Angola já pagou 176 milhões de euros de dívidas a empresas portuguesas

Mário Cruz / Lusa

O ministro do Estado para o Desenvolvimento Económico e Social de Angola abriu o Fórum Empresarial Angola-Portugal com o mais recente balanço do pagamento das dívidas a empresas portuguesas: cerca de 176 milhões de euros.

Citado pela agência de notícias de Angola, a Angop, o governante destacou que o valor em causa corresponde a perto de 60% da dívida certificada, e que ronda os 280 milhões de euros. Da parte portuguesa, o levantamento da dívida a nível global tem sido balizado, embora não oficialmente, entre os 400 e os 500 milhões de euros.

De resto, este é um processo que, como refere o Governo angolano, ainda está a decorrer. Segundo a Angop, citada pelo Público, Manuel Nunes Júnior afirmou não ter dúvidas “de que se está no bom caminho neste domínio” e destacou que estão a ser tomadas medidas para se evitar um novo ciclo de acumulação de pagamentos em atraso. O ministro defendeu que “a confiança na lei e nas instituições têm estado a aumentar em Angola”.

Nesta quarta-feira, o Presidente de Angola, João Lourenço, destacara, na conferência de imprensa conjunta que se realizou em Luanda com Marcelo Rebelo de Sousa no âmbito da visita oficial que decorre até sábado, que a certificação das dívidas estava em curso “há uns meses” e que o país assumia “o compromisso de pagar a cada empresa” com valores devidamente certificados.

Quanto à forma de fazer os pagamentos, realçou que esta “não é imposta”. “Angola propõe aos credores caso a caso, as diferentes formas de pagamento que tem e negoceia”, acrescentou.

As empresas de construção estavam com dificuldades na certificação das dívidas e de que, quando recebiam os pagamentos em obrigações do Estado, acabavam por ter de pagar 30% do valor em comissões à banca quando convertiam os títulos de dívida em dinheiro para repatriar.

No evento desta quinta-feira, Manuel Nunes Júnior realçou que entre 2018 e 2022 o crescimento da economia virá não do sector do petróleo mas sim de sectores como a agricultura, pescas, indústria transformadora, serviços e construção.

O governante realçou que “todos os problemas que se colocam em Angola têm sempre a ver com os preços do petróleo no mercado internacional, que é sempre imprevisível”.

Convidamos os empresários portugueses a investirem nos nossos solos férteis, para nos tornarmos auto-suficientes em termos alimentares, a investirem na agro-indústria, no turismo, educação, pescas, indústria transformadora, na construção e em todos os sectores que podem contribuir para a diversificação da economia angolana”, afirmou o ministro.

Ficou a cargo do Presidente da República de Portugal o encerramento da cerimónia, que contou ainda com a presença de responsáveis dos governos dos dois países, como o ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, o ministro da Agricultura de Angola, Marcos Alexandre Nhunga, e o seu homólogo português, Luís Capoulas Santos.

Os temas dos painéis foram dedicados ao apoio ao investimento privado, ao financiamento do sector produtivo, e às relações económicas entre os países. No último, as intervenções ficaram a cargo do ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Augusto Santos Silva, e do ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Domingos Augusto.

ZAP //

 

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Erro de laboratório origina 20 casos em dois clubes da Liga búlgara

Vinte pessoas estão infetadas com o novo coronavírus, após um futebolista com covid-19 ter participado no duelo entre o Cherno More e o Tsarko Selo, da Liga búlgara, devido ao erro de um laboratório, foi …

Soleimani foi assassinado de forma "ilegal e arbitrária", considera perita da ONU

A relatora especial da ONU, Agnes Callamard, considera que os Estados Unidos não apresentaram provas suficientes para justificar o ataque. Uma especialista da ONU concluiu que o general iraniano Qasem Soleimani, morto num raide norte-americano …

Bolsonaro infetado com covid-19

A imprensa brasileira confirmou, esta terça-feira, que o Presidente Jair Bolsonaro está infetado com covid-19. O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, testou positivo à covid-19. De acordo com a Globo, a informação foi avançada pelo próprio, …

Costa avisa que vem aí a "fase mais crítica" dos incêndios e pede prevenção

O primeiro-ministro participou numa reunião de acompanhamento e monitorização sobre prevenção e combate a fogos florestais e advertiu, esta terça-feira, que Portugal entra agora na fase mais crítica. Esta terça-feira, o primeiro-ministro advertiu que Portugal entra …

"Fracasso" no combate à covid-19. Diretora de Saúde de Israel demite-se

Siegal Sadetzki, diretora dos serviços públicos do Ministério da Saúde de Israel, denunciou o "fracasso" das autoridades em retardar a propagação da covid-19 no país, apresentando a sua demissão. Uma responsável do Ministério da Saúde de …

Quase 900 professores vão entrar nos quadros do Ministério da Educação

Quase 900 professores vão entrar nos quadros do Ministério da Educação, no âmbito do concurso externo imposto ao Estado pela União Europeia. Mais de 800 professores passaram a integrar os quadros do Ministério da Educação através …

Após saída do primeiro-ministro, Macron faz remodelação governamental e muda ministros-chave

O Presidente francês Emmanuel Macron aproveitou a mudança de primeiro-ministro para levar a cabo uma profunda remodelação do seu Governo. Anunciada na segunda-feira, a grande mudança é o novo ministro do Interior, Gérald Darmanin, até …

Marcelo promete ir todas as semanas ao Algarve para "puxar pelo turismo"

O Presidente da República disse esta segunda-feira, no Algarve, que é necessário “olhar para a frente e lutar” para o turismo na região superar as perdas causadas pela exclusão de Portugal do corredor aéreo com …

Portugal sabe a 27 de julho se entra nos corredores aéreos do Reino Unido

A reavaliação da lista de países isentos de quarentena nas chegadas ao Reino Unido, da qual Portugal foi excluído devido aos surtos de covid-19, vai ser feita a 27 de julho, revelou esta segunda-feira o …

Efacec. Estado não vai assumir a dívida de Isabel dos Santos aos bancos

O Conselho de Ministros português aprovou, na quinta-feira, a nacionalização de 71,73% do capital social da Efacec, pertencentes à empresária angolana Isabel dos Santos. Pedro Siza Vieira, ministro da Economia, defendeu esta terça-feira que o Estado …