Antigos romanos de Pompeia podem ter morrido envenenados pela água

ElfQrin / wikimedia

Ruínas de Pompeia com o vulcão do Monte Vesúvio ao fundo.

Uma análise química feita a um cano de água do abastecimento da antiga cidade romana de Pompeia detectou a presença de antimónio em altas concentrações, o que leva os investigadores a concluir que os habitantes podem ter morrido envenenados por este elemento tóxico.

O sistema de fornecimento de água dos antigos romanos é conhecido por ser muito sofisticado para a época. Mas também tem sido visto como problemático por alguns arqueólogos por assentar em canos feitos de chumbo. Este metal pesado causa danos no sistema nervoso, quando se acumula no organismo humano.

Assim, havia a teoria de que os romanos se teriam envenenado simplesmente por beberem água contaminada com chumbo.

Mas uma nova investigação feita por químicos da Universidade do Sul da Dinamarca (SDU na sigla em Inglês) aponta no sentido de um envenenamento por antimónio.

“Um cano de chumbo fica calcificado muito depressa, impedindo, assim, que o chumbo entre na água potável“, explica o líder da investigação, o especialista em arqueologia química, Kaare Lund Rasmussen, citado no comunicado da SDU sobre a pesquisa.

Rasmussen acredita, deste modo, que “houve apenas curtos períodos de tempo em que a água esteve envenenada pelo chumbo: por exemplo, quando os canos foram colocados ou quando foram reparados”.

“Níveis elevados” de antimónio

A presença do antimónio foi detectada após a análise a um fragmento de 40 miligramas de um cano e com recurso a equipamentos avançados que permitem “detectar elementos químicos numa amostra” e “medir onde ocorrem em grandes concentrações”, conforme destaca a SDU.

Essa análise permitiu concluir que os canos continham “níveis elevados” de antimónio, conforme referem os investigadores no artigo científico publicado no jornal Toxicology Letters.

O antimónio, contrariamente ao chumbo, despoleta uma reacção tóxica imediata, revelando-se “particularmente irritante para os intestinos”, provocando reacções “excessivas” de vómito e diarreia, explica a SDU.

“Nos casos graves, pode também afectar o fígado e os rins e, no pior cenário, pode causar uma paragem cardíaca“, acrescenta a Universidade.

Assim, os habitantes de Pompeia sofreriam diariamente com estes problemas de saúde. Mas só uma análise mais global a todo o sistema de tubagens do abastecimento de águas dos antigos romanos poderá levar a retirar conclusões finais.

Entretanto, os investigadores reparam no facto de a presença do antimónio se verificar de forma natural nas águas subterrâneas próximas de vulcões. O famoso vulcão do Monte Vesúvio pode ter contribuído duplamente para o fim de Pompeia, matando os seus habitantes aos poucos, através do antimónio, antes de destruir completamente a cidade, após uma grande erupção.

SV, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Montezemolo revelou o sonho que Ayrton Senna não cumpriu

O antigo presidente da equipa da Ferrari, Luca di Montezemolo, revelou que o seu maior arrependimento foi não ter conseguido levar Ayrto Senna para a equipa. Em 1994, Ayrton Senna morreu de forma trágica quando perdeu o …

Friends: atores já terminaram as gravações do episódio especial

Ainda antes de os talk shows serem suspensos devido à COVID-19, Matt LeBlanc foi um dos convidados do The Kelly Clarkson Show, onde confirmou que as gravações do episódio especial de FRIENDS estavam concluídas. O programa …

YouTube remove vídeos que vinculam falsamente a Covid-19 ao 5G

A onda de teorias falsas que ligam a pandemia da COVID-19 ao 5G levou a uma série de incidentes, incluindo ameaças a engenheiros. Agora, o YouTube está a reprimir essa desinformação. O YouTube informou que removerá …

Engenheiros construiram um ventilador caseiro. Pode servir como "último recurso"

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, construiu um ventilador caseiro que pode ser usado como último recurso. A pandemia de covid-19 continua a desafiar as comunidades médicas e uma das ameaças …

Sepultura de genocídio encontrada no Ruanda pode conter 30 mil corpos

No Ruanda, foi encontrada uma sepultura que pode conter 30 mil vítimas do genocídio no país em 1994. Cerca de 800 mil tutsis e hutus moderados foram assassinados. Mais de 25 anos depois de um genocídio …

Belenenses SAD entra parcialmente em lay-off

"A indústria do futebol está entre as mais atingidas pelos efeitos da pandemia", que provocou a suspensão de praticamente todas as provas futebolísticas, destaca o Belenenses SAD. O Belenenses SAD, da I Liga de futebol, entrou …

Dois milhões de máscaras furtadas em Espanha podem ter sido vendidas em Portugal

O equipamento médico e sanitário furtado está avaliado em cinco milhões de euros e terá sido adquirido por uma empresa portuguesa que conhecia a proveniência do material. Um empresário de Santiago de Compostela foi detido por, …

Facebook terá tentado comprar um software de espionagem em 2017

O Facebook tem estado envolvido em vários escândalos e o mais recente está relacionado com a alegada compra da ferramenta Pegasus, usada para hackear iPhones. A empresa de segurança informática NSO Group, responsável pela Pegasus, alega …

Primeiro-ministro espanhol diz que coronavírus desafia o futuro da UE. E fá-lo em sete idiomas

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez publicou no domingo um artigo em sete idiomas europeus, argumentando que o coronavírus pode ser a ruína da União europeia (UE) caso não sejam tomadas medidas mais drásticas para lidar …

Viseiras de Leiria despertam cobiça. Bélgica e EUA queriam comprar toda a produção

Várias empresas de moldes e plásticos da região de Leiria estão a fabricar viseiras de protecção contra a Covid-19. Uma adaptação em tempos de pandemia que está a levantar atenção no estrangeiro, com EUA e …