Especial ZAP | O Aliança não é um “partido de cartazes bonitos”, é uma mescla de experiência e caras novas

O Aliança de Santana Lopes não é um partido de “cartazes bonitos”, assumido-se antes como uma “mescla” de experiência e caras novas. Em entrevista ao ZAP, Bruno Ferreira Costa, cabeça de lista no Porto, garante que o partido trabalha para conseguir lugar no Parlamento, fazendo ainda uma avaliação negativa aos quatro anos de legislatura do Governo liderado por António Costa.

Criado em outubro de 2018, o “recém-nascido” Aliança parte para as eleições de domingo com três grandes bandeiras hasteadas: combate à pobreza e à exclusão social, crescimento económico e coesão territorial. Ao ZAP, Bruno Ferreira Costa explicou que estas bandeiras se traduzem em várias propostas no programa eleitoral do Aliança.

No que respeita à exclusão social e ao combate à pobreza, o Aliança propõe medicamentos gratuitos para maiores de 65 anos que vivem com um valor abaixo do salário mínimo, bem como um seguro de saúde para todos os portugueses; no campo do crescimento económico, o partido pretende um “sistema fiscal mais estável e atrativo“, que liberte empresas e famílias da atual “asfixia fiscal”; por último, e no âmbito da coesão territorial, Bruno Ferreira Costa destaca a a abolição e isenção de portagens nas ex-SCUTs para residentes e empresas fixadas nesses territórios.

Fazendo um balanço negativo do Governo nos últimos quatro anos de legislatura, Bruno Ferreira Costa aponta o dedo ao Executivo liderado por António Costa no serviços públicos, no crescimento económico e nas “guerras abertas” com algumas classes.

“Uma avaliação negativa que incide em primeiro lugar pelo estado em que os serviços públicos são deixados, nomeadamente o Serviço Nacional de Saúde e a demora no acesso a consultas de especialidade em diversas unidades hospitalares (…) Destacamos também os quatro anos perdidos ao nível do crescimento económico, quando comparamos principalmente com os países que entraram em 2004 na UE, os países do leste europeu, e que crescem a 4/5% e que de facto já nos ultrapassaram. Aquilo que nos temos é que de facto o pais está a ser ano após ano ultrapassado ao nível do crescimento, ao nível da competitividade, ou seja essa é uma marca também negativa deste Executivo”.

Por último, apontou, “a guerra aberta que o Governo fez a um conjunto de classes profissionais: professores, médicos, enfermeiros, forças de segurança, foram considerados quase como inimigos do estado”, acrescentou, afirmando que estes conflitos “tem obviamente reflexos nos valores da emigração nestes setores”.

Falta de oposição ao Governo e os “cartazes bonitos”

O candidato não duvida que faltou oposição ao Governo, recordando ainda que o Executivo contou com os partidos de esquerda para fazer aprovar Orçamentos de Estado.

“O facto de este deste Governo beneficiar de uma conjuntura nacional única, que foi de facto os partidos de extrema-esquerda apoiarem o Governo e aprovarem os quatro orçamentos (…) Mas faltou também uma oposição mais consistente, mais séria, demonstrando que há uma alternativa, uma alternativa focada naquilo que é a valorização do mérito, do trabalho, do crescimento económico, uma valorização daquilo que é a iniciativa privada, uma valorização daquilo que é o Portugal como um todo e não Portugal centralizado, muito focado nas grandes metrópoles e portanto não houve essa voz ativa”.

E é aqui que o Aliança, que se afirma como uma “mescla” de caras novas e experiência, considera que pode ser parte da solução: “Consideramos que poderemos ser essa voz e que seremos essa voz na próxima legislatura”.

Bruno Ferreira Costa diz também que o que distingue o Aliança das demais forças partidárias é a “seriedade em fazer política”, um elemento fundamental, segundo o candidato. “Não somos especializados em cartazes bonitos, em jogos de humor, nós, de facto, focamo-nos em propostas, propostas que possam resolver e dar resposta aos problemas dos portugueses”, assegurou.

Para domingo, o Aliança espera eleger um grupo parlamentar para, a partir daí, conseguir cumprir os seus objetivos. “Acreditamos que de facto vamos eleger esse grupo parlamentar. Os círculos eleitorais onde é mais provável a eleição fruto da estrutura do próximo sistema político eleitoral: Lisboa, porto, Setúbal, Braga”, enumerou.

“Independentemente dos resultados, a Aliança nasceu, e nasceu para afirmar uma alternativa e essa alternativa será assinalada, independentemente dos resultados”.

O candidato deixou ainda um apelo à participação eleitoral, para que os “portugueses não permitam que outros decidam por si”. “De facto, o voto em branco, o voto nulo ou a abstenção significa tão só anular a nossa voz. Aquilo que dizemos aos portugueses é que se querem ter voz na Assembleia da República o voto útil é o voto no Aliança”.

Nas europeias de maio, o Aliança, que trouxe Pedro Santana Lopes, líder e fundador do partido, de volta à vida política, conseguiu 1,86% dos votos, atrás do PAN (5,83%), não conseguindo eleger nenhum deputado para o Parlamento Europeu.

FM, MC, SA / ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas descobrem um novo benefício de tomar chá

https://vimeo.com/366605754 Se já se sabia que beber chá era bom para a nossa saúde, uma nova investigação vem confirmar ainda mais essa ideia. Cientistas encontraram no chá um novo benefício para o nosso cérebro. Várias investigações apontam …

Governo da Escócia quer novo referendo sobre independência em 2020

A ministra principal da Escócia e líder do Partido Nacionalista Escocês (SNP), Nicola Sturgeon, afirmou esta terça-feira que quer um novo referendo sobre a independência em 2020 e abrir negociações com Londres até ao fim …

As bactérias contradizem Darwin: a mais apta não sobrevive

Uma recente investigação levada a cabo pela Universidade de Copenhaga, na Dinamarca, revela que, no que diz respeito às bactérias, a "sobrevivência das mais cooperativas" excede a "sobrevivência das mais fortes". As bactérias são capazes de …

A Via Láctea roubou minúsculas galáxias à sua vizinha

Utilizando dados obtidos pelo Telescópio Gaia, os cientistas chegaram à conclusão que a Via Láctea "sequestrou" galáxias da Grande Nuvem de Magalhães, uma outra galáxia que a orbita. No nosso Universo, a regra é orbitar: a …

Pode ter sido encontrada (e ignorada) vida em Marte em 1976, defende antigo cientista da NASA

O antigo cientista da agência espacial norte-americana Gilbert V. Levin afirma que foram encontradas evidências de vida em Marte na década de 70. No entender do especialista, deviam ter sido levado a cabo mais investigações …

Era marketing. Fortnite voltou (e está diferente)

Depois de 10 temporadas, um buraco negro engoliu a ilha na qual diariamente milhões de jogadores tentavam sobreviver, matando-se uns aos outros. Durante um dia e meio, ninguém podia jogar. O susto acabou esta terça-feira, …

Cientistas determinam o que diminui a fertilidade das mulheres com o avanço da idade

Investigadores da Universidade de Copenhaga mapearam alguns dos mecanismos que podem afetar a fertilidade das mulheres desde a adolescência até a menopausa. A fertilidade natural das mulheres flutua entre altos e baixos na forma de uma …

Dono do Paris Saint-Germain quer comprar o Leeds (e torná-lo no novo Manchester City)

A Qatar Sports Investments (QSI), empresa que é detida por Nasser Al Khelaifi, quer dar o salto para o mercado inglês e adquirir o Leeds United, emblema que milita atualmente no segundo escalão. Na semana em …

Município italiano proíbe Google Maps. App faz com que muitas pessoas se "percam"

O autarca do município italiano de Baunei, na Sardenha, proibiu o uso do Google Maps na região, argumentando que "muitas" pessoas se perderam por causa de "sugestões enganosas" do serviço de localização. A informação é …

Pedalar mais dá direito a prémios. Tecnologia portuguesa desperta interesse de Copenhaga

Depois de se ter estreado em Matosinhos e de ter despertado interesse em Nova Iorque, um programa português que premeia comportamentos de mobilidade ambientalmente sustentáveis chamou a atenção em Copenhaga. O AYR, desenvolvido pela empresa CEiiA …