Alexei Navalny libertado da prisão

Yuri Kochetkov / EPA

O líder da oposição russa, Alexei Navalny

O principal opositor do Kremlin foi libertado da prisão, esta sexta-feira, depois de cumprir uma pena de 30 dias por apelos à participação num grande movimento de protestos que tem agitado Moscovo.

Alexei Navalny saiu da prisão a sorrir e denunciou de imediato os “atos de terror destinados a amedrontar”, cometidos pelas autoridades russas na tentativa de supressão do movimento de protesto em Moscovo.

“O movimento continuará a crescer e este regime lamentará fortemente o que fez”, disse o principal opositor do Kremlin aos jornalistas.

Navalny foi preso a 24 de julho na capital russa, em plena escalada do protesto devido à rejeição de candidatos da oposição às eleições locais agendadas para 8 de setembro. Mais tarde, foi condenado a 30 dias de prisão por “repetidas violações das regras de organização das manifestações”.

Durante a detenção, Navalny foi brevemente tratado no hospital ao que os médicos descreveram como uma “reação alérgica grave”, que o seu advogado chegou a classificar de “envenenamento”.

Várias manifestações não autorizadas para exigir eleições livres em Moscovo resultaram em milhares de detenções nas últimas semanas. Este é o maior movimento de protesto desde o regresso de Vladimir Putin ao Kremlin em 2012. Duas manifestações não autorizadas levaram a 1.400 detenções num caso e a mil noutro.

A maioria dos oponentes moscovitas atualmente cumpre penas curtas de prisão, enquanto a organização de Navalny, o Fundo Anticorrupção, está sob investigação por “lavagem de dinheiro”.

A justiça russa chegou a congelar a 8 de agosto as contas da organização, depois do Comité de Inquérito russo ter anunciado a abertura de um processo judicial contra aquela entidade liderada por Navalny, acusado de receber ilegalmente cerca de mil milhões de rublos (13,6 milhões de euros). Também as casas de vários colaboradores foram então alvo de buscas.

O fundo de luta contra corrupção, gerido por Navalny, está na origem de vários inquéritos sobre a vida faustosa e a corrupção de membros da elite russa. Ignorado pelos meios de comunicação social públicos, Navalny é muito comentado nas redes sociais, nas quais as suas publicações contabilizam sempre muitas partilhas.

Uma das publicações, que acusa o primeiro-ministro, Dmitry Medvedev, de estar à frente de um império imobiliário, totalizou 31,5 milhões de visualizações no YouTube.

Numa outra investigação, o Fundo Anticorrupção acusa a vice-presidente da câmara de Moscovo, Natalia Sergounina, de desviar milhões de rublos de dinheiro público da administração do parque imobiliário da cidade.

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.