Igualdade de género num país religioso. Argentina está a um passo de fazer história e legalizar o aborto

Juan Ignacio Roncoroni / EPA

Ativistas dos direitos das mulheres celebram a aprovação da proposta nas ruas de Buenos Aires, na Argentina

O presidente Alberto Fernández tem feito dos direitos das mulheres um princípio central do seu governo, e agora os legisladores argentinos deram um grande passo na legalização do aborto.

A aprovação do projeto na Câmara dos Deputados da Argentina demorou mais de 20 horas a ser discutida. Apesar de ter o apoio do presidente, a proposta precisa de passar pelo Senado para legalizar oficialmente o aborto no país.

A Argentina celebrou, nas ruas de Buenos Aires, a aprovação pela Câmara dos Deputados do projeto de lei que autoriza a interrupção legal da gravidez até a 14ª semana de gestação. A proposta recebeu 131 votos de deputados favoráveis.

Caso a lei seja aprovada oficialmente, a Argentina irá tornar-se apenas no quarto país a tornar o aborto legal na América Latina, região onde leis rígidas de aborto são a norma e o ensino católico é tido como base para orientar as políticas.

Igualdade de género como conduta política

Nas ruas da capital, milhares de ativistas de ambos os lados da questão (a favor e contra a proposta) cercaram o Congresso na noite de quinta-feira até a manhã de sexta-feira. As áreas onde se encontravam estavam claramente designadas, dependendo das suas posições.

“Estou arrepiada”, disse Stefanía Gras, uma estudante de psicologia de 22 anos que permaneceu junto ao Congresso durante a noite, após a votação. “Sinto que estamos a fazer história”, disse a jovem ao New York Times.

Outro grupo, notavelmente menor, que se opõe à legalização, rezou ao ar livre durante toda a noite, embora a maioria reconhecesse que a lei tivesse grande possibilidade de ser aprovada. “Sinto uma tristeza profunda”, disse Paloma Guevara, que se reuniu ao lado de ativistas antiaborto a noite toda. “A nossa esperança agora é o Senado”, admitiu ao jornal norte-americano.

Apesar dessas dificuldades económicas que o país atravessa, Alberto Fernandez manteve a paridade de género e a orientação sexual como prioridades do seu governo, surpreendendo até mesmo alguns ativistas com as suas iniciativas. No início deste ano, o governo criou um sistema de cotas que reservou pelo menos 1% dos empregos públicos federais para os transgéneros argentinos.

O orçamento do Presidente argentino para 2021 identifica mais de 15% dos gastos projetados como destinados a iniciativas que promovam a igualdade de gênero, incluindo o financiamento de programas de prevenção da violência.

Fernández também pediu à sua equipa que evite agendar reuniões que incluam apenas homens heterossexuais. Desde agosto, qualquer audiência de mais de quatro pessoas com o presidente deve ter mulheres ou membros da comunidade LGBTQ.

Uma nova geração de feministas

Pelo menos 65 mulheres morreram entre 2016 e 2018 devido a complicações em abortos ilegais, de acordo com um relatório da Rede Argentina de Acesso ao Aborto Seguro. Nesse mesmo período, 7262 meninas entre 10 e 14 anos deram à luz.

Neste sentido, o Presidente argentino refere que “estou convencido de que é responsabilidade do Estado cuidar da vida e da saúde de quem decide interromper a gravidez”.

Ao fazer isso, o chefe de estado cumpriu uma promessa de campanha que alguns ativistas temiam que se perdesse no meio de um cenário em que o coronavírus e a crise económica ganham todas as atenções.

Vários analistas políticos veem a aprovação do projeto de lei do aborto na Câmara dos Deputados da Argentina como um acordo fechado. O maior obstáculo virá do Senado, onde a medida falhou por pouco em 2018, depois de enfrentar forte oposição de senadores de províncias rurais, onde as igrejas católica e evangélicas têm grande influência.

Apesar da perda, a mobilização massiva antes da votação de 2018, especialmente por mulheres jovens, galvanizou uma nova geração de feministas na Argentina que foram às ruas em grande número para fazer campanha pelo aborto legal e uma representação mais ampla.

A legalização do aborto atenderia a um dos principais pedidos desse movimento e daria a Fernández a sua maior vitória legislativa, dando mais um impulso a um projeto nacional que já começou a remodelar a Argentina.

Como a pandemia atingiu especialmente as mulheres, tornando-as a maioria entre os recém-desempregados, a Argentina liderou o caminho como o país que tomou o maior número de medidas com perspetiva de género para responder à crise, de acordo com um banco de dados do Desenvolvimento das Nações Unidas Programa.

O maior enfoque da Argentina na igualdade de género ocorre num momento em que outros países da região também garantem que as mulheres têm voz nas decisões governamentais.

  ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas estão a plantar mesas de xadrez de corais para restaurar recifes - e contam com a ajuda de garrafas de Coca-Cola

Nas últimas três décadas, os recifes de coral têm sofrido uma grande tensão e consequente destruição, devido ao impacto das alterações climáticas. Agora, os cientistas querem minimizar os danos e já encontraram uma solução. O objetivo …

Belenenses 0-4 Sporting | Melhor o resultado que a lesão

O Sporting, da I Liga, venceu hoje o Belenenses, do Campeonato de Portugal, por 4-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, garantindo o apuramento para a próxima fase da competição. No …

Sintrense 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto, da I Liga, venceu hoje o Sintrense, do Campeonato de Portugal, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, e segue em frente na competição. A jogar em …

Nova tecnologia usa calor dos estacionamentos subterrâneos para aquecer apartamentos

A startup Enerdrape, que funciona dentro da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, desenvolveu uma tecnologia que aproveita o calor emanado pelo solo no aquecimento de apartamentos. Quase 60% do aquecimento utilizado nos edifícios residenciais …

Pela primeira vez, um drone transportou os pulmões de um dador em segurança. Voo demorou seis minutos

Pela primeira vez na história da medicina, um drone aéreo transportou os pulmões de um dador com rapidez e segurança entre dois hospitais. O voo, que durou apenas seis minutos, ocorreu no passado dia 25 de …

Grupo de hackers clonou a voz de empresário para roubar 35 milhões de dólares do banco

Um grupo de hackers clonou a voz do diretor de uma empresa, conseguindo assim roubar mais de 35 milhões de dólares de um banco nos Emirados Árabes Unidos. No início do ano passado, o gerente de …

Portugueses comem duas vezes mais do que o recomendando

Os portugueses consumiram, em média, duas vezes mais calorias do que o recomendando para um adulto entre 2016 e 2020, ano em que a pandemia provocou uma redução do consumo de alimentos diário, mas ainda …

Aos 95 anos, a rainha Isabel II terá de abdicar da sua bebida favorita

A monarca foi aconselhada pelos médicos a abdicar do seu habitual martini de fim de dia, em antecipação a uma fase de agenda especialmente preenchida. Com 95 anos, a rainha Isabel II tem tido uma semana …

Médicos vão avaliar estado mental do atacante da Noruega

A investigação ao ataque com arco e flecha que na quarta-feira fez cinco mortos na Noruega reforçou, até agora, a tese de um ato devido a doença, anunciou hoje a polícia norueguesa. “A hipótese que foi …

Há mais de 100 anos, o Hawai teve uma monarquia - mas a força da princesa Ka'iulani não chegou para a preservar

Antes de morrer, com apenas 23 anos, a princesa Victoria Ka'iulani foi a última herdeira da coroa havaiana. A jovem era uma das últimas esperanças em manter a monarquia viva, mas nem a sua determinação …