Alice Quintela aprendeu a nadar com 51 anos (e soma recordes aos 80)

Manuel Fernando Araújo / Lusa

A octogenária Alice Quintela soma medalhas e recordes nacionais na natação

Alice Quintela aprendeu a nadar aos 51 anos, aceitando logo depois o desafio de competir, e hoje, três décadas depois, detém 13 recordes nacionais no escalão dos 80 aos 84 anos, em piscina curta e longa.

“Vivo uma paixão daquelas”, disse à agência Lusa Alice Quintela, a nadadora de Matosinhos que, no Complexo de Piscina de Águas Santas, na Maia, aproveita o facto de ser viúva e “nem ter nada” que a “preocupe” para, dentro de uma piscina, três dias por semana, se envolver com o que mais gosta: a água.

E se a entrada na piscina surgiu um ano depois de ter começado a “fazer ginástica para ficar mais flexível”, procurando “simplificar” os problemas que “o facto de ter uma profissão muito parada” anunciavam, a adoração pela água vem-lhe desde a infância, conta.

Com os olhos arregalados, a nadadora, de 80 anos, relatou ter “sido habituada a ir para a praia cedo e a banhar-se logo às oito horas da manhã”.

A história que se segue já tem 30 anos, mas a nadadora do Clube de Natação da Maia recorda cada passo do que foi o processo “mais difícil” na vontade de abrir horizontes na piscina: federar-se.

“A minha médica de família recusou-se a preencher o impresso” que atestava a sua condição física para praticar desporto, lembrou Alice Quintela que, sem tempo para baixar os braços, entrou num contrarrelógio para conseguir a tempo a declaração médica para juntar ao processo a entregar na Federação Portuguesa de Natação.

Entre sorrisos, contou ter recorrido ao antigo médico de família a quem, “depois de muita conversa”, convenceu a passar os exames, acabando por ser aquele, “a dois dias do prazo para a inscrição encerrar, a assinar o impresso”.

“Ele ainda me alertou da morte recente de um futebolista de 23 anos, mas eu argumentei que a minha prova é de um minuto e tal enquanto o futebolista joga uma hora e meia”, recordou a recordista do escalão L, destinada a atletas de ambos os sexos entre os 80 e 84 anos.

Competindo nos estilos livre e costas, nas distâncias de 50 e 100 metros, tendo também já nadado os 200 metros livres, ao todo, contou à Lusa, tem “oito recordes nacionais em piscina curta e cinco em piscina longa”.

Alice Quintela, que “durante o dia não para”, assume que as 24 horas “não chegam para fazer tudo o que quer”.

E já com uma experiência de 30 anos a competir, Alice Quintela aconselha a sua geração e as anteriores a “mudar a sua mentalidade”, argumentando que “muitas das pessoas não sabem o que é a natação”.

“Não há nada que substitua a natação. É preciso gostar, ser assídua e persistente para aprender”, disse de uma “força de vontade” que deve superar o “pensar nos cabelos e na pintura [maquilhagem]”.

Muito mais jovem, Ana Oliveira, a treinadora, garantiu à Lusa que aprender a nadar na terceira idade não é problema: “isto é uma realidade, de mito não tem nada. Em qualquer altura da vida podemos aprender a nadar como é o caso da Dona Alice, que aprendeu aos 50 anos”.

Da sua aluna com idade mais avançada elogiou “um espírito muito aberto”, o facto de que “nada a impede de chegar aos objetivos que define e estipula”, considerando ser essa é a “grande vantagem”: “quer e faz”.

Reconhecendo ser o seu exemplo uma “gota de água numa piscina” se comparada com o panorama nacional naquela faixa etária, Ana Oliveira considerou-o “reflexo de uma cultura desportiva que em Portugal ainda falta um bocadinho ganhar”.

A caminho dos 81 anos, Alice Quintela, segundo a treinadora que a ensina no Complexo de Piscinas de Águas Santas, “tem potencial para melhorar os seus tempos”, bastando, para tal, aprimorar a “nível técnico”.

“Espero tê-la muitos mais anos como minha atleta”, disse, reconhecendo um aliado na “vontade” da octogenária de alimentar a sua atração infantil pela água.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as vespas esfomeadas (e isso é má notícia)

A Zona de Exclusão de Chernobyl é a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat, onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986. Apesar de não haver humanos na região, e …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …

Orcas bebé têm maior probabilidade de sobreviver se viverem com a avó

Crias de orca que vivam com a avó têm uma maior probabilidade de sobreviver quando comparadas às outras orcas. A experiência destas espécimes mais velhas é essencial para o grupo. Tal como nos humanos, as avós …

A "capital mundial das pessoas feias" mora na Itália

Piobbico, na Itália, é uma cidade medieval repleta de grandes edifícios de pedra cercados por florestas exuberantes. No entanto, a cidade é conhecida pela feiura dos seus habitantes. Esta cidade, com cerca de 2.000 habitantes, alberga …

Jovem norte-americano despistou-se e caiu ao rio. Siri chamou os bombeiros

Um jovem norte-americano estava a caminho da universidade quando perdeu o controlo do carro, que derrapou sobre gelo, e foi parar ao rio Winnebago. Como não conseguiu encontrar o seu telemóvel, recorreu à Siri para …

Basta uma máscara impressa para enganar os sistemas de reconhecimento facial

Especialistas da empresa de inteligência artificial Kneron testaram sistemas em três continentes e vários falharam. O reconhecimento facial é, cada vez mais, um método de controlo e de segurança encarado como credível e, inclusivamente, usado …

Pandit olha para as vacas como família e quer produzir "leite ético" para vegans

Um agricultor nos Estados Unidos quer produzir "leite ético" para vegans, mantendo como prioridade o bem-estar e a saúde das vacas. Ultimamente, o consumo de leite tem sido posto cada vez mais em causa. Não só …

Jogadores do Arsenal doam um dia de salário para ações solidárias

Os futebolistas e a equipa técnica do Arsenal vão doar um dia de salário para ações solidárias de Natal. Os elementos técnicos também entraram na iniciativa, que prevê, ainda, a doação da receita do próximo …