/

Alemanha pede perdão aos homossexuais pelos crimes nazis

Hayoung Jeon / EPA

O presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, discursa junto ao Memorial dos Homossexuais Perseguidos pelo Nazismo

O presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, pediu neste domingo perdão aos homossexuais pelos crimes do nazismo e lamentou a perseguição judicial à minoria.

“Chegamos muito tarde”, reconheceu Frank-Walter Steinmeier frente ao monumento das vítimas homossexuais do Terceiro Reich, ao referir-se à lei aprovada no ano passado, que anulou as penas impostas após a Segunda Guerra Mundial, com base no artigo 175 do Código Penal, mais rígido durante o nazismo e não revogado completamente até 1994.

O monumento em homenagem aos homossexuais foi construído há dez anos no centro do parque de Tiergarten, em Berlim. Números oficiais indicam que 7 mil gays e lésbicas foram mortos em campos de concentração durante o Terceiro Reich. Além disso, mais de 54 mil foram processados pela orientação sexual entre 1933 e 1945.

“Como presidente federal é importante para mim dizer: o nosso país fê-los esperar tempo demais. Peço perdão por isso. Pela dor e pela injustiça, e pelo longo silêncio que veio em seguida”, disse.

O governo da chanceler Angela Merkel aprovou o ano passado uma lei para anular as penas impostas desde o fim da Segunda Guerra Mundial em virtude do artigo do Código Penal Citado.

Merkel aprovou também o ano passado uma indemnização de 3 mil euros para cada uma das cerca de 5 mil pessoas condenadas injustamente que ainda estão vivas. que receberam ainda 1500 mil euros por cada ano de prisão.

  // EFE

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.