Arquitecto nova-iorquino mostra como se vive em 7 m2

Há um par de anos, o jovem arquitecto Luke Clark Tyler vivia em Manhattan num pequeno apartamento com pouco mais de 9 m2. Recentemente, decidiu mudar — para um apartamento de 7 m2,  que lhe serve também de escritório.

Luke vive agora em Hell’s Kitchen, no centro de Nova Iorque, num apartamento que mais parece uma caixa de sapatos, onde conseguiu encaixar um sofá, uma cama, uma secretária, um frigorífico, um micro-ondas… e todos os seus pertences.

O arquitecto guarda as roupas, louça, especiarias, alimentos e produtos de limpeza num “enorme” armário embutido. A secretária onde trabalha é o seu escritório, e está apoiada no frigorífico que o transforma numa cozinha.

“Quando o espaço é limitado, um centímetro a mais ou a menos faz a diferença”, diz Luke, ” e quando mais compacto o espaço, mais importantes se tornam as escolhas que fazemos – principalmente no que diz respeito à mobília”.

Luke partilha a casa de banho com outros 3 inquilinos no mesmo piso, que vivem em mini-estúdios semelhantes ao seu.

Como arquitecto freelancer, Luke tem tudo o que precisa para trabalhar em casa – um portátil e uma secretária – e é frequentemente contratado para desenhar fantásticos apartamentos com armários maiores que o seu apartamento de 7 m2.

O arquitecto admite que sente a falta de uma cozinha a sério, mas ser vegetariano ajuda-o a relativizar o problema.

“Alimento-me essencialmente de vegetais e nozes. E consigo cozer ovos no micro-ondas”, diz o arquitecto.

Ocasionalmente, Luke tem visitas. “Há dias tive dois primos cá em casa, eles ficaram na cama, eu puxei as almofadas do sofá para o lado e pronto… foi como sardinhas, mas sobrevivemos”.

Luke adora viver no coração de Nova Iorque, a um passo de tudo – o que lhe permite viver de facto na cidade, e estar em casa apenas para trabalhar e dormir.

“Só estou realmente aqui quando estou a trabalhar”, diz, “quando não estou a a trabalhar, estou lá fora, há mil e uma coisas interessantes para fazer em Manhattan“.

Para Luke, viver em tão poucos centímetros quadrados não é um sacrifício, e adora a renda que paga – “apenas” 800 dólares por mês pelo que chama a sua Mansão na Baixa de Manhattan.

“É muito menos do que me pedem por um quarto partilhado, nesta zona”, diz.

Apesar da vista, mais de 700 euros por mês parece um preço exorbitante para se viver numa caixa de sapatos – excepto se fizermos como a cidade, que nunca dorme.

AJB, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Sporting 2-2 Belenenses SAD | Líder salva virgindade nos descontos

A Belenenses SAD esteve a segundos de cumprir a promessa de Petit, que na antevisão da partida apontava para a primeira derrota do Sporting. Os “azuis” estiveram a vencer por 2-0, graças a uma eficácia …

Quatro anos depois, Danny recuperou a sua prancha. Estava a 2700 quilómetros

Um surfista australiano recuperou a sua prancha quatro anos depois de a ter perdido. Estava a 2700 quilómetros do sítio onde a tinha visto pela última vez. Danny Griffiths, um surfista habituado a ondas grandes, perdeu …

Os astronautas precisam de um frigorífico. Engenheiros trabalham num que funciona de "cabeça para baixo"

Para que os astronautas façam longas missões à Lua ou a Marte, precisam de um frigorífico, mas estes eletrodomésticos não são projetados para funcionar em gravidade zero. Os astronautas precisam de frigoríficos para as missões prolongadas …

A maior "cidade-fantasma" da China voltou a florescer (graças à educação)

Kangbashi, na Mongólia Interior, é considerada há muitos anos a maior "cidade-fantasma" da China. Agora, tem muito a agradecer a uma jogada inesperada, mas muito eficaz: o setor da Educação. Há alguns anos que Kangbashi, uma …

Carro da Tesla ajuda o FBI a capturar homem suspeito de atear fogo em igreja

As câmaras de um Tesla ajudaram as autoridades a prender um homem suspeito de atear fogo numa igreja na cidade de Springfield, no estado de Massachusetts. A congregação foi atacada mais de uma vez em …

Destemida e aventureira. Com apenas 18 anos, Simone Segouin ajudou a França a derrotar os nazis

Quando tinha apenas 18 anos, Simone Segouin juntou-se à Resistência Francesa para capturar as tropas nazis, sabotar os planos alemães e lutar contra o fascismo no seu país. Apesar de ter abandonado a escola bastante cedo, …

Orgulho e ciúmes. Corrida armamentista entre Coreias coloca ambiente de paz em risco

A relação entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul é conhecida por ser bastante conturbada, sendo que nos últimos anos já ocorreram alguns incidentes entre os países. Agora, as duas nações peninsulares …

"Estória mal contada": a saída de João Marques do Famalicão

Perto do final do campeonato feminino de futebol, o treinador das candidatas ao título abandona o emblema minhoto. Provavelmente porque vai liderar outra equipa minhota. Adeptos não gostaram. A Liga BPI, a primeira divisão nacional feminina …

Livre cede lugares à IL e ao Volt. Vasco Lourenço fala em "chicana política"

O Livre cedeu, esta quarta-feira, quatro lugares da sua comitiva no desfile que assinala o 25 de Abril à Iniciativa Liberal e ao Volt Portugal, depois da comissão promotora os ter informado de que não …

Pena de morte diminuiu. Execuções globais atingem o número mais baixo numa década

Globalmente, foram executadas 483 pessoas em 2020, o número mais baixo registado pela Amnistia Internacional (AI) numa década, marcando uma redução de 26% em relação a 2019 e 70% comparativamente a 2015. Segundo um artigo da …