Legislação não impede que animais selvagens sejam vendidos a circos estrangeiros

A nova lei de proteção a animais selvagens não impede que estes sejam vendidos e continuem a ser usados em circos estrangeiros. Animais como camelos, cães e cavalos continuam a poder ser usados.

A lei de proteção a animais selvagens utilizados em circos não impede que estes sejam vendidos para o estrangeiro, noticia esta terça-feira o jornal Público. O PAN alerta que esta limitação na legislação faz com que estes animais selvagens sejam utilizados em espetáculos fora do país e continuem a sofrer alegados abusos.

A nova lei, promulgada em fevereiro, define que daqui a seis anos nenhum animal selvagem poderá ser utilizado em circo portugueses. Para que os animais não sejam vendidos para o estrangeiro, o Governo vai criar uma série de incentivos para que quem trabalhe na arte circense possa trocar de profissão.

Estes incentivos serão, à partida, formações que facilitarão a transição para uma nova área. Em troca, os circos deverão entregar os animais selvagens que têm em sua posse para que o Governo encontre uma nova casa para eles.

“Existindo estes incentivos, há uma desnecessidade de os promotores venderem os animais para outros circos”, disse ao Público a líder parlamentar do PAN, Inês Sousa Real. “Esta lei tem tudo para ser exemplar se for aplicada corretamente”, acrescentou.

Camelos, dromedários e animais domésticos — como cães e cavalos — não estão abrangidos pela proibição, podendo continuar a ser usados nos circos portugueses. Inês Sousa Real realça que se fosse por vontade única do PAN, todos os animais estariam incluídos.

“A nossa intenção era de que o diploma abrangesse todas estas espécies. Isso, infelizmente, não foi possível. Só conseguimos consenso para avançar esta lei relativamente aos animais selvagens. Ficou um bocadinho aquém do que era a expectativa do partido, mas ainda assim é uma vitória para a proteção animal“, explicou.

“Uma sentença de morte ao circo”

O diploma tem causado algum descontentamento na mundo circense, com alguns a discordarem. “Esta lei é uma sentença de morte ao circo. O Governo quer acabar connosco”, disse o empresário circense Claudio Torralvo.

Em 2009, a lei definiu que os circos não podiam comprar novos animais selvagens ou reproduzir aqueles que tinham — mas podiam continuar a usá-los. Para Torralvo, esta nova lei foge a essas promessas.

“Faltaram-nos à verdade. Como viram que os animais são bem tratados e não morreram, fizeram esta lei. É injusto. Porque é que os circos acabam e as touradas continuam?”, atirou. Torralvo deu ainda o exemplo do Circo Chen, que já só faz espetáculos durante a época natalícia: “Olhe o Circo Chen. Acabaram com os animais e agora só fazem natais. Acha que as pessoas pagam para ver burros e palhaços?“.

Miguel Chen, empresário responsável pelo Circo Chen, diz que alguns dos animais que tinha foram vendidos para países como França e Alemanha. Na sua opinião, esta luta já não lhe diz respeito.

Por outro lado, Victor Hugo Cardinalli argumenta que esta lei foi feita à pressa e que serve apenas para “cumprir uma agenda animalista da esquerda”. Gonçalo Teixeira Diniz, responsável pela comunicação do circo, diz que a lei de 2009 era suficiente para acabar com a utilização de animais selvagens na arte circense.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Descoberto sistema de túneis da I Guerra onde estarão enterrados dezenas de soldados

A Agência do Património da Bélgica anunciou esta semana a descoberta de um sistema de túneis alemão da I Guerra Mundial, onde estarão, muito provavelmente, dezenas de soldados enterrados. Em comunicado, citado pela Russia Today, …

Cinco funcionários da Tesla dizem ter sido despedidos por terem ficado em casa durante a pandemia

Cinco funcionários da produtora automóvel Tesla dizem ter sido despedidos por terem ficado em casa durante a pandemia, avança o The Washington Post. De acordo com o jornal norte-americano, foram cinco os colaboradores dispensados da …

"Qual o lugar mais seguro?". Costa compara infetados no Reino Unido e Algarve

O primeiro-ministro apresentou hoje uma tabela que mostra o Reino Unido muito acima do Algarve em número de infetados com covid-19 por cem mil habitantes e pergunta qual o lugar mais seguro para umas férias …

Azul anuncia venda de 6% da TAP ao Estado por 10 milhões de euros

A companhia aérea brasileira Azul, de David Neeleman, anunciou hoje a venda de 6% da TAP, no âmbito do acordo anunciado esta quinta-feira entre o Estado e os acionistas privados, que “garante a continuação” da …

NASA cria dispositivo que o avisa para não tocar no rosto (e pode ser reproduzido em casa)

A pensar na pandemia, a NASA desenvolveu o PULSE, um colar vibratório que nos alerta se formos tocar no rosto com as nossas mãos. A pandemia de covid-19 alastrou pelo mundo e, enquanto não chega um …

Há mais 11 mortes e 374 novos casos de infecção (300 são na Grande Lisboa)

Portugal regista hoje mais 11 mortos devido à doença covid-19 do que na quinta-feira e mais 374 infectados, dos quais 300 na Região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo o boletim da Direcção-Geral da …

Gestão da pandemia: PGR francesa vai abrir investigação judicial a PM e ministros

Em causa estão 90 queixas contra o anterior chefe do Governo Edouard Philippe, e os ministros Olivier Véran e Agnès Buzyn, tendo 53 delas sido examinadas e nove consideradas admissíveis para seguirem eventualmente para tribunal. O …

Benfica perto de garantir Taremi e Helton Leite para a próxima época

O SL Benfica está perto de assegurar as contratações do avançado do Rio Ave, Mehdi Taremi, e do guarda-redes do Boavista, Helton Leite, para a próxima temporada. Mehdi Taremi e Helton Leite deverão ser reforços do …

Operação Marquês. Ivo Rosa não marca data de início do julgamento

O juiz de instrução Ivo Rosa optou por não marcar data de início do julgamento dada a complexidade do processo da Operação Marquês. O anúncio foi feito no final do debate instrutório, esta sexta-feira. "É manifesta …

Bolsonaro veta obrigatoriedade do uso de máscaras em lojas e igrejas

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, vetou hoje parte de uma lei que estipulava o uso obrigatório de máscaras em órgãos públicos, lojas, indústrias, templos religiosos e locais fechados em que haja concentrações de pessoas. O …