Crime “escabroso e maquiavélico”. MP pede pena máxima para casal que matou professora

(dr)

Diana Fialho e Iuri Mata estão acusados de matar Amélia Fialho

O Ministério Público pediu, esta sexta-feira, 25 anos de prisão para o casal acusado de matar a mãe adotiva da arguida, no Montijo, em setembro do ano passado.

Um crime “escabroso, maquiavélico e com requintes de barbárie”. Foi assim que o magistrado do Ministério Público (MP) descreveu o homicídio de Amélia Fialho, encontrada morta em setembro do ano passado.

A filha adotiva da vítima, Diana Fialho, e o genro, Iuri Mata, estão a ser acusados pelo assassinato da professora de Físico-Química. Em causa estão os crimes de homicídio agravado e profanação de cadáver.

O juiz de instrução criminal considerou que existiam indícios “mais do que suficientes” para os levar a julgamento, tais como o cadáver encontrado, as imagens do casal a comprar gasolina e um isqueiro, as roupas dos arguidos e o sangue encontrado na casa onde residiam.

Segundo o despacho de acusação, os arguidos “gizaram um plano” para matar Amélia Fialho. O casal colocou na bebida da vítima “fármacos que a puseram a dormir” e, depois, desferiu “vários golpes, utilizando um martelo”, que causaram a morte da professora.

De seguida, os arguidos embrulharam o corpo, colocaram-no na bagageira de um carro e deslocaram-se até um terreno agrícola, no qual, com recurso a gasolina, “atearam fogo ao cadáver”.

Uns dias depois, Diana Fialho e Iuri Mata foram detidos e presentes a tribunal, o qual decretou a medida de coação de prisão preventiva. A arguida está no Estabelecimento Prisional de Tires, enquanto o homem no do Montijo.

MP pede pena máxima

Esta sexta-feira, nas alegações finais do julgamento que decorreu no Tribunal de Almada, o Ministério Público pediu a pena máxima de 25 anos de prisão para ambos. A sentença está marcada para 19 de Julho, escreve o Público.

O magistrado do MP recordou que, quando Diana foi à polícia dar conta do desaparecimento da mãe adotiva, referiu que esta não tinha qualquer problema psicológico e que isso prova que a professora de 59 anos não podia então estar a tomar os medicamentos que foram encontrados na análise toxicológica, nomeadamente um antidepressivo e um indutor de sono.

O procurador recordou ainda que o genro acompanhou os agentes da PJ pelos caminhos percorridos por si e pela mulher até à zona onde o cadáver foi encontrado e que contou o que fizeram em cada local. O facto de Iuri se ter proposto a fazer isso foi considerado pelo MP como uma prova documental.

Segundo o jornal, o magistrado acrescentou também que os vestígios de sangue na casa e no teto do primeiro piso revelam a violência do ato praticado e que o transporte do corpo foi tarefa para duas pessoas. Na altura, os agentes da Polícia Judiciária detetaram na casa o cheiro intenso a lixívia e a incensos.

Relativamente às imagens de videovigilância recolhidas no posto de gasolina, o procurador destaca o facto de duas pessoas “que são marido e mulher e que vivem juntos”, entrarem na loja “em separado” e do facto de terem comprado a gasolina e o isqueiro.

Defesa dos arguidos pede a absolvição

De acordo com o mesmo jornal, a advogada da filha adotiva, Tânia Reis, tentou colocar em causa a prova das imagens da bomba da gasolina, levantando dúvidas sobre as horas das mesmas.

Além disso, a advogada afirmou que “o facto de terem comprado gasolina e isqueiro não quer dizer que os tenham usado para incendiar um corpo“, acrescentando que ambos fumavam.

Depois, escreve o Público, tentou colocar em causa as declarações da inspectora da PJ, Fátima Mira, dizendo que não constam dos autos análises aos computadores nem aos telemóveis como foi referido na acusação.

Alexandra Coelho, advogada do genro disse que a prova é circunstancial e não contundente como diz o Ministério Público. E, além disso, disse que não foi feita a prova de que os arguidos tinham elaborado um plano para matar a professora.

A advogada alegou que a reconstituição não faz parte das provas do julgamento e a mesma não foi validada por uma autoridade judicial. Quanto ao facto de Iuri não falar, a advogada explicou que este está sob o efeito de antidepressivos, porque já se tentou suicidar duas vezes na cadeia.

Alexandra Coelho também alegou que não se sabe se foi numa bebida que a professora ingeriu a medicação, nem que quantidade de medicação foi ingerida, uma vez que o relatório da autópsia nada revela.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Uma cidade romana submersa renasce na Turquia

Uma parte submersa da antiga cidade romana de Augusta ressurgiu depois de o nível da água do lago Seyhan ter descido devido à seca em Adana, no sul da Turquia. A cidade foi fundada por Tibério, …

Apoio a pais de crianças em isolamento profilático mantém-se a 100%

Os pais de crianças que têm de ficar em isolamento profilático têm direito a subsídio pago. A regra é válida para crianças menores de 12 anos. O subsídio pago aos trabalhadores que têm de ficar em …

Barbosa Ribeiro, que não quer ser o Rei Sol, distribuiu álcool gel para "desinfetar" a Câmara

Tiago Barbosa Ribeiro, candidato socialista à Câmara Municipal do Porto, rejeita a ideia de que não é muito conhecido, afasta a ambição de querer ser o "Rei Sol" e admite ficar na Invicta nos próximos …

Coronavírus: há 21 mil anos a causar pandemias

Os coronavírus só foram identificados como distintos dos vírus da gripe nos anos 60 do século passado, e neste houve apenas duas pandemias de coronavírus —  MERS e SARS — registadas antes da atual, mas …

Parlamento discute propostas para travar preços dos combustíveis e da eletricidade

Os deputados votam esta sexta-feira, no Parlamento, o diploma do Governo para limitar as margens de combustíveis, assim como uma série de outras propostas sobre energia, da responsabilidade de vários partidos. O Governo aprovou em julho, …

Marcelo admite que se "fechou uma página" - mas já deixou recados para o Natal

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta quinta-feira que Portugal é visto por outros países europeus como exemplo pela taxa de vacinação e combate à covid-19, mas que este "é um processo …

UGT quer salário mínimo de 1.000 euros em 2028

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, defendeu a necessidade de acabar com a política de baixos salários e precariedade. Carlos Silva, secretário-geral da UGT, defendeu esta quinta-feira que o Governo socialista tem obrigação de aumentar os …

Vermes partilham "memórias" através do ARN para avisar do perigo

Um artigo publicado recentemente na Cell mostra que os vermes têm uma forma peculiar de partilhar memórias: transmitem-nas através do ARN. Partilhar informação é crucial para a sobrevivência das espécies, mas como é que formas de …

Manchester United: jogador expulso e chamado a tribunal em 48 horas

Aaron Wan-Bissaka irá depor em tribunal, no final deste ano. Jovem futebolista foi apanhado a conduzir sem carta e sem seguro. Não estão a ser dias fáceis para Aaron Wan-Bissaka. O futebolista do Manchester United soube …

15 mil cadeiras vazias: Guardiola não gostou mas já ouviu um "recado"

Estádio do Manchester City voltou a ficar longe de lotação esgotada, num jogo da Liga dos Campeões. "Espero que apareça mais gente no sábado", admitiu o treinador. As palavras foram estas, depois da goleada que o …