Comunidade cigana rende-se a Ana Gomes (e a candidata culpa Marcelo pela subida dos “adeptos de Trump”)

Tiago Petinga / Lusa

A candidata às eleições presidenciais, Ana Gomes

Este domingo, Ana Gomes andou na zona metropolitana de Lisboa a ouvir as queixas dos bombeiros e a receber o apoio em massa da comunidade cigana de um bairro social.

No quarto dia de campanha eleitoral, Ana Gomes visitou o bairro dos navegadores, em Porto Salvo, e recebeu o apoio da comunidade cigana. “Fique à vontade, os votos são todos para si”, disse um habitante do bairro, citado pelo Expresso.

A candidata a Belém falou em inclusão e de ser de todas as comunidades “africanas, ucranianas, ciganas, porque Portugal é de todos”, enquanto ouvia disparos direitos a André Ventura por parte da comunidade. “É racista, ele é o Hitler, é um nazi”, disse António Romeira.

O homem, de 50 anos, disse que vai votar em Ana Gomes para ficar em segundo lugar, porque sabe que o primeiro lugar a outro pertence, numa referência a Marcelo Rebelo de Sousa. Na resposta, a socialista encostou o Presidente a André Ventura, atribuindo-lhe a culpa pela “normalização” do Chega.

Marcelo tem responsabilidade por ‘ele’ estar onde está. Porque algumas coisas até melhoraram, com o governo de António Costa, mas outras não avançaram, e isto não pode continuar. E não sei se se lembra do que aconteceu nos Açores (…) mas foi ele que permitiu um Governo com o apoio de um partido racista”, disse, citada pelo Observador.

Depois de cumprimentar um grupo de crianças, Ana Gomes pediu para irem votar “quando forem grandes”. Um membro da comissão de moradores perguntou “em quem?” e um dos rapazes respondeu “Marcelo Rebelo de Sousa”. A candidata retorquiu: “Só se quiseres que fique tudo na mesma”.

Subida de “adeptos de Trump” e a culpa de Marcelo

Ana Gomes assegurou, este domingo, que, se for eleita, quer usar os seus poderes “até ao último centímetro”, numa cooperação “leal, mas vigilante” com o Governo, e responsabilizou Marcelo Rebelo de Sousa pela subida dos “adeptos de Trump”.

No final de uma visita a uma esquadra em Odivelas, a diplomata foi questionada sobre a posição do atual chefe de Estado e recandidato de que seria “uma aventura” mudar de Presidente da República a meio da pandemia, assumida numa entrevista à Rádio Renascença e ao Público.

“Os americanos foram às urnas numa mobilização excecional para se verem livres de um Presidente da República que não servia e todos respirámos de alívio, não foi nenhum obstáculo, até foi uma condição para agora serem tomadas medidas que se impunham há muito tempo”, contrapôs.

Questionada se estava a comparar Marcelo a Donald Trump, a candidata respondeu negativamente. “Não, não estou a comparar. Mas o professor Marcelo Rebelo de Sousa é responsável pela subida dos adeptos de Trump também no nosso país, desde logo normalizando as forças políticas que fazem de Trump um herói e que seguem a mesma metodologia”, considerou.

“Sim, nesse sentido, e com as devidas distâncias, o professor Marcelo Rebelo de Sousa tem tremendas responsabilidades, até pelo facto de prescindir de fazer campanha”, afirmou, criticando que o adversário apenas tenha iniciado esta atividade há poucos dias e ironizando que até anda a “seguir” os seus passos, visitando hoje associações de bombeiros, como fez Ana Gomes esta manhã, primeiro em Carnaxide e depois em Odivelas.

Desafiada a responder qual será o primeiro incêndio que terá de apagar se chegar a Belém, Ana Gomes considerou que são muitos – “uma das características das mulheres é que são polivalentes” – e acabou a balizar como seria a sua articulação com o Governo.

“É evidente que esses fogos têm de ser apagados em articulação leal e franca com o Governo, mas vigilante, é esse o papel que queremos do Presidente da República”, disse.

Ana Gomes assegurou que, se ganhar as Presidenciais, pretende “usar até ao último centímetro” os poderes conferidos pela Constituição.

“Quem elegemos para Presidente da República não é para ser decorativo, não é para fazer muitos sorrisos e dar palmadinhas e abraços. Os afetos são importantes, mas mais é ser vigilante e estar em permanente articulação com o Governo, o Presidente da República e os tribunais e garantir que servem os cidadãos”, disse.

As eleições presidenciais estão marcadas para 24 de janeiro e esta é a 10.ª vez que os portugueses são chamados a escolher o Presidente da República em democracia, desde 1976. A campanha eleitoral decorre até 22 de janeiro.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Homicídio com 32 anos resolvido com a menor amostra de ADN de sempre

Um caso de homicídio ocorrido há 32 anos, que muitos consideraram impossível de ser resolvido, foi finalmente desvendado (e tudo graças à amostra de ADN mais pequena de sempre usada para decifrar um caso). De acordo …

Braços robóticos controlados remotamente podem vir a realizar cirurgias delicadas

Um equipa de investigadores está a trabalhar para eliminar movimentos rígidos nos braços robóticos, de modo a torná-los mais ágeis. O objetivo é que no futuro estes possam empilhar pratos ou até realizar cirurgias delicadas. Os …

Alemão foi forçado a remover estátua do pai por esta se parecer com Hitler

Um alemão foi obrigado a retirar uma figura de madeira de um cemitério, que seria para homenagear o seu falecido pai, por ter semelhanças com o antigo ditador nazi. As autoridades do município de Weil im …

Podcast evita morte de um condenado (seis vezes)

Curtis Flowers foi julgado seis vezes pelo mesmo promotor de justiça. Um programa de investigação mudou o seu destino. O promotor continua a acreditar que Curtis é culpado. A própria equipa responsável pelo 60 Minutes, programa …

EUA venderam álbum único dos Wu-Tang Clan (que pertencia a Martin Shkreli)

O álbum do grupo Wu-Tang Clan, confiscado em 2018 ao antigo gestor de fundos Martin Shkreli, também conhecido como "o empresário mais odiado do mundo", foi agora vendido pelo Governo norte-americano. Num comunicado divulgado esta terça-feira, …

Bezos ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA para entrar na corrida da próxima viagem à Lua

O empresário norte-americano ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA numa tentativa de reacender a batalha espacial entre a sua empresa, a Blue Origin, e a do "rival" Elon Musk, a SpaceX. De acordo com …

Clientes com certificado digital válido impedidos de entrar em restaurantes

Estão a ser reportados vários casos de clientes que, ao apresentarem o certificado digital para poderem entrar num restaurante, não conseguem fazê-lo porque o documento está a ser considerado inválido pelos dispositivos eletrónicos. Segundo a rádio …

Covid-19 trouxe "paranoia" ao mercado

Diretor do Norwich City, da Premier League, acha que os responsáveis por alguns clubes não sabem bem o que estão a fazer nos últimos tempos. O Norwich City iria jogar contra o Coventry City, num encontro …

Israel cria "task force" para reverter boicote da Ben & Jerry's na Cisjordânia

Israel criou uma task force para pressionar a empresa de gelados norte-americana Ben & Jerry's e a sua proprietária, Unilever, a reverterem a decisão de boicotar a ocupação israelita na Cisjordânia. "Precisamos de aproveitar os 18 …

Violência armada. 430 mortos na última semana nos EUA e 2021 pode ser dos piores anos de sempre

Só na semana passada registaram-se cerca de 430 mortos e mais de 1000 feridos associados a tiroteios, num ano que está a ser marcado pelo aumento da violência armada nos Estados Unidos. O ano passado foi …