Aptera renasce e prepara o carro elétrico mais eficiente do mundo

(dr) Aptera

O Aptera, que mais parece um avião sem asas, se conseguir o financiamento que procura, poderá ser o carro elétrico mais eficiente do mundo. O veículo tem uma autosuficiência de 1600 quilómetros.

Esta não é a primeira nem a segunda tentativa da Aptera em lançar um carro futurista movido a eletricidade. Pela terceira vez, e após ter falido em 2011, a Aptera prepara um novo veículo elétrico com uma eficiência nunca antes vista de 1600 quilómetros, com uma gama de baterias de 40 a 100kWh. Feita a conversão para combustível, isto equivale a algo como 0,7 litros por 100 quilómetros.

A ideia inicial surgiu há dez anos atrás: um carro com um autonomia de 160 quilómetros por apenas uns meros cêntimos de eletricidade. O projeto passou para protótipo, mas acabou por não ter o sucesso desejado e nunca entrou no mercado. Agora, promete uma autonomia dez vezes maior do que o primeiro protótipo de há uma década.

Atualmente, o carro elétrico mais eficiente (600km) nem tem metade da autonomia daquilo que o Aptera promete. A empresa está agora a angariar fundos para lançar um novo modelo em 2022. A aerodinâmica é uma das principais características do carro, que conta apenas com três rodas e dois lugares para passageiros.

“O que me surpreende é que nenhuma empresa aceitou o desafio: quão eficiente pode um carro ser?”, questionou o cofundador da Aptera Chris Anthony, numa entrevista ao site IEEE Spectrum.

De acordo com a descrição feita pelos criadores na plataforma de angariação de fundos WeFunder, o Aptera consegue viajar distâncias quatro vezes maiores do que o carro elétrico médio de hoje. Até 2022, a marca espera vender cerca de 11,250 mil unidades por ano, que vão custar entre 34 e 59 mil dólares.

O Aptera, como um carro amigo do ambiente, consegue reduzir a pegada de carbono do condutor em mais de 6350 quilogramas de CO2 por ano. Por enquanto, a angariação de fundos está longe de atingir o objetivo, tendo apenas conseguido cerca de 130 mil dólares do 1 milhão ambicionado.

ZAP //

PARTILHAR

24 COMENTÁRIOS

    • O mesmo de sempre, um projecto que podia ter tido um bom futuro, mas que ninguém soube desenvolver e comercializar… Portugal tem tudo para desenvolver a sua própria marca de automóveis, só não o faz porque não há ambição empresarial e sobretudo apoio do Estado. Uma boa medida seria um desconto considerável no Imposto Automóvel para os automóveis de marca nacional para potenciar a compra do que é nacional…

      • Tem toda a razão. Tem sido sempre assim, antes e depois do 25 de Abril. Nem empresários nem quem dirige o Estado têm visão de futuro. E não é só no campo da indústria automóvel.

      • Isso do imposto é muito bonito, mas completamente ilegal!!
        Além disso, essa ilusão da marca nacional de automóveis só possível na cabeça de quem está completamente a leste da industria automóvel!
        Se boa parte das marcas europeias (e mundiais) estão em meia-dúzia de grupos, como é que uma portuguesa seria viável?
        Nem Espanha tem uma marca própria, quanto mais Portugal…

        • Espanha tem uma marca embora pertença ao grupo Volkswagen. mas não deixa de ser espanhola. Dos ditadores da família do fascismo, o Salazar foi o único a não investir na indústria automóvel. E houve várias propostas e projetos para carros e motos. Era um ruralista. Achava que a população portuguesa podia ser constituída maioritariamente por camponeses e funcionários do Estado. A riqueza de que o país necessitaria proviria das colónias. Pequenas ideias de um homenzinho incapaz de perceber os rumos da História.

          • Marca “espanhola” criada pela Fiat e que até há poucos anos fazia Fiat’s com a marca Seat – agora são VW’s!…
            O Franco não investiu nada; antes era tudo Fiat, agora é tudo VW!…
            Concordo relativamente ao Salazar, mas, em 2019, criar uma marca de automóveis rentável é um sonho muito difícil de concretizar… já para as marcas “centenárias” é o que se vê, quanto mais para uma marca nova…
            Vinho, azeite, natureza, turismo, etc; isso é que serão as “marcas” de Portugal!

            • Sim, também concordo que atualmente criar uma marca de automóveis é praticamente impossível. Só se for um produto inovador, revolucionário e atrativo.
              PS: Esqueceu-se da cortiça 😉 Ok, estava incluída no etc. 😀

  1. E eles a insistir na palermice da pegada do carbono. Devem achar que fica bem esse chavão. E a produçao de baterias? E a reciclagem das baterias? Não interessa nada? Está provado que os carros elétricos, tanto no que se refere à produção como ao seu fim de vida, são muito mais nocivos para o ambiente que os “velhinhos diesel e gasolina”. Mas como a ecologia é uma treta, e como tudo, está prisioneira dos intreresses económicos, lá vamos nós uma vez mais cair no logro. Quem tem capital para fazer pressão nos media, controla o mundo. isto não é teoria da conspiração, é a certeza de uma constatação. Escusam os iluminados de vir a seguir responder com os conceitos do costume e com as razões da cartilha, que não adianta.

  2. Os carros elétricos são neste momento a alternativa mais económica aos veículos a gasolina e gasóleo, não há dúvida nenhuma, é inegável. Esse é o argumento mais forte. E são silenciosos, maravilha, pelo menos não são responsáveis por poluição sonora. Agora não venham com a treta de que é amigo do ambiente mais a treta da pegada do carbono eheheheh! Na verdade, enquanto circulam, são amigos do ambiente. Mas quanto custa ao planeta produzir energia elétrica para os pôr a circular? Quanto custa ao planeta construi-los? Quanto custa ao planeta as baterias em fim de vida? Pela parte que me toca, carrinhos a pilhas, só se for obrigado. Viva o hidrogenio.

    • Mais disparates e ignorância…
      Quanto custa?
      Poderá custar sol e vento!…
      Qual é o problema das baterias em fim de vida?
      Pois, não sabes mesmo nada de nada…
      De pilhas precisa o teu cérebro!..
      .
      O hidrogénio aparece nos depósitos dos carros por magia, não é?!
      Que cromo…

    • Cuidado, porque a produção de hidrogênio a partir da água nos depósitos dos veículos será o princípio do fim da água. Haja sabedoria nas teses e reflexão aos pensamentos…

      • Então…
        A partir da agua separamos em Oxigenio e Hidrogénio.
        O hidrogénio é usado em combustão (reaçao com o oxigenio) ou em reação que produz eletricidade ao recombinar-se com o oxigenio. Ficamos de novo com água.
        Onde é que está o fim da água?

  3. Viva o hidrogénio. Nós andamos sempre atrasados. Neste momento, cerca de 15 anos. Neste momento podemos ter diesel com consumos de 3 L máximos e a gasolina 5 L. O problema é os países que querem veículos com consumo de 8 ou 10 L até 150L. Em alguns 1 litro custa 0,25 euros.
    Gostava que os jornalistas que só divulgam as estatísticas dos outros e que interessam ao status eco, divulgassem os dados dos veículos com mais de 2000 cc e mais de 4 cilindros se vendem fora de Portugal, pois o nosso país não conta para nada. Somos 1 zero. Só sabemos produzir. A marca mais vendida em Portugal, num ano, vende as mesmas unidades só na cidade de Paris.

  4. Não tens pena de ser um imbecil armado em inteligente? O meu cérebro até poderá vir a precisar de pilhas um dia, quem sabe, mas ao menos posso dizer que tenho cérebro, e agradeço teres reparado. Quanto a ti, lamento, mas não encontro vestígios de cérebro ou de algo que o substituta.

  5. Cuidado, porque a produção de hidrogênio a partir da água nos depósitos dos veículos será o princípio do fim da água. Haja sabedoria nas teses e reflexão aos pensamentos…

Em plena pandemia, há um venezuelano que assegura os funerais no Peru

Ronald Marín é a última esperança para os habitantes de Comas, em Lima. O venezuelano é o único que realiza funerais católicos num cemitério longe do centro da capital, em plena pandemia. Vestido com uma túnica …

Covid-19 pôs mais de um milhão de portugueses em teletrabalho no 2.º trimestre

Um milhão de pessoas esteve em teletrabalho no segundo trimestre, sobretudo devido à covid-19, o equivalente a 23,1% da população empregada, enquanto mais de 600 mil não trabalharam nem no emprego nem em casa. De acordo …

Dia da Defesa Nacional regressa ao formato presencial a 2 de setembro

O Dia da Defesa Nacional, que está suspenso desde o dia 9 de março devido à pandemia de covid-19, irá regressar ao formato presencial a 2 de setembro, anunciou o Governo esta quarta-feira. Em comunicado, o …

Norte-americano detido depois de usar fundos da covid-19 para comprar um Lamborghini

As autoridades dos Estados Unidos detiveram um empresário que comprou um carro de luxo da marca Lamborghini com dinheiro que recebeu de programas federais para ajudar os afetados pelo novo coronavírus (covid-19). A notícia é …

FC Porto e Benfica disputam Supertaça a 23 de dezembro

O jogo da Supertaça, que vai opor o FC Porto ao Benfica e que deveria a abrir a temporada 2020/21, vai disputar-se a 23 de dezembro, anunciou, esta quarta-feira, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF). Em …

Especialistas alemães consideram que país já está a ter uma segunda vaga

Especialistas alemães consideram que o país já está a passar por uma segunda vaga de covid-19, ainda que não seja comparável à primeira. De acordo com o sindicato dos médicos Marburger Bund, o país já está …

Governo garante que julho foi o mês com mais testes à covid-19

O mês de julho registou o maior número de testes à covid-19, totalizando 431.178 rastreios e uma média diária de 13.909, revelou, esta quarta-feira, a secretária de Estado da Saúde. Na conferência de imprensa para fazer …

Imprensa chinesa acusa EUA de "abuso de poder" para roubar TikTok

Um jornal oficial do Partido Comunista Chinês (PCC) acusou esta quarta-feira os Estados Unidos (EUA) de "abusarem do seu poder" para "roubarem" o TikTok, ao forçarem a venda da aplicação de vídeos detida pela empresa …

"Poder militar supremo". Duas semanas de estado de emergência em Beirute

O Governo libanês decretou, esta quarta-feira, o estado de emergência por duas semanas em Beirute, na sequência das explosões no porto da capital. O último balanço feito pelo Governo aponta para 135 mortos. Pelo menos 135 …

43% dos restaurantes pondera avançar para insolvência

Cerca de 43% das empresas de restauração e bebidas e de 17% do alojamento turístico ponderam avançar para insolvência, informa o mais recente inquérito mensal da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP). "No …