Alunos de Línguas e Humanidades são os que menos vão para a universidade

Marcos Santos / USP Imagens

Entre os alunos dos cursos científico-humanísticos do ensino secundário, os que escolhem a opção de Línguas e Humanidades são os que mais optam por não prosseguir estudos no superior.

Segundo noticiou o Público na quarta-feira, foi o que aconteceu com 30% dos estudantes de Línguas e Humanidades que concluíram o ensino secundário em 2016/2017, uma proporção que duplica a registada pelos seus colegas das áreas de Ciências.

Estes são alguns dos dados revelados num novo estudo da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC), que se propôs detetar qual a percentagem de alunos que, um ano depois de terem concluído o ensino secundário, estavam a estudar numa instituição do ensino superior.

Para esse efeito, a DGEEC acompanhou o percurso individual dos alunos que concluíram o ensino secundário em 2016/2017, de forma a determinar se estes estavam ou não inscritos no ensino superior no ano letivo seguinte (2017/2018).

Do conjunto dos alunos dos cursos científico-humanísticos, que ainda representam mais de metade dos estudantes do secundário, 20% não tinham seguido para o ensino superior, uma proporção que se tem mantido estável nos últimos anos.

Desagregando pelo tipo de opção seguida, constata-se que os alunos dos cursos de Ciências e Tecnologias e Ciências Socioeconómicas são os que menos desistem de seguir para o superior logo após concluírem o secundário. Os que não prosseguiram estudos representam respetivamente 14% e 15% dos alunos destas áreas.

Com os alunos de Artes Visuais tal acontece com 27% dos estudantes, uma proporção que sobe para 30% na opção de Línguas e Humanidades, que é a segunda em número de estudantes.

USP Imagens

Para o presidente da Comissão Nacional de Acesso ao Ensino Superior, João Guerreiro, esta é uma situação que ainda não se encontra convenientemente estudada, o que o obrigou a procurar informação junto de vários outros especialistas para poder avançar com hipóteses de explicação ao Público.

“Normalmente os alunos que vão para Línguas e Humanidades já acabam o 9.º ano com notas mais baixas dos que aqueles que seguem para outras áreas. E quando acabam o secundário não continuam estudos porque não é isso que pretendem, não estão vocacionados para seguir esse caminho”, adiantou João Guerreiro.

Uma situação bem diferente é a dos alunos de Artes Visuais, embora também 27% não prossigam estudos para o ensino superior. “São alunos particularmente bons, que as universidades estão desejosas de receber, mas que têm o mesmo bloqueio de acesso ao superior que é colocado aos estudantes dos cursos profissionais”, alertou. Mais concretamente, para concorrerem ao ensino superior são obrigados a fazer exames a disciplinas que não constam dos planos de estudos em vigor para estas formações.

Essa é uma das razões que justifica o facto de 82% dos alunos que concluíram o ensino profissional em 2016/2017 não se encontrarem no superior um ano depois.

Entre os alunos que nesse ano letivo concluíram o ensino secundário em cursos profissionais, 12% estavam no ano seguinte inscritos nos cursos Técnicos Superiores Profissionais (Tesp). Esses cursos, que iniciaram em 2014/2015, são ministrados nos institutos politécnicos, têm a duração de dois anos e não conferem grau académico.

A existência ou não desta oferta é uma das razões que explica a desproporção que se faz sentir a nível regional no que respeita aos alunos que vieram do profissional e estão a estudar numa instituição do ensino superior. No distrito de Bragança são 42%, enquanto que em Lisboa e no Porto não vão além dos 14%.

TP, ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Alunos mais fracos em humanidades? Não sei não, cheira-me a preconceito e falta de informação. A minha filha está em humanidades é aluna de 18, 19 e até 20. E a média da turma não é fraca. Tenho notado que se dá demasiada importância aos cursos de ciências e que se tem sobrevalorizado o ensino da matemática e dos cursos superiores ligados às engenharias. Se calhar os de humanidades acabam o secundário melhor preparados para o mundo do trabalho ou aproveitam o facto de aprenderem línguas estrangeiras e saírem daqui para fora. Mas este estudo não me parece muito correto…

    • Lá está… o Nj deveria ter ido para humanidades. Mais não seja para aprender a escrever corretamente.
      Então refere:”…acabam o secundário melhor preparados para…”. Devia saber que é “mais bem preparados” dado que o “bem preparado” neste caso é um todo significativo.
      E eu não sou de humanidades.

    • Agradeço a correção. Mas eu mal terminei a quarta classe. Ao contrário de si que teve o privilégio de estudar e ser doutor ou engenheiro. Mas acredite que há quem estude muito, não para fazer bem o seu trabalho mas para atentar e criticar os outros. Agradeço correção deste pequeno comentário. Obrigado e espero que perca o seu tempo a corrigir políticos e jornalistas, talvez ganhe mais algum e fique feliz. Comente a notícia por favor esqueça os erros dos outros e preocupe-se com os seus.

  2. Concordo plenamente…o mal é na sociedade Portuguesa se usar muitos rótulos…os miúdos de línguas e humanidades não são inferiores aos que seguem ciências…apenas se tem de fazer opções….há muitos séculos que precisam um dos outros como por exemplo o que seria a vida de um médico quando precisa de recorrer a um tribunal e não houvesse um advogado para o orientar, ou como seria a vida de um advogado se não existisse um médico para o ajudar numa doença… Em vez de rótulos trabalhem mas é todos para a felicidade, porque a vida é curta….

    • Até se diz por aí que os advogados trabalham bem. E alguns até se mostram disponíveis para todo o tipo de trabalhos. É o que se ouve por aí.

      • E nas outras profissões não existirá também pessoas disponíveis para todo o tipo de trabalhos como dá a entender existir nos advogados? Parece-me que é mais ajuizado olhar para o telhado …não nos vá cair o meteorito na cabeça…quem se julga mais que os outros cuidado com a queda.

  3. É triste que se utilizem estes comentários para ofender e não para fazer o que realmente poderia ser interessante , ou seja, comentar o teor da notícia. Vamos longe como povo a respeitar o próximo desta maneira! Força continuem

RESPONDER

Igrejas evangélicas cultivam violência doméstica ao defender a supremacia dos homens sobre as mulheres

O facto de a igreja evangélica defender que o homem deve controlar a mulher apenas agrava o problema de violência doméstica, justificando os atos dos homens. Jane (nome fictício) era membro da comunidade cristã evangélica da …

A Cidade do México está a pagar aos seus polícias para que percam peso

A Polícia da Cidade do México está a levar a cabo um programa para combater o excesso de peso e a obesidade no seu efetivo através de incentivos financeiros.  Ao todo, escreve a agência AFP que …

Há um novo método para medir buracos negros

Os buracos negros supermassivos são os maiores buracos negros, com massas que podem exceder mil milhões de sóis. Apenas esta primavera foi divulgada a primeira imagem do buraco negro supermassivo no centro da galáxia M87, …

E Tudo o Vento Levou… há 80 anos

E Tudo o Vento Levou celebra este domingo 80 anos de vida, marcando a data da sua estreia nos Estados Unidos. Oito décadas depois, o filme mantém-se como uma das maiores obras primas do cinema …

O problema impossível mais simples do mundo está a levar matemáticos à loucura

Matemáticos avisam os seus colegas para se manterem longe da conjetura de Collatz. No entanto, Terence Tao decidiu arriscar, e está muito perto de resolver aquele que muitos chamam de o problema impossível mais simples …

Soldados da Guerra Civil dos EUA pintavam o cabelo para ficar melhor nas fotografias

Investigadores encontraram evidências que indicam que soldados da Guerra Civil norte-americana pintavam o cabelo para ficar melhor nas fotografias. Escavações em Camp Nelson, no Kentucky, revelaram restos de um estúdio de fotografia com 150 anos, o …

Chuva, vento forte e neve. Mau tempo vai agravar-se nas próximas 48 horas

A Proteção Civil alertou este domingo para um agravamento do estado do tempo nas próximas 48 horas, com períodos de chuva, possibilidade da queda de neve nas terras alta do norte e centro e ainda …

Descoberta nova espécie de aranha-violinista no Vale do México

Cientistas identificaram, no México, uma nova espécie de aranha com um veneno que, apesar de não ser fatal, é capaz de causar necrose na pele humana. Uma equipa de cientistas da Universidade Nacional Autónoma do México …

Já sabemos sobre o que conversam os orangotangos

Um novo estudo da Universidade de Exeter, em Inglaterra, desvendou a linguagem secreta dos orangotangos, descobrindo o que significam 11 sinais vocais e 21 gestos. Os investigadores passaram dois anos a filmar mais de 600 horas …

COP25 aprovou conclusões. Não há acordo para regulação dos mercados de carbono

A cimeira da ONU sobre o clima terminou hoje em Madrid assinalando a urgência para conter as alterações climáticas, mas a mais longa cimeira sobre o clima de sempre sem chegar a acordo nos pontos …