Se não quer que a Alexa e a Siri ouçam a sua vida privada, basta usar uma “pulseira do silêncio”

Uma equipa de professores de ciência da computação da Universidade de Chicago inventou uma pulseira especial que interfere com todos os microfones próximos, incluindo os dos altifalantes e assistentes inteligentes.

As câmaras de segurança e altifalantes inteligentes da Amazon e da Google, que já venderam milhões de unidades em todo o mundo, podem representar um grande risco para a segurança e privacidade tanto no caso da possível monitorização das empresas de tecnologia quanto no caso de hackers.

De acordo com o jornal norte-americano The New York Times, 24% dos adultos norte-americanos têm um altifalante inteligente nas suas casas.

Para os que acreditam que estes aparelhos estão de “ouvidos” bem abertos, a gravar conversas particulares, os investigadores começam a desenvolver acessórios para preservar a privacidade das suas interações.

Uma equipe de professores de ciência da computação da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, inventou um bracelete que interfere com todos os microfones próximos para impedir qualquer captura sonora.

A robusta “pulseira do silêncio” possui 24 altifalantes que emitem sinais ultrassónicos impercetíveis. Qualquer microfone próximo deteta as altas frequências como ruído estático que abafa a fala do utilizador.

“É tão fácil gravar hoje em dia”, explicou Pedro Lopes, professor da Universidade de Chicago. “Esta é uma defesa útil. Quando tem algo particular a dizer, pode ativá-lo em tempo real. Quando reproduzirem a gravação, o som desaparecerá”, comentou o professor sobre as possíveis aplicações do acessório.

A privacidade é um direito e, em tese, acessórios como este não deveriam ter de existir. Isso está escrito no artigo 12 da Declaração Universal dos Direitos Humanos: “o direito à privacidade nos dá a capacidade de escolher que partes neste domínio podem ser acedidas por outras pessoas, e para controlar a extensão, formato e o momento do uso dessas informações que escolhemos para divulgar.”

“O futuro é ter todos estes dispositivos [como altifalantes inteligentes e câmaras de segurança] ao seu redor, mas teremos de assumir que estão potencialmente comprometidos”, explicou Ben Zhao, professor de ciência da computação da Universidade de Chicago. “O seu círculo de confiança terá de ser muito mais pequeno, às vezes até ao seu corpo”.

Sobre a importância do bracelete do silêncio, “as novas tecnologias estão a corroer continuamente a nossa privacidade e anonimato. As pessoas estão à procura de uma opção de não participação, que é o que estou a tentar oferecer”, completou Lopes.

Por enquanto, o acessório é um protótipo, mas, de acordo com os investigadores, poderia ser fabricado por apenas 20 dólares (cerca de 18 euros).

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Arqueólogos revelam condições horríveis de campo de concentração nazi no Reino Unido

Uma equipa de arqueólogos revelou as condições horríveis de um campo de concentração nazi em Alderney, a ilha britânica mais setentrional do Canal da Mancha, onde estavam prisioneiros políticos e trabalhadores forçados durante a Segunda …

Governo quer reabrir ensino secundário a 4 de maio. Telescola deve arrancar depois da Páscoa

O Governo está a preparar a reabertura das escolas apenas para o ensino secundário para 4 de maio. Ainda falta ouvir a Direção-geral da Saúde, os especialistas, o Conselho Nacional de Educação e o Conselho …

“Não há razão para alarme”. Governo quer perdoar penas até dois anos e antecipar liberdade condicional

A proposta de lei do Governo que estabelece um regime excecional para as prisões, no âmbito da pandemia covid-19, já deu entrada na Assembleia da República, podendo ser consultada na página oficial do Parlamento. No diploma, …

O nosso cérebro evoluiu para acumular mantimentos (e julgar os outros por fazer o mesmo)

O nosso cérebro evoluiu de uma forma que, em situações de stress, acumulamos mantimentos e julgamos os outros por fazer exatamente o mesmo. Os media estão repletos de histórias – e a condenação – de pessoas que …

Autarca de Vieira do Minho denuncia: testes estão a ser desviados para Lisboa

O Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Gerês/Cabreira, Vieira do Minho, detetou 77 infetados pelo novo coronavírus, com os autarcas da área a reclamarem contra a demora na distribuição de testes, disse esta sexta-feira à …

Trump recomenda uso de máscaras (mas recusa-se a usá-las)

Esta sexta-feira, os Estados Unidos tiveram, pelo quarto dia consecutivo, o maior número de mortes em 24 horas, num total de 1.094, e contam com quase 30 mil novos casos. No seu briefing diário, de acordo …

A Antártida já foi uma floresta tropical

A Antártida pode ter sido o lar de ecossistemas quentes e pantanosos cercados por fetos e árvores coníferas há 90 milhões de anos, altura marcada pelo auge dos dinossauros. Uma análise do solo antigo extraído da …

Algumas estrelas têm "veneno" dentro de si (e é por isso que explodem)

Algumas estrelas têm um "veneno" dentro de si: o elemento néon no núcleo das estrelas pode desencadear uma reação química que leva a uma morte definitiva e explosiva. Estrelas menos massivas, como o nosso Sol, expandem-se …

Criada tecnologia que traduz pensamentos diretamente em texto

Uma equipa de investigadores diz ter criado um sistema capaz de traduzir sinais cerebrais diretamente em texto escrito. Este é um passo promissor para que no futuro seja possível escrever num computador apenas com o …

Desaparecimentos, mistérios e lendas. O Triângulo do Alasca pode ser mais perigoso do que o das Bermudas

Milhares de pessoas desaparecem todos os anos no estado norte-americano do Alasca, fazendo lembrar as histórias do Triângulo das Bermudas, onde aviões e navios desapareceram sem deixar rastro. De acordo com a revista The Atlantic, três …