Almirantes lançam-se a Cabrita e criticam marinha “amadora” da GNR

Mário Cruz / Lusa

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita

Os sete ex-chefes do Estado-Maior da Armada criticam o Ministério da Administração Interna pela compra da megalancha ‘Bojador’ para a GNR e a cria­ção de uma guarda costeira que se sobrepõe às missões da Armada.

No dia 7 de maio, Eduardo Cabrita inaugurou o ‘Bojador’, a nova megalancha da GNR, visto pelo ministro da Administração Interna como “um reforço decisivo no seu papel como Guarda Costeira”. Na cerimónia, não havia qualquer representante do Estado-Maior da Armada ou do Comando Naval da Marinha, que se mostram descontentes quanto ao reforço do papel da GNR como autoridade marítima.

Agora, numa carta assinada por todos os sete ex-chefes do Estado-Maior da Armada (CEMA), é criticada a compra da megalancha ‘Bojador’ para a GNR, “sem sequer procurar compatibilizar requisitos com a Marinha”, e a cria­ção de uma guarda costeira que se sobrepõe às missões da Armada.

Os signatários, citados pelo Expresso, consideram que esta é uma entidade “sem vocação”, classificada como “amadora” por “falta de experiência de vida no mar”.

“A GNR não terá outras prioridades mais atinentes à sua vocação e imprescindível serviço, em vez de alargar a sua ambição ao mar, onde não tem experiência nem o conhecimento de 700 anos da Marinha? Alguém estudou o assunto?“, questionam os almirantes.

“Enquanto a Marinha definha, continuando a aguardar pelos meios que lhe permitam cumprir melhor a sua missão, assiste-se à tomada de decisões de pendor corporativo que não têm em conta o superior interesse nacional“, lê-se ainda no documento enviado para o poder político.

O ex-líder do CDS, Adriano Moreira, é um dos signatários da carta que alerta contra a “deriva” marítima da GNR, da responsabilidade do ministério da Administração Interna.

“Foi sem surpresa, mas com indignação, que numa situação de gravíssima crise social, económica e financeira em que a Marinha tem vindo a sofrer, em paralelo com a sociedade, reduções nunca vistas nos recursos financeiros, humanos e materiais disponibilizados, a UCC alarga o seu modelo de atuação ao alto mar, contratando em menos de um ano, no estrangeiro, a construção de um navio por mais de oito milhões de euros sem sequer procurar compatibilizar requisitos operacionais com a Marinha”, escrevem os almirantes, citados pelo DN.

A compra do ‘Bojador’ exacerbou os problemas já existentes entre o poder político e a Marinha, numa conjuntura em que o seu orçamento decresceu cerca de 31% nos últimos dez anos.

Daniel Costa, ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Estamos muito mal. Isto é um sinal das más governações, os partidos e suas organizações querem controlar tudo e todos escondendo-se assim por detrás de uma polícia o que faz recordar outros tempos (PIDE) GNR e PSP são polícias que servem os políticos, guarda costas dos governantes e cumpridores de ideias e não da Lei. Pergunta-se amanhã qual polícia ou força militar o povo pode contar em sua defesa?

  2. Mega-lanchas proporcionam meganegócios! Não é importante a vocação da GNR se é que de facto existe alguma.

  3. Mas será que este homem ainda não percebeu que não é parte da solução? E que assim sendo, é sempre parte do problema?
    Será assim tão limitado de intelecto que nem isso consegue compreender? As suas ações demonstram que é um profundo incompetente em toda a linha e muito limitado intelectualmente. Para além de um bruto sem quaisquer maneiras.

  4. Estou bastante surpreendido!
    Pergunto-me, já que perguntando a quem passível de responder, não o fará, o que se estará a preparar… para um Novo 28 de Maio de 1926?… quando se retiram valências às Forças Armadas Portuguesas, despojando-as dos instrumentos próprios para a DEFESA de PORTUGAL, e da SUA SOBERANIA, a troco de um “prato de lentilhas”… AOS MILHÕES…
    Quem serão os envolvidos nesta FICÇÃO, que poderá vir a transformar-se numa ABRASADORA FRICÇÃO?
    Seria bom o regresso à incorporação para SERVIÇO MILITAR OBRIGATÓRIO, de forma a poder dar voz, e exercício militar, preparando todos os cidadãos portugueses, regularmente, nas diversas valias e aptidões.
    QUEM BAIXA A GUARDA… SABE O QUE LHE ACONTECE!
    E PARA MIM, TUDO ISTO É MUITO ESTRANHO… e não é apenas um negócio de milhões… €.
    Por agora é tudo. A um bom entendedor meia palavra basta!

    • Quando não se sabe do que falar, só resta o fala-fala. O caro faz a mínima ideia do que sejam “Forças Armadas”? Acha que 30 000 salários fazem “forças armadas”? Será que algum dos sete ex-Estado Maior alguma vez combateram? Duvido, não passam de carreiristas, a maior parte administrativos. Em Portugal não existe coragem para reformar, só de remendar até à próxima “reforma”. As FA portuguesas são uma completa inutilidade, não passam de oportunidades de carreira, onde as promoções nada têm a ver com o mérito, daí que existam mais oficiais-generais e almirantes que cozinheiros. Há excepções alguns milhares de militares preparados, bons em qualquer parte do mundo, mas são uma minoria que justifica e alimenta milhares de patentes inúteis.
      É em salários que o Estado gasta a maior parte da dotação das FA, dois terços não passam de funcionários públicos, fardados, não preparados para combate. E são ineficientes, muito melhor seria que fossem funcionários civis. O outro terço, esse sim, deveria estar preparado e pronto para eventual combate e, exagerando, não deveriam ser mais que 7 500 militares a sério, não soldadinhos de chumbo para justificarem a existência de tantos oficiais superiores.
      Não competem à Marinha funções de polícia e patrulha da costa, isso seria da competência de uma guarda costeira, chame-se o que quiserem.
      Não vai existir nenhuma reforma, no máximo será cosmético, temos que continuar a sustentar uma estrutura onde oficiais superiores são mais numerosos que cozinheiros.

RESPONDER

Tempestade de areia "engoliu" cidade na China

Uma forte tempestade de areia "engoliu" a cidade de Dunhuang, no noroeste da China, no passado domingo. De acordo com o South China Morning Post, a forte tempestade de areia, que provocou nuvens de poeira com …

Raíssa faz bolachas com o lema "Fora Bolsonaro". Já se tornaram virais

Uma brasileira começou a fazer bolachas com o lema "Fora Bolsonaro" em jeito de brincadeira, mas agora já vende centenas todos os dias. Aquilo que começou como uma simples brincadeira, acabou por tornar-se viral. A ideia …

Zara, 19 anos, quer ser a mulher mais nova de sempre a voar sozinha à volta do mundo

Uma jovem, de 19 anos, pôs mãos à obra para levar a cabo um "gap year" (o chamado ano sabático) com um propósito muito fora do comum: tornar-se a mulher mais nova de sempre a …

Francês diz ter usado método matemático para ganhar o Euromilhões

O francês, que não quis revelar a sua fórmula à imprensa, ganhou, no dia 11 de junho, 30 milhões de euros com a combinação com a qual jogava há um mês. A história foi contada, esta …

Mais de metade da população portuguesa já tem a vacinação completa

Mais de metade da população residente em Portugal (52%) já tem a vacinação completa contra a covid-19, revela o relatório semanal de vacinação divulgado esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último relatório semanal …

Campeão olímpico criou problemas no seu país natal

Richard Carapaz, medalha de ouro no ciclismo, foi direto: "O país nunca acreditou em mim". Presidente do Equador, ministro e Comité Olímpico reagiram. Poucos dias depois de ter subido ao pódio final da Volta a França …

Jovens preocupados com fertilidade e efeitos secundários das vacinas contra a covid-19

Com o avanço das campanhas de vacinação, um grande número de pessoas das faixas etárias baixo dos 30 anos mostra-se relutante em tomar a vacina contra a covid-19. Os jovens falam de preocupações com fertilidade …

Dois gestos de Cla(ri)sse que ficam para a memória olímpica

Clarisse Agbégnénou foi campeã olímpica no judo, pela primeira vez - mas a atitude que demonstrou, mal venceu a final, ficará também nos registos. Campeã mundial cinco vezes, mais duas medalhas de prata. Cinco medalhas em …

Sindicatos avançam com ações legais para travar despedimento coletivo na TAP

Os sindicatos que representam os trabalhadores da TAP vão avançar com ações legais para travar o despedimento coletivo que a empresa iniciou na segunda-feira, que abrange 124 profissionais. "Até agora houve conversa, a partir de agora …

Ginastas alemãs usam fato integral para combater sexualização da modalidade

Ao contrário do que acontece com os ginastas masculinos, que podem optar por calções ou calças, as mulheres competem, desde o início da modalidade, de bodies que expõem grande parte do seu corpo. Quando, no último …