Armazém flutuante. A China está a guardar petróleo no mar (e já se sabe porquê)

A China está a guardar uma quantidade épica de petróleo no mar. De acordo com a CNN, o país comprou tanto petróleo estrangeiro a preços baratos que formou um congestionamento maciço de navios-tanque no mar, que esperam para descarregar o petróleo.

A CNN relata que, em 29 de junho, a China – o segundo maior consumidor mundial de petróleo depois dos Estados Unidos – acumulou 73 milhões de barris de petróleo em 59 navios diferentes que flutuam no mar ao largo da costa norte do país, de acordo com o ClipperData, que rastreia os fluxos de água de petróleo em tempo real.

Este valor representa três quartos da procura em todo o planeta.

Os barris que chegam hoje à China terão sido comprados em março e abril, altura em que os preços do petróleo caíram por causa da pandemia. O petróleo dos Estados Unidos caiu abaixo de zero em 20 de abril pela primeira vez.

O “armazém flutuante” da China – definido como barris de petróleo em navios que esperam sete dias ou mais – quase quadruplicou desde o final de maio. É maior número registado desde o início de 2015 e sete vezes superior à média mensal durante o primeiro trimestre de 2020.

A acumulação de petróleo no mar é um reflexo da “caça à pechincha” da China durante um período de extremo stresse no mercado da energia. “A China entrou numa farra de compra global”, disse Matt Smith, diretor de estratégia de commodities da ClipperData.

Smith observou que os tanques de armazenamento em terra da China nem estão perto de estar cheios. “Isso está simplesmente relacionado como congestionamento terminal. Têm tantas coisas que não conseguem trazê-las para terra suficientemente rápido“, disse.

Outros países também aproveitaram a queda do petróleo para reforçar os seus stocks de emergência. Como os preços do petróleo estavam em queda livre em março, o governo Trump prometeu apoiar os produtores de petróleo dos Estados Unidos que enfrentam “perdas potencialmente catastróficas”, comprando 30 milhões de barris para reforçar a Reserva Estratégica de Petróleo.

ZAP //

PARTILHAR

11 COMENTÁRIOS

      • Essa é a desculpa de sempre! Antes da China se ter tornado estupidamente a “fábrica do mundo”, tínhamos acessoaos bens na mesma. O que acontecia era as empresas nao3terem margens tão grandes! Claro que estou disposto a não comprar nada chinês! Há uns anos que p faço e não vivo numa caverna! Muito pelo contrário, tenho tudo o que se pode desejar. Possivelmente terei mais do que hulgam que “poupam” ao comprae porcaria chinesa. O que os meus bens não têm, e me deixa orgulhoso, é o infame “made in China”!

        • grande José bem falado o outro é que é burro porque se nós comprarmos mais barato á china, não fazemos nada não há fábricas, que corresponde a não ter trabalho e dinheiro, então para é que preciso mais dos produtos chinocas 5 ou 10 vezes baratos?

        • eu também estou disposto e concordo que nao se compre nada chinês. Mas entre o querer e o poder vai uma grande distância. Não consigo !! tem telemóvel? tem PC ou portátil? tem televisão? Tem carro?Tem apartamento ou casa(ar condicionado, aquecimento, recuperação de calor, etc)? usa óculos (lentes e material utilizado na construção das lentes)? etc….etc…etc… se me disser que compra roupa nao chinesa (mesmo assim duvido) ou comida nacional, vá…o resto…não escapa nem que pense que sim.

      • Se o produto durar 5 ou 10 vezes mais, porque não? A filosofia actual de economizar mas andar sempre a comprar o mesmo e jogar no lixo não é inteligente, muitas vezes acaba por sair ainda mais caro e é ambientalmente muito mau… para não falar que algumas coisas até nos podem colocar em perigo… mas claro que há coisas e coisas…

    • A China só está a fazer o que lhe compete.
      Quanto à opinião do etter, ela serve sobretudo para tocar numa questão que dá pano para mangas. Mas o que aqui deixo muito sinteticamente, se alarga o ponto de vista do etter, também serve para responder ao Pois então.
      Ficamos todos muito felizes quando dizemos mal dos nossos governantes, sejam eles quais forem, a propósito do nosso país andar sempre nas lonas. mas quase ninguém se apercebe de que a culpa de tal situação é mais nossa, ou seja, da população em geral, do que de quem governa.
      Como é que o país pode ter dinheiro se todos nós o gastamos no que compramos ao exterior? seja à China, seja a outro país qualquer? É ver a balança de exportações/importações e pensar um pouco.
      Também ficamos satisfeitos quando alguém de fora do país cá investe ou cria alguma empresa. Nunca pensamos que o interesse é sobretudo deles. Só é aceitável e até bem vindo quando esse investimento visa a exportação, como é caso da Auto-Europa, por exemplo, de contrário só serve para descapitalizar o país. E não venham com a ilusão da criação de empregos, porque quem paga o salário dos novos empregados e os impostos ao Fisco são os portugueses através do consumo daquilo que essas empresas produzem ou traficam. O que sobra, ou seja, os lucros, que são dinheiro português, saem do país.
      Exemplo flagrante, mas ainda pior do que o anterior são os hipermercados. Instalam-se, e até dizem que promovem a produção nacional, mas as mais-valias conseguidas em dinheiro português fogem para os países onde têm sede. E pior ainda quando o consumidor compra apenas o que de lá vem, sem olhar à origem nem à segurança do produto. Mas ficamos contentes porque temos mais emprego, sem pensarmos, uma vez mais, que quem paga o salário dos seus empregados e os seus impostos ao Estado somos nós.
      Para quem pensa que beneficia comprando mais barato o que é importado, uma nota: o que é barato às vezes sai caro. E neste caso, de um país que está nas lonas, comprar importado sai sempre caro. Se assim queremos, não nos queixemos.

  1. Em relação às notícia, ainda tem dúvidas de onde veio o covid e com que intenção?

    Além de, qualquer dia termos mais um ou dois ou três ou por aí fora de desastres ecológicos, se algum desses navios afunda.

  2. A “caça à pechincha” pelo açambarcamento de petróleo a baixo custo levou a que os preços deste produto recuperassem rapidamente e estejamos agora a pagar a gasolina a valores superiores ao que seria espectável devido à crise global.
    Mas não foi só a China, houve outros aproveitadores da “pechincha”.
    É apenas a minha visão, não demonstra rigor.

    • Não, pagas mais caro porque os países produtores, consertaram-se para reduzir a produção e assim fazer subir os preços.
      A China fez muito bem, aproveitar os saldos.

  3. Não, pagas mais caro porque os países produtores, consertaram-se para reduzir a produção e assim fazer subir os preços.
    A China fez muito bem, aproveitar os saldos.

RESPONDER

PayPal resiste à pandemia. Volume de pagamentos cresce 30% no segundo trimestre

O volume de pagamentos através do PayPal cresceu 30% no segundo trimestre. A empresa parece resistir à pandemia de covid-19, que abalou o setor das viagens, cujos pagamentos estão muitas vezes associados a meios eletrónicos. …

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de beberem desinfetante para as mãos

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de ingerirem desinfetante para as mãos à base de álcool, revelou um relatório do Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) do país esta quarta-feira publicado. De …

Jim Hackett deixa a Ford após três anos de liderança

Ao fim de três anos como CEO da Ford, Jim Hackett será substituído por Jim Farley. Um mandato que fica marcado por problemas financeiros, de produção e pela morte dos três volumes e utilitários. O mandato …

Covid-19: Portugal tem mais 186 casos e quatro pessoas morreram desde sexta-feira

Portugal regista hoje mais quatro mortos e 186 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sexta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o relatório da DGS sobre a situação …

Versão americana da Eurovisão chega em 2021

O Festival Eurovisão da Canção — o maior espetáculo de entretenimento televisivo do mundo — vai chegar aos Estados Unidos no final do próximo ano. A novidade foi divulgada, esta sexta-feira (7), em comunicado oficial. A …

Contratações na TVI após apoios financeiros "suscitam preocupação"

O professor universitário e ex-ministro Miguel Poiares Maduro manifestou "preocupação" relativamente às contratações na TVI, da Media Capital, grupo que beneficia do apoio do Estado, através da compra antecipada de publicidade institucional. Em entrevista à Lusa, …

Invocando Sá Carneiro, Miguel Albuquerque também defende diálogo entre PSD e Chega

O Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, defendeu que o PSD deve dialogar com vários partidos, incluindo o Chega de André Ventura. Depois de Rui Rio admitir em entrevista à RTP que poderá vir …

Sobe para 18 o número de mortos no acidente de avião na Índia

As autoridades indianas atualizara para 18 o número de mortes no acidente com o avião da Air India Express, que voava do Dubai para Kozhikode, no sul da Índia, e que se partiu em dois …

Luz verde para reabertura de centros de dia. DGS sugere dois metros de distância entre idosos

Os centros de dia vão poder reabrir a partir de 15 de agosto, mas de forma faseada e condicionados a uma avaliação prévia da Segurança Social e entidade de saúde local sempre que funcionem juntamente …

Vacina russa para a covid-19 preocupa cientistas. País pode estar a saltar etapas

Países de todo o mundo continuam na corrida por uma vacina contra a covid-19. A Rússia diz estar prestes a anunciar a vacina, deixando preocupada a comunidade científica, ao passo que Itália avança para os …