Arquitectos projectam arranha-céus de pernas para o ar e suspenso de um asteróide

(dr) CLOUDS ARCHITECTURE OFFICE

A Torre Analemma, um arranha-céus virado do avesso e suspenso de um asteróide, é um projecto da Clouds Architecture Office.

A Torre Analemma, um arranha-céus virado do avesso e suspenso de um asteróide, é um projecto da Clouds Architecture Office.

O “edifício mais alto do mundo” de todos os tempos, virado de “cabeça para baixo” e suspenso de um asteróide em órbita. Este é o projecto megalómano (e impossível) de uma empresa de arquitectura norte-americana.

A Torre Analemma é um conceito da empresa de arquitectura Clouds Architecture Office, que tem sede em Nova Iorque, e que planeia construir “o edifício mais alto do mundo de sempre” virado do avesso, isto é, construído a partir do céu para baixo.

Confuso? É caso para estar! E se acrescentarmos que este arranha-céus de “pernas para o ar” deve ficar suspenso de um asteróide em órbita, localizado a cerca de 50.000 quilómetros acima da superfície da Terra, ainda mais baralhado ficará.

Esta bizarra empreitada é definida pela empresa, no seu site, como um projecto de design thinking” à “escala planetária” e parece absolutamente inviável, pelo menos, a curto/médio prazo.

Aceder ao edifício exigiria ter um jacto de alta velocidade, sendo que a área residencial está prevista para ficar situada a cerca de 8 mil metros de altitude. E para sair de casa, só usando um pára-quedas!

Esta mesma empresa nova-iorquina já projectou uma cidade de casas-nuvens, com construções suspensas acima dos prédios, e uma casa de gelo em Marte, mas este arranha-céus virado do avesso soa a pura ficção científica.

Viajar pelo mundo sem sair de casa

Os arquitectos da Clouds projectaram a Torre Analemma para que esta se mova lentamente, através das grandes cidades do mundo, ao longo de 24 horas.

“A Analemma pode ser colocada numa órbita geo-estacionária excêntrica, o que lhe permitiria viajar entre os hemisférios norte e sul, num loop diário”, explica uma nota publicada no site da empresa.

“O rastro de terra para esta torre de pêndulo seria uma figura oito, onde a torre se moveria à sua menor velocidade no topo e no fundo da figura oito, permitindo a possibilidade de os ocupantes das torres interagirem com a superfície do planeta nesses pontos”, esclarecem os idealistas do projecto.

“A órbita proposta está calibrada para que a parte mais lenta da trajectória da torre ocorra sobre a cidade de Nova Iorque“, sublinham ainda.

E uma vez que a vista das janelas mudaria ao longo do dia, dependendo da altura da torre, os arquitectos perspectivam desenhar janelas que mudem de tamanho e de altura para lidar com as diferenças de pressão e de temperatura. Isto mesmo que haja “um limite de altura tangível a partir do qual as pessoas não tolerariam viver devido às condições extremas”, assumem.

“Por exemplo, enquanto poderá haver um benefício por haver 45 minutos a mais de luz do dia a uma altura de 32.000 metros, o vácuo próximo e a temperatura de -40 C impediriam as pessoas de saírem para o exterior sem um fato protector”, reconhecem os profissionais da Clouds, notando porém que os astronautas não deixam a estação espacial, durante décadas, e que por isso, “talvez não seja assim tão mau”.

A Torre é dividida em secções com funções definidas, sendo que a parte mais baixa será dedicada a escritórios e espaços comerciais. Segue-se uma área para jardinagem e agricultura e depois, vem a área residencial a 8 mil metros de altitude. Ainda há espaço para monumentos, cultos religiosos e um local funerário situado a 32 mil metros de altura.

Arranha-céus do avesso suspenso de asteróide

O edifício seria apetrechado com painéis solares colocados no espaço e com mecanismos para gerar água purificada a partir da condensação das chuvas e das nuvens, garantindo assim, a sua auto-suficiência energética.

E quanto à suspensão do asteróide, os arquitectos da Clouds apontam para o uso do Sistema de Apoio Universal Orbital que permitiria agregar-lhe cabos de força extrema para o rebaixar, para mais perto da Terra, para se poder agarrar ao edifício.

E se isto tudo soa a absolutamente inviável, a Clouds avança que “a NASA agendou uma missão de recuperação de asteróides para 2021 que visa provar a viabilidade de capturar e relocalizar um asteróide“.

O argumento é válido, mas mesmo assim, a construção da Torre Analemma deverá ainda tardar a sair do papel.

Susana Valente SV, ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Que engraçado, pareçe uma cópia a papel quimico do meu conceito de elevador espacial… a diferença é que o asteroide estava numa orbita geoestacionária…

  2. Pois… Muito fixe…. Eles desenham… Tão lindo! Mas os ENGENHEIROS é que têm de calcular a estrutura! Acordem para a vida!

    • O pior é mesmo para os trolhas… que têm de aturar os arquitontos e os engenhocas… mas no fim são eles que carregam com os baldes às costas…

  3. Não se percebe muito bem o porquê da necessidade de um asteroide se poderia ser ancorado num satélite próprio na nossa órbitra. Mas pronto, gostam de complicar 🙂

RESPONDER

Cientistas encontraram 70 mil vírus nunca antes vistos no intestino humano

Cientistas identificaram mais de 70 mil vírus, até então desconhecidos, que vivem no nosso intestino e infetam as bactérias que lá vivem (como afetam o nosso corpo é ainda um mistério). No novo estudo, conta o …

Direita ultrapassa PS com subida da Iniciativa Liberal. Chega cai

Uma sondagem da Aximage para o Diário de Notícias, Jornal de Notícias e TSF revela que o PS está a perder peso nas intenções de voto, tendo sido ultrapassado pela direita. Segundo a sondagem, divulgada pelo …

Portugal vai comprar cerca de 38 milhões de vacinas, "muito mais" do que as necessárias

Em entrevista à agência Lusa, Marta Temido anunciou que Portugal vai comprar cerca de 38 milhões de vacinas contra a covid-19. Portugal vai comprar cerca de 38 milhões de vacinas contra a covid-19, “muito mais” do …

Governo ainda está a tempo de "reverter" venda de barragens da EDP

A coordenadora do Bloco de Esquerda disse este domingo que o Governo ainda está tempo de reverter o negócio das venda de seis transmontanas, que terá permitido à EDP poupar 110 milhões em imposto de …

Cientistas encontraram abelha australiana que não era vista há 98 anos

Uma espécie de abelha nativa das florestas tropicais do leste da Austrália foi encontrada pela primeira vez em 98 anos. De acordo com o site IFLScience, trata-se da espécie Pharohylaeus lactiferus, abelha nativa do leste da …

Marcelo destaca papel de profissionais de UCI. Costa agradece à Madeira e FPF

O Presidente da República destacou e agradeceu o papel dos profissionais de saúde que estão nos cuidados intensivos, pelo seu papel no combate à pandemia, que considerou uma "saga nacional". "Eu queria, em primeiro lugar, louvar …

Entre farpas a Biden e Fauci, Trump admitiu concorrer à Casa Branca em 2024 (e vencer pela "terceira vez")

No primeiro discurso desde que saiu da Casa Branca, o antigo presidente Donald Trump deu a entender que vai concorrer novamente em 2024 e disse que Joe Biden "perdeu a Casa Branca". O ex-presidente dos Estados …

Cientistas estão a criar um "gémeo digital" da Terra (para prever o futuro)

Uma equipa de cientistas europeus começaram a trabalhar num plano ambicioso para prever o futuro das alterações climáticas: reconstruir uma versão virtual de toda a Terra para representar diferentes cenários. O planeta virtual faz parte de …

Asteróide passará a grande velocidade pela Terra em março. É o maior (e o mais veloz) de 2021

Um asteróide com um diâmetro de até 1,7 quilómetros passará pela Terra a grande velocidade no próximo mês de março, de acordo com dados publicados recentemente pelo Laboratório de Propulsão a Jato da NASA. Apesar de …

Bactérias benéficas do leite materno mudam ao longo do tempo

De acordo com um novo estudo, a mistura de bactérias benéficas transmitidas pelo leite materno muda significativamente com o tempo. Este pode atuar como uma injeção de reforço diário para a imunidade e metabolismo infantil. Os …