/

Entre cursos de água e “kahns”, a Alemanha ainda alberga uma minoria étnica de língua eslava

gertrudk / Flickr

Lehde, uma pacata vila em Spreewald, Alemanha

As nações europeias nasceram e desvaneceram ao longo do tempo, mas há uma minoria étnica de língua eslava que permanece dentro da Alemanha.

Lehde é uma pacata vila, com cerca 150 habitantes, de ilhas pantanosas interligadas por pontes pedonais, na exuberante reserva da biosfera da UNESCO em Spreewald, na Alemanha.

Localizada a cerca de 100 quilómetros de Berlim, este vasto mosaico de 47.500 hectares de prados, florestas e canais tem poucas estradas, muitos trilhos e é popular entre os turistas que querem escapar da agitação da capital alemã.

Segundo a BBC, os cursos de água de Spreewald são uma espécie de tábua de salvação e enchem-se – todos os dias e há mais de mil anos – de barcos de madeira (os Kahns) que percorrem os riachos da região para transportar gado, colheitas e pessoas.

Ainda que a maioria dos habitantes desta região já possua uma embarcação e um pequeno cais, nos últimos 124 anos, estes canais foram usados ​​para a entrega de correspondência – e Andrea Bunar tem um dos empregos mais incomuns da Alemanha.

É bom quando as tradições antigas são mantidas e revividas”, disse a carteira que, todos os dias entre abril e outubro, usa um barco de 9 metros de comprimento para navegar pelos labirintos de pequenos cursos de água e entregar cartas a cerca de 65 casas que, de outra forma, seriam muito difíceis de alcançar.

Bunar conversa a maior parte das vezes em alemão com os moradores e turistas, e lamenta não saber falar a segunda língua da região, que é uma parte importante da sua identidade.

Além de abrigar 6 mil espécies de animais e plantas, Spreewald também abriga os sorábios: o mais pequeno grupo étnico eslavo do mundo e uma das quatro minorias alemãs reconhecidas nacionalmente, ao lado dos dinamarqueses, frísios e os alemães Sinti e Roma.

Os sorábios são descendentes de tribos eslavas que viviam no norte das montanhas dos Cárpatos na Europa Central e Oriental. Há cerca de 1.500 anos, algumas dessas tribos migraram para Lusatia, uma região histórica, conhecida por Sorbia, que abrangia o leste da Alemanha, oeste da Polónia e o extremo norte da República Checa.

Com o tempo, os impérios e nações europeus surgiram e desapareceram, mas os sorábios permaneceram. Ainda hoje continuam a ser uma minoria étnica de língua eslava existente dentro da Alemanha moderna.

Atualmente, existem cerca de 60 mil sorábios no país. Além do alemão, os sorábios falam as suas próprias línguas eslavas ocidentais: cerca de 20 mil pessoas na Saxónia falam sorábio superior (que tem semelhanças com o checo); enquanto Brandenburg tem cerca de 5 mil falantes de sorábio inferior (que tem mais em comum com o polaco).

Ambas as línguas estão em perigo, apesar de serem protegidas e promovidas localmente.

A BBC explica que isto significa que, à medida que os visitantes remam lentamente pelos canais de Spreewald, é provável que percebam que as placas públicas são bilingues. Aliás, é muito provável que os próprios habitantes locais saibam escrever os seus nomes em alemão e sorábio.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.