Alunos com gaguez não terão de fazer exames orais

Os alunos com gaguez podem ser dispensados da realização das provas orais. Há dois anos, estes exames passaram a integrar a avaliação externa em línguas estrangeiras nos exames do ensino secundária e nas provas de aferição do 2.º e 3.º ciclos.

A gaguez não é referida expressamente como uma “patologia” prevista para a atribuição de condições especiais na realização de exames. Porém, a garantia é dada pelo Ministério da Educação, ouvido pelo jornal Público. “Nos casos de perturbação da fala ou patologia completamente incapacitadora da produção oral, são dispensados”, indicou.

Para um aluno ser dispensado das provas orais tem de existir uma fundamentação expressa no seu processo individual, “nomeadamente no Relatório Técnico-Pedagógico, quando aplicável, ou em relatório médico ou de técnico da especialidade”.

A concessão de tempo suplementar para além daquele que é dado a todos os alunos, neste caso para a realização das orais, é também uma das medidas de adaptação das provas de que poderão beneficiar os alunos com gaguez, sendo que as normas para os exames “já contemplam o tipo de adaptação necessária para que os alunos as possam realizar nas mesmas condições em que realizam as provas de avaliação interna”.

Esta é uma das alterações que decorrem da aplicação do novo regime de educação inclusiva (decreto de lei 54/2018), que no ano passado substituiu o da educação especial. Neste diploma estipula-se que “as escolas devem assegurar a todos os alunos o direito à participação no processo de avaliação” e que para tal podem recorrer às alterações no modo como se avalia, que se encontram elencadas na lei.

Nas normas para a realização da avaliação externa, o Júri Nacional de Exames (JNE) esclarece que quando os alunos ficam dispensados da realização das provas orais, a classificação final do exame é a que obtiveram na componente escrita.

Numa análise aos resultados obtidos pelos alunos no primeiro ano de aplicação das provas orais em línguas estrangeiras, de acordo com o mesmo jornal, o JNE concluiu “que, no caso do exame de Espanhol existe algum equilíbrio entre as classificações obtidas nas duas componentes, não contribuindo a componente oral de forma significativa para a classificação final do exame”.

Nos exames de Francês e Inglês, “a oral contribuiu de forma significativa para o aumento da média final do exame”. “Pelo contrário, no exame de Alemão verificou-se que as classificações da componente oral são mais baixas que as da componente escrita.”

Na Assembleia da República, ainda nada se encontra definido quanto ao pedido de tempo suplementar para a deputada Joacine Katar Moreira, apresentado pelo Livre. Por agora ficou decidido que esta deputada, que tem um problema de gaguez severa, não terá uma “tolerância fixa”, mas que a mesa da Assembleia da República lhe atribuirá tempo suplementar para as suas intervenções.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Impossíveis de cumprir. Directores preocupados com novas regras para as escolas

As orientações da Direcção Geral de Saúde (DGS) para as escolas com vista ao regresso das aulas presenciais, em Setembro, estão a preocupar os directores dos estabelecimentos de ensino. Isto porque as consideram impossíveis de …

Homicídios disparam na maioria das cidades norte-americanas durante a pandemia

O número de homicídios cometidos em solo norte-americano disparou na maioria das cidades do país na primeira metade de 2020, comparativamente com o mesmo período do ano passado, revela uma investigação do New York Times. …

Investigadores desenvolvem robô-cientista (e já descobriu um novo catalisador)

Uma equipa de cientistas da Universidade de Liverpool, no Reino Unido, construiu um robô-cientista móvel inteligente, que realiza experiências sem ajuda humana. O novo robô-cientista toma decisões sozinho e já descobriu um novo catalisador. Segundo a …

Sérgio Figueiredo deixa direção de informação da TVI

Sérgio Figueiredo saiu do cargo de diretor de informação da TVI, anuncia a estação de televisão em comunicado enviado às redações. A cessação de funções é efetiva a partir desta sexta (10) e põe fim a …

Dinamarca lança "passaporte covid-19"

O Governo da Dinamarca lançou o "passaporte covid-19", um documento que atesta que o portador do mesmo não teve um resultado positivo ao novo coronavírus recentemente. Deverá ser utilizado em viagens internas ou externas. De …

Mais oito mortes e 342 novos casos. Mais 305 pessoas dadas como recuperadas

Portugal regista este sábado mais oito mortes por covid-19 e mais 342 casos confirmados em relação a sexta-feira, segundo dados da Direção-Geral de Saúde. De acordo com o boletim epidemiológico diário da DGS, há 46.221 casos …

Ainda há esperança para os gorilas mais raros do mundo. Foram fotografados com crias

Os gorilas do rio Cross, os mais raros do mundo, foram fotografados na Nigéria com algumas crias, aumentando a esperança para esta espécie de primatas. A fotografias foram divulgadas por uma organização não-governamental nigeriana, a …

"Já sofreu muito". Trump comuta pena de prisão do seu amigo e antigo conselheiro Roger Stone

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, comutou a pena de prisão do seu amigo e antigo conselheiro Roger Stone, que foi condenado em fevereiro a 40 meses de prisão, anunciou sexta-feira a Casa Branca. Roger …

Armas, droga, sucata e prostituição financiam neonazis portugueses (mas lucros não vão todos para a causa)

Os grupos neonazis portugueses são "bastante desorganizados" e financiam-se com dinheiro obtido em negócios ilícitos, como o tráfico de armas, de droga e de mulheres para prostituição e a sucata. Mas os ganhos obtidos não …

"Nem de perto nem de longe". DGS não recomenda reabertura de parques infantis

A reabertura de parques infantis não é “nem de perto nem de longe” recomendada pela Direção-Geral de Saúde (DGS), disse a diretora-geral que explicou que as crianças devem brincar no modelo de “bolhas familiares”. “Pela sua …