês passado, o pedido foi-lhe negado pela 11ª vez, depois de dizer na audiência que terá matado o cantor por “glória”.

“Na altura, pensava que ele tinha todo aquele dinheiro, morava num lindo apartamento e vivia da música. Era uma vida generosa”, disse Chapman aos comissários da condicional, citado pela ABC. “Isso deixou-me com raiva e com ciúmes em comparação com a forma como eu vivia na época. Havia inveja ali”, acrescentou.

Quando lhe perguntaram se alguma coisa tinha mudado na sua forma de pensar desde que foi preso, Chapman respondeu: “Foi apenas para glória pessoal, ponto final. Não foi mais do que isso. Resume-se a isso. Não há desculpas.”

Um dos comissários disse a Chapman que aquilo a que ele chama de “glória”, outros chamariam de “infâmia”, ao que o assassino respondeu: “Infâmia traz glória.”

Esta afirmação ditou o destino de Chapman. “Este painel considera a tua afirmação perturbadora. As tuas ações representam um ato maldoso. O facto de hoje, quase 40 anos depois, ainda conseguires falar do que fizeste como sendo algo que consideraste positivo na altura e que te trouxe glória, é perturbador”, disse a equipa de liberdade condicional quando negou o pedido.

Chapman concluiu o seu apelo com um longo pedido de desculpas a Yoko Ono. “Só quero que ela saiba que ela conhecia o seu marido melhor do que ninguém e o tipo de homem que era. Eu não. Apenas o julguei através de um livro e assassinei-o“, explicou Chapman.

O homem de 65 anos acrescentou que Lennon “era muito, muito, muito, muito famoso” e que estava à procura de glória pessoal. “Foi um ato extremamente egoísta. Lamento a dor que causei a Yoko Ono. Penso nisso a toda a hora”, rematou.

Chapman disse à comissão da liberdade condicional que não tem “qualquer tipo de queixa” a fazer se o deixarem preso o resto da vida. “Mereço zero, nada. Naquela altura, eu merecia a pena de morte“, afirmou.

O assassino do ex-Beatle tentará obter a liberdade condicional novamente em Agosto de 2022.

“O que eu penso é que ele fez isso uma vez e que podia voltar a fazê-lo a outra pessoa. Podia ser eu, o meu filho Sean, ou qualquer outra pessoa”, disse Yoko Ono em 2015, referindo que vivia com medo de que Chapman saísse da prisão.

A artista japonesa tem uma exposição chamada “O Jardim da Aprendizagem da Liberdade” na Fundação de Serralves, no Porto, até ao dia 15 de novembro.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Costa diz que estado de emergência é "prematuro" e põe de lado o recolhimento obrigatório

Numa altura em que o número de infetados não pára de subir em Portugal, o Governo prefere manter a situação de calamidade para dar resposta à pandemia, o que permite tomar medidas como o confinamento …

22-0: a soma de dois jogos, no mesmo dia

Com claro destaque para o que aconteceu nos Países Baixos: 13-0, vitória do Ajax. Recorde no campeonato holandês, cinco golos de um jogador, um guarda-redes a querer marcar uma grande penalidade... O que aconteceu no sábado, …

Aminoácido produzido no cérebro pode prevenir ataques epiléticos

Uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade da Florida descobriu que um aminoácido produzido pelo cérebro pode desempenhar um papel crucial na prevenção de um tipo de ataque epilético. As crises epiléticas do …

Ir à escola, viajar e assistir a espetáculos. As exceções à proibição de circulação entre concelhos

No final do último Conselho de Ministros, na semana passada, o Governo anunciou a proibição de circulação entre concelhos entre as 0h de 30 de outubro e as 6h de 3 de novembro, englobando o …

País Basco em confinamento, Bélgica quer transferir doentes para os Países Baixos e França "perdeu o controlo"

Numa altura em que a Europa volta a ser epicentro da pandemia de covid-19, o País Basco decretou o confinamento da população e França considera impor a mesma medida. Com falta de camas, Bélgica pediu …

"Dia histórico". Senado confirma nomeação de Amy Coney Barrett para o Supremo Tribunal dos EUA

O Senado norte-americano confirmou segunda-feira à noite a juíza Amy Coney Barrett para o Supremo Tribunal dos Estados Unidos, o que representa uma vitória política para o Presidente Donald Trump a poucos dias das eleições …

Os olhos das corujas podem ter uma "lente" que melhora a visão noturna

As corujas capturam as suas presas durante a noite. Uma nova investigação sugere que há algo de especial na forma como as moléculas de ADN nos olhos das corujas estão acondicionadas, uma característica que lhes …

Os extraterrestres podem estar a observar-nos à distância (em mais de 1.000 estrelas diferentes)

Da mesma forma que nós, da Terra, já detetámos vários milhares de planetas ao redor de outras estrelas, uma hipotética civilização alienígena poderia ter detetado a nossa presença. Mas de que posições no Espaço isso seria …

Afinal, o buraco negro mais próximo da Terra pode não ser um buraco negro

Um objeto identificado no início deste ano como o buraco negro mais próximo da Terra pode, afinal, não o ser. Depois de reanalisar os dados, diferentes equipas de cientistas concluíram que o sistema HR 6819 …

Rara cobra de duas cabeças e dois cérebros independentes encontrada na Florida

Uma rara cobra com duas cabeças e dois cérebros independentes foi resgatada no estado norte-americano da Florida por uma equipa de especialistas do organização Florida Fish and Wildlife Conservation Commission. Na rede social Facebook, a organização, …