Portugueses querem vender alimentos feitos com insetos

Empresas portuguesas querem tornar ricos em proteína animal alimentos como bolachas ou pão. Aguardam apenas a autorização europeia para entrarem no mercado da alimentação humana.

Estão a ser criadas larvas de insetos e transformadas em farinhas para incorporar em alimentos como bolachas, pão, patés ou barras proteicas, de modo a tornar ricos em proteína animal alimentos que apenas aguardam autorização europeia para entrarem no mercado da alimentação humana.

Há muitos anos que os humanos comem insetos. No mundo ocidental deixámos de comer em certa altura da história e o que está em jogo neste momento é voltarmos a comer”, disse à Lusa José Gonçalves, fundador da Nutrix, empresa de Leiria que produz framboesas biológicas e que tem em fase experimental a produção de larvas de grilo para alimentação humana.

A posição da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) consiste na necessidade de se encontrarem alternativas sustentáveis para produzir proteína animal, tendo em conta os “impactos brutais” das fontes atualmente utilizadas (carnes de vaca, de porco e de frango).

Do ponto de vista nutricional, os insetos são riquíssimos. Além disso, são também sustentáveis do ponto de vista ambiental, tornando-os num “dois em um que raramente se consegue com outros alimentos”, frisou o responsável.

As vantagens são apontadas igualmente por Guilherme Pereira, um dos fundadores da Portugal Bugs, empresa de Matosinhos que cria larvas de besouros pretos (bicho da farinha ou tenébrio) para alimentação humana e animal.

“Há insetos que conseguem ter a quantidade máxima de aminoácidos essenciais que precisamos e não conseguimos sintetizar. O ser humano precisa de proteína para conseguir sobreviver”, afirmou.

Para Daniel Murta, um dos fundadores da EntoGreen, empresa de Santarém que está a desenvolver um projeto com investigadores da Estação Zootécnica Nacional (EZN), polo de Santarém do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV) e que envolve um entreposto agrícola e produtores de rações animais, a utilização de insetos permite “fechar um ciclo”, constituindo um “selo de sustentabilidade e de economia circular”.

“Estamos a produzir animais que vão converter subprodutos alimentares. Estamos a utilizar o que não é utilizado nas cadeias de distribuição, a focar 100% em produtos vegetais que são gerados nas fábricas de produção alimentar e que estão em condições de ser utilizados na alimentação animal, mas que acabam em aterro ou compostagem”, disse.

A EntoGreen aproveita esses nutrientes, que de outra forma seriam desperdiçados, e reintegra-os na cadeia de valor, transformando-os em fertilizantes agrícolas com recurso aos insetos, ao mesmo tempo que produz “duas fontes nutricionais alternativas: a proteína de inseto e o óleo de inseto, altamente valorizadas e que começam a ser bastante apetecíveis, por exemplo na indústria de produção de aquacultura”, acrescentou.

Daniel Murta sublinhou o apoio do INIAV, onde as empresas puderam contar com a vertente de investigação e desenvolvimento e a possibilidade de submissão de candidaturas a fundos comunitários.

Os resultados preliminares deste projeto (EntoValor) “foram bastante animadores”, pois “demonstraram que é possível substituir totalmente a soja por farinha de insetos e produzir de forma eficiente os animais”, e que os fertilizantes gerados “são úteis no solo”.

A expectativa é que durante este ano e o próximo possa ser construída “uma unidade de escala total e entrar no mercado”, adiantou.

Enquanto decorrem os processos de aprovação para alimentação humana, a Portugal Bugs está já a produzir, tanto as larvas como o produto final, para quando puder entrar no mercado o fazer “sem depender de terceiros”, sendo “mais competitivos” e garantindo a forma como os insetos são produzidos.

Por seu turno, a Nutrix está “em fase experimental”, a “arrancar com a unidade piloto de produção de insetos” que, tal como a Portugal Bugs, vai incorporar, em forma de farinha, “em alimentos que já conhecemos, como, por exemplo, para enriquecer uma bolacha, uma barra proteica, um pão, um paté”.

Lusa ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. vai ter que ser um dia,se calhar ,o melhor irmos abituando,as previsoes e estatisticas dizem que a partir de 2040,com o crescimento da populaçao ,nao vamos poder manter uma alimentaçao como actualmente,e tudo uma questao de moda! a 20 anos quando dizia que tinha comido sushi,toda a gente criticava e achava uma loucura comer peixe cru,essas mesmas pessoas, agora nao passam uma semana sem ir aos restaurantes de sushi ;- )

RESPONDER

Dois anos depois, primeiro produto de canábis chega às farmácias em abril

Dois anos depois de aprovada a lei, as farmácias portuguesas já receberam "luz verde" para começar a vender o primeiro produto de canábis a partir de abril. De acordo com o Jornal de Notícias, que avança …

"Sucesso completo". China declara (outra vez) que erradicou a pobreza extrema

O Presidente da China, Xi Jinping, declarou esta quinta-feira oficialmente que o país concluiu a "árdua tarefa" de erradicar a pobreza extrema, apontando que 98,99 milhões de pessoas saíram daquela condição nos últimos oito anos. "Hoje, …

Relatório acusa príncipe saudita de aprovar a morte de Khashoggi

Um relatório da inteligência norte-americana conclui que o príncipe herdeiro saudita aprovou o assassínio do jornalista Jamal Khashoggi, em 2018. O príncipe herdeiro e governante da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, aprovou o assassínio em 2018 …

Venda de barragens. Terra de Miranda acusa EDP de fraude fiscal

O Movimento Cultural da Terra de Miranda suspeita que o negócio das barragens da EDP foi arquitetado de forma a escapar ao pagamento de impostos. Em causa está o pagamento de 110 milhões de euros …

Entre acusações a um Governo "incompetente" que "saiu do armário", foi aprovado o estado de emergência até 16 de março

Esta quinta-feira foi aprovada, na Assembleia da República, a renovação do estado de emergência até 16 de março. O decreto passou com votos a favor do PS, PSD, CDS, PAN e deputada não inscrita Cristina …

Alterações climáticas geram mais de 12 mil milhões de euros de perdas anuais na UE

Na apresentação da nova estratégia de Bruxelas para fazer face à crise ambiental, o vice-presidente executivo da Comissão Europeia, Frans Timmermans, afirmou que o combate às alterações climáticas já não passa apenas pela redução das …

Finalizada vacina da Moderna para combater variante sul-africana da covid-19

A vacina da Moderna, alterada para combater também a variante sul-africana da covid-19, está pronta e foi enviada, na quarta-feira, a vários institutos de saúde norte-americanos para o início dos testes clínicos. Como lembrou a TSF, …

Ex-agente sírio condenado na Alemanha por cumplicidade em crimes contra a Humanidade

A justiça alemã condenou, esta quarta-feira, um ex-membro dos serviços secretos sírios a quatro anos e meio de prisão por "cumplicidade em crimes contra a Humanidade" no primeiro julgamento no mundo ligado aos abusos atribuídos …

França pondera passaporte de vacinação e códigos QR para regresso à "normalidade"

O governo do Presidente francês Emmanuel Macron está a estudar formas de recuperar alguma normalidade, admitindo a implementação de passaporte de vacinação e soluções com código QR para cruzar fronteiras e ter acesso a restaurantes, …

Na Suíça, os jovens vão poder voltar a cantar. Nos EUA, teme-se o impacto da variante britânica

A Suíça vai avançar com a primeira fase de um plano de desconfinamento cauteloso. Nos Estados Unidos, a variante britânica preocupa. Depois de a Suíça ter proibido o canto em dezembro do ano passado, os jovens …