Alibaba luta contra a fama de paraíso das imitações baratas

Thomas Lombard / Wikimedia

Sede do grupo Alibaba, em Hangzhou

Sede do grupo Alibaba, em Hangzhou

O ano de 2016 vai ser um desafio para o grupo Alibaba. A empresa luta para conseguir limpar a sua imagem de paraíso das imitações baratas e das mercadorias não autorizadas.

Jack Ma, presidente do Alibaba, disse mesmo que os produtos falsificados são um “cancro” no site Taobao, um bazar parecido com o eBay, onde compradores e vendedores se encontram.

O presidente do grupo Alibaba não teve um ano de 2015 propriamente fácil, já que mais de 50 mil milhões de dólares foram eliminados do valor de mercado devido a processos judiciais e críticas das entidades reguladoras da China e dos EUA, avança a Bloomberg, num trabalho de Lulu Yilun Chen.

(Re)conquistar a confiança dos comerciantes e consumidores no exterior é particularmente importante para Ma, já que é nestes mercados que o Alibaba quer obter mais de metade da receita da companhia dentro de dez anos.

A intenção que ganha mais particular relevância quando assistimos a uma notória desaceleração da economia chinesa.

Mas esta luta não é apenas do Alibaba. Os produtos falsificados e questionáveis são um grave problema com o qual a China se debate, onde a pirataria é desenfreada e há imitações de todo tipo de coisas.

Mas, enfatiza a Bloomberg, com o tempo, a crescente classe média do país vai procurar bens de melhor qualidade, o que obrigará a Alibaba a endireitar os seus negócios.

Basicamente a Alibaba ganha dinheiro com o Taobao através da receita obtida com publicidade, e comerciantes externos colocam os mais variados produtos à venda, como brinquedos, alimentos e equipamentos médicos.

Como os bens não estão nas mãos da Alibaba, é mais difícil verificar se eles são originais, diz Lulu Yilun Chen no trabalho que desenvolveu para a Bloomberg.

A companhia trabalha com mais de duas mil pessoas pessoas que monitorizam fraudes e que acabaram por remover 90 milhões de ofertas de produtos antes da abertura de capital da empresa, em 2014.

Os proprietários de marcas registadas podem utilizar um formulário virtual de queixa para denunciar infrações; os acusados de vender fraudes têm três dias para refutar as alegações com provas ou a oferta será retirada, de acordo com o site da Alibaba.

Apesar de ser o maior operador da China, a Alibaba é muito dependente do mercado doméstico, que gera mais de 80% da sua receita.

B!T

PARTILHAR

RESPONDER

China diz que detidos em Xinjiang estão "formados" e "vivem felizes"

Um alto quadro do regime chinês afirmou, esta segunda-feira, que os membros de minorias étnicas chinesas de origem muçulmana mantidos em "centros de treino vocacional" no extremo oeste do país já se "formaram" e levam …

Greve geral volta a parar França. Filas de trânsito chegam aos 620 quilómetros

Os acessos a Paris estão, esta manhã, muito complicados devido ao quinto dia de greve contra a reforma das pensões e que afeta sobretudo a rede de transportes na capital francesa. De acordo com as autoridades, …

"Mário Centeno está a perder influência no Governo". Os (maus) sinais para o Orçamento de Estado 2020

A proposta de Orçamento do Estado para 2020 [OE 2020] vai ser apresentada daqui a uma semana e alguns economistas antecipam os riscos do documento, falando de uma "situação potencialmente perigosa para as contas públicas" …

Utilizadores russos do Reddit terão divulgado documentos comprometedores sobre o Brexit

A rede social Reddit anunciou ter concluído que utilizadores russos estiveram na origem da divulgação de documentos confidenciais do governo britânico sobre as negociações comerciais do Brexit. O Reddit anunciou, num comunicado citado pela Associated Press, …

Concorrência quer novas regras para fidelizações nas telecomunicações

A Autoridade da Concorrência (AdC) quer mudanças nas regras impostas pelas operadoras de telecomunicações nos contratos de fidelização. Segundo um relatório da AdC, ao qual o Jornal de Negócios teve acesso e que será esta segunda-feira …

Se Trump fosse julgado perante um júri, seria condenado "em três minutos"

Caso o processo de impeachment avance, e Trump seja apresentado perante um júri, Jerry Nadler acredita que o presidente norte-americano seria considerado culpado "em três minutos". O presidente da comissão de Justiça da Câmara dos Representantes, …

Sangue, lágrimas e crianças escoltadas na primeira despromoção da história do Cruzeiro

O Cruzeiro desceu de divisão pela primeira vez na sua história. O último jogo do campeonato, que selou a despromoção, ficou marcado por episódios violentos entre adeptos e polícia. O cenário vivido no 'Mineirão', este domingo, …

Movimento "Convergência" prepara moção para convenção do Bloco (mas rejeita cisão)

Largas dezenas de elementos do Bloco de Esquerda (BE) estiveram reunidos para preparar uma moção para apresentar na próxima convenção do partido, mas rejeitam estar a criar uma nova tendência ou a preparar uma cisão. João …

Empresário lesou Fisco em 60 milhões, mas não tem de devolver nada

Um empresário do setor do ouro condenado a sete anos de prisão por fraude fiscal agravada não terá de devolver nenhuma parte dos 60 milhões de euros de prejuízo que deu ao Estado por não …

Maioria das pistolas Glock roubadas da PSP pode ter estado sempre com a polícia

Luís Gaiba defende que a contagem do armamento não estava atualizada e que, por isso, a maioria das armas alegadamente desaparecidas pode nunca ter saído da posse da polícia. O agente Luís Gaiba, suspeito do roubo …