Especial ZAP | O Aliança não é um “partido de cartazes bonitos”, é uma mescla de experiência e caras novas

O Aliança de Santana Lopes não é um partido de “cartazes bonitos”, assumido-se antes como uma “mescla” de experiência e caras novas. Em entrevista ao ZAP, Bruno Ferreira Costa, cabeça de lista no Porto, garante que o partido trabalha para conseguir lugar no Parlamento, fazendo ainda uma avaliação negativa aos quatro anos de legislatura do Governo liderado por António Costa.

Criado em outubro de 2018, o “recém-nascido” Aliança parte para as eleições de domingo com três grandes bandeiras hasteadas: combate à pobreza e à exclusão social, crescimento económico e coesão territorial. Ao ZAP, Bruno Ferreira Costa explicou que estas bandeiras se traduzem em várias propostas no programa eleitoral do Aliança.

No que respeita à exclusão social e ao combate à pobreza, o Aliança propõe medicamentos gratuitos para maiores de 65 anos que vivem com um valor abaixo do salário mínimo, bem como um seguro de saúde para todos os portugueses; no campo do crescimento económico, o partido pretende um “sistema fiscal mais estável e atrativo“, que liberte empresas e famílias da atual “asfixia fiscal”; por último, e no âmbito da coesão territorial, Bruno Ferreira Costa destaca a a abolição e isenção de portagens nas ex-SCUTs para residentes e empresas fixadas nesses territórios.

Fazendo um balanço negativo do Governo nos últimos quatro anos de legislatura, Bruno Ferreira Costa aponta o dedo ao Executivo liderado por António Costa no serviços públicos, no crescimento económico e nas “guerras abertas” com algumas classes.

“Uma avaliação negativa que incide em primeiro lugar pelo estado em que os serviços públicos são deixados, nomeadamente o Serviço Nacional de Saúde e a demora no acesso a consultas de especialidade em diversas unidades hospitalares (…) Destacamos também os quatro anos perdidos ao nível do crescimento económico, quando comparamos principalmente com os países que entraram em 2004 na UE, os países do leste europeu, e que crescem a 4/5% e que de facto já nos ultrapassaram. Aquilo que nos temos é que de facto o pais está a ser ano após ano ultrapassado ao nível do crescimento, ao nível da competitividade, ou seja essa é uma marca também negativa deste Executivo”.

Por último, apontou, “a guerra aberta que o Governo fez a um conjunto de classes profissionais: professores, médicos, enfermeiros, forças de segurança, foram considerados quase como inimigos do estado”, acrescentou, afirmando que estes conflitos “tem obviamente reflexos nos valores da emigração nestes setores”.

Falta de oposição ao Governo e os “cartazes bonitos”

O candidato não duvida que faltou oposição ao Governo, recordando ainda que o Executivo contou com os partidos de esquerda para fazer aprovar Orçamentos de Estado.

“O facto de este deste Governo beneficiar de uma conjuntura nacional única, que foi de facto os partidos de extrema-esquerda apoiarem o Governo e aprovarem os quatro orçamentos (…) Mas faltou também uma oposição mais consistente, mais séria, demonstrando que há uma alternativa, uma alternativa focada naquilo que é a valorização do mérito, do trabalho, do crescimento económico, uma valorização daquilo que é a iniciativa privada, uma valorização daquilo que é o Portugal como um todo e não Portugal centralizado, muito focado nas grandes metrópoles e portanto não houve essa voz ativa”.

E é aqui que o Aliança, que se afirma como uma “mescla” de caras novas e experiência, considera que pode ser parte da solução: “Consideramos que poderemos ser essa voz e que seremos essa voz na próxima legislatura”.

Bruno Ferreira Costa diz também que o que distingue o Aliança das demais forças partidárias é a “seriedade em fazer política”, um elemento fundamental, segundo o candidato. “Não somos especializados em cartazes bonitos, em jogos de humor, nós, de facto, focamo-nos em propostas, propostas que possam resolver e dar resposta aos problemas dos portugueses”, assegurou.

Para domingo, o Aliança espera eleger um grupo parlamentar para, a partir daí, conseguir cumprir os seus objetivos. “Acreditamos que de facto vamos eleger esse grupo parlamentar. Os círculos eleitorais onde é mais provável a eleição fruto da estrutura do próximo sistema político eleitoral: Lisboa, porto, Setúbal, Braga”, enumerou.

“Independentemente dos resultados, a Aliança nasceu, e nasceu para afirmar uma alternativa e essa alternativa será assinalada, independentemente dos resultados”.

O candidato deixou ainda um apelo à participação eleitoral, para que os “portugueses não permitam que outros decidam por si”. “De facto, o voto em branco, o voto nulo ou a abstenção significa tão só anular a nossa voz. Aquilo que dizemos aos portugueses é que se querem ter voz na Assembleia da República o voto útil é o voto no Aliança”.

Nas europeias de maio, o Aliança, que trouxe Pedro Santana Lopes, líder e fundador do partido, de volta à vida política, conseguiu 1,86% dos votos, atrás do PAN (5,83%), não conseguindo eleger nenhum deputado para o Parlamento Europeu.

FM, MC, SA / ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Este ano não há São João nem Santo António. Festas populares canceladas em Lisboa e Porto

As Câmaras Municipais de Lisboa e do Porto resolveram cancelar as festividades de Santo António e de são João, respectivamente, por causa da pandemia de Covid-19. As marchas populares só voltam no próximo ano, com …

Sem ajudas do Governo, "não sei se os grandes vão continuar a ser grandes"

"É complicado encontrar soluções", assume o presidente do Marítimo numa altura em que o futebol está parado por causa da pandemia de Covid-19. A situação é "aflitiva" para muitos clubes, diz Carlos Pereira que acredita …

Governo dá tolerância de ponto nos dias 9 e 13 de abril

O primeiro-ministro assinou um despacho a conceder tolerância de ponto nos próximos dias 9 e 13, no período da Páscoa, a todos os trabalhadores que exercem funções públicas nos serviços da administração direta do Estado. “É …

Depois do papel higiénico, vendas de snacks e bebidas alcoólicas disparam

A Associação Espanhola de Supermercados fez um estudo sobre as alterações de consumo desde que foi decretado o estado de emergência. A procura por papel higiénico disparou meados de março, mas os produtos mais procurados …

Bloco quer proibir banca de distribuir lucros (e pede ajuda ao PSD)

O Bloco de Esquerda quer proibir os bancos de distribuírem dividendos em 2020 e pede ajuda ao PSD para o conseguir. Em videoconferência, Mariana Mortágua lançou um desafio ao líder social-democrata. O Bloco de Esquerda anunciou …

Ordens duvidam dos números de infetados (e admitem fazer o seu próprio levantamento)

Segundo os números anunciados na quarta-feira, havia 1.124 profissionais de saúde e oito deles estavam internados em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI). Mas estes números não convencem as Ordens. De acordo com o Observador, o bastonário …

Europa tem que ser o seu "próprio Plano Marshall". Centeno defende solução sem o "estigma" da austeridade

Mário Centeno continua a incentivar uma solução conjunta assente na ideia da solidariedade europeia perante "uma crise inesperada e sem precedentes" devido à pandemia de Covid-19. Como presidente do Eurogrupo, o ministro das Finanças de …

Há mais de 10 mil infetados em Portugal. DGS vai fazer testes de imunidade à população

O boletim epidemiológico da Direção-geral da Saúde deste sábado regista 10.524 casos de infeção por covid-19 em Portugal. Há mais 20 mortes, num total de 266 óbitos. Nas últimas 24 horas, até à meia-noite, foram registados …

Quase meio milhão de portugueses estão em lay-off. "Sistema é errado", diz Francisco Louçã

Uma semana depois de o Governo ter aberto a porta ao lay-off simplificado, mais de 22 mil empresas já recorreram a este novo regime. Atualmente, há 425.287 trabalhadores nessa situação. Francisco Louçã considera este sistema …

Costa "chocado" com caso da morte no aeroporto. Enfermeira, médico e polícias também investigados

Além dos três inspectores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) que são suspeitos de terem agredido um cidadão ucraniano, que acabou por morrer, também há outros elementos do SEF, um médicos e uma enfermeira, …