Arquivos secretos sobre o assassinato de Kennedy estão nas mãos de Trump

O maior mistério no imaginário popular da história recente dos Estados Unidos é quem foi o verdadeiro culpado pelo assassinato do ex-presidente John F. Kennedy, uma incógnita com inúmeras dúvidas que podem ser esclarecidas com milhares de arquivos secretos cuja divulgação depende agora de Donald Trump.

O Arquivo Nacional dos EUA tem sob o seu domínio mais de 3 mil documentos confidenciais sobre o assassinato do democrata que governou o país entre 1961 e 1963. Trata-se de informações que os historiadores e especialistas no assunto acreditam que podem ajudar a entender o que aconteceu e talvez até mudar a história oficial.

Agora, os responsáveis pelo Arquivo Nacional têm até ao dia 26 de outubro para decidir quais desses documentos, a maioria pertencente ao FBI e à CIA, poderão ser divulgados e quais devem continuar em sigilo. A palavra final será do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que tem a autoridade máxima para expor (ou não) os arquivos.

A divulgação destes documentos corresponde à JFK Records Act, uma lei aprovada em 1992 devido ao grande interesse pelo caso após a estreia do filme “JFK: A Pergunta que Não Quer Calar” (1991), no qual o cineasta Oliver Stone dava a sua visão sobre o assassinato cometido no dia 22 de novembro de 1963 em Dallas, no estado do Texas.

No longa-metragem, Stone delineou uma hipótese defendida pelos investigadores Jim Garrison e Jim Marrs nos respetivos livros “On the Trail of the Assassins” e “Crossfire: The Plot That Killed Kennedy” que alimentava as velhas teorias da conspiração e descartava o relatório oficial da famosa Comissão Warren, que apontou um só homem como responsável: Lee Harvey Oswald.

À época da estreia, o ex-presidente Gerald Ford, que integrou a Comissão Warren, considerou o filme uma “fraude” e classificou-o como “a grande mentira”.

Mas 26 anos depois outros dois estudiosos do caso, Roger Stone e Gerald Posner, ambos do The New York Times, esperam com ansiedade a divulgação dos novos documentos com a esperança de que os arquivos sustentem as suas teorias. Apesar de trabalharem no mesmo jornal, eles defendem teses totalmente opostas.

No livro que publicou em 2013, intitulado “The Man Who Killed Kennedy: The Case Against LBJ”, Stone defende a teoria de que o vice-presidente de Kennedy, Lyndon B. Jonhson, que o sucedeu no cargo, foi o cérebro por trás do assassinato.

A hipótese de Stone inclui grande parte dos personagens habituais das teorias da conspiração em torno do assassinato de Kennedy: a indústria do petróleo texana financiou o homicídio, que foi executado pela máfia com a ajuda de integrantes da CIA e depois encoberta pelo FBI, então dirigido por J. Edgar Hoover.

Walt Cisco, Dallas Morning News / Wikimedia

O presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy, em Dallas, em 1963, na sua limousine ao lado da mulher, Jackie, poucos minutos antes de ser assassinado.

Stone, que foi conselheiro e assessor do ex-presidente Richard Nixon, considera que o assassinato de Kennedy, a fracassada invasão da Baía dos Porcos para derrubar Fidel Castro e o escândalo Watergate “estão inextricavelmente relacionados“.

Por sua vez, Posner, que em 1993 foi finalista do Pulitzer de História com o livro “Case Closed: Lee Harvey Oswald and the Assassination of JFK”, considera que as conclusões da chamada Comissão Warren são corretas e que não houve nenhuma conspiração.

Após a tragédia, com o país ainda perturbado, foi criada uma comissão de investigação liderada pelo então presidente do Tribunal Supremo, Earl Warren, que determinou, não sem controvérsias, que Oswald cometeu o crime por conta própria e sem ajuda.

Apesar das visões contrárias sobre este episódio da história, Stone e Posner uniram-se para pedir que os documentos ainda mantidos em sigilo sejam divulgados.

Convicto de que o caso não poderá ser encerrado até que o último documento seja revelado, Roger Stone criticou o governo americano por se amparar na “segurança nacional” para negar revelar os documentos sigilosos durante décadas.

“Sei que o diretor da CIA, Mike Pompeo, está a pedir a Trump que adie a divulgação destes registos por mais 25 anos”, disse Stone.

Caso Trump não autorize a divulgação dos documentos, como é sua prerrogativa enquanto presidente, pode ainda ordenar que não sejam revelados durante outros 25 anos.

O ex-presidente Barack Obama, enquanto estava no poder, decidiu adiar a divulgação dos documentos da CIA relacionados com outro polémico caso da época, a invasão da Baía dos Porcos, o que impossibilita esclarecer o compromisso de Kennedy de ajudar os exilados cubanos que em 1961 tentaram derrubar Fidel Castro.

ZAP // EFE

PARTILHAR

RESPONDER

Bruges limita turismo "para não se tornar uma Disneylândia"

Burges, na Bélgica, é a mais recente cidade europeia a impor limites ao turismo para que "não se torne a Disneylândia". Dirk De Fauw, presidente da câmara local, anunciou em declarações ao jornal Het Nieuwsblad que …

Hospital Santa Maria abre inquérito a morte de Ruben Carvalho

A administração do Centro Hospitalar Lisboa Norte decidiu abrir um processo de inquérito na sequência de notícias sobre eventual negligência hospitalar no internamento do histórico dirigente do PCP. Fonte oficial do Centro Hospitalar, que integra o …

Nós, Cidadãos! convida Aliança para coligação. Partido de Santana ainda está "a examinar"

O partido Nós, Cidadãos! desafiou a Aliança para uma coligação eleitoral “ao centro”, mas fonte oficial da força política liderada por Santana Lopes esclareceu que ainda está “a examinar”. O presidente do Nós, Cidadãos!, Mendo Castro Henriques, confirmou à …

Benfica desmente negociações com Atlético de Madrid por João Félix

O Benfica desmentiu, em nota divulgada esta segunda-feira, todas as notícias que dão conta de uma transferência iminente de João Félix para o Atlético de Madrid. João Félix tem feito capa em vários jornais espanhóis, que insistem …

Não havia tantos pré-avisos de greve desde o tempo da troika

Nas próximas semanas, são poucos os dias úteis que não têm pelo menos uma greve. Se o ritmo se mantiver, este será o ano da legislatura com mais pré-avisos. Dos hospitais aos tribunais, passando pelos transportes …

“Maré vermelha” interdita banhos em várias praias do Algarve

As praias entre a Ilha do Farol e Vilamoura, no Algarve, estão interditadas a banhos devido a uma concentração de uma alga marinha que pode ser perigosa para a saúde. As praias algarvias entre a Ilha …

Gulbenkian vende petrolífera Partex por 555 milhões de euros

A Fundação Gulbenkian assinou, esta segunda-feira, um acordo para a venda da Partex com a PTT Exploration and Production por 555 milhões de euros. Em comunicado hoje divulgado, a Fundação Gulbenkian informou que "a operação terá um …

Ex-diretor revela carta que desmente Berardo sobre créditos na CGD

O ex-diretor de grandes empresas da CGD afirmou que José Berardo enviou uma carta dirigida a Carlos Santos Ferreira, ex presidente do banco, a solicitar a abertura do crédito de 350 milhões de euros para …

Suecos burlaram multinacionais em 1,7 milhões de euros a partir de Setúbal

Um casal de suecos burlou várias empresas multinacionais com um esquema de roubo de emails praticado a partir de Setúbal. Estas empresas chegaram a transferir 1,7 milhões de euros até à detenção do casal. Michel M., …

Huawei admite quebra de receitas superior a 26 mil milhões de euros

O fundador da Huawei admitiu esta segunda-feira uma quebra de receitas em 30.000 milhões de dólares (26.760 milhões de euros), face à pressão de Washington, que acusa o grupo de telecomunicações de estar exposto à …